Menu
2020-10-30T12:28:12-03:00
Estadão Conteúdo
efeito pandemia

Setor público tem déficit primário de R$ 64,559 bi em setembro, diz BC

Em função da pandemia, cujos efeitos econômicos se intensificaram em março, o governo federal e os governos regionais passaram a enfrentar um cenário de forte retração das receitas e aumento dos gastos públicos.

30 de outubro de 2020
12:28
Moeda Nacional, Real, Dinheiro, notas de real
Imagem ilustrativa - Imagem: Marcello Casal Jr / Agência Brasil

Sob os efeitos econômicos da pandemia do novo coronavírus, o setor público consolidado (Governo Central, Estados, municípios e estatais, com exceção de Petrobras e Eletrobras) apresentou déficit primário de R$ 64,559 bilhões em setembro, informou nesta sexta-feira, 30, o Banco Central. Este é o maior déficit para o mês na série histórica, iniciada em dezembro de 2001. Em agosto deste ano, havia sido registrado déficit de R$ 87,594 bilhões.

O resultado primário reflete a diferença entre receitas e despesas do setor público, antes do pagamento da dívida pública. Em função da pandemia, cujos efeitos econômicos se intensificaram em março, o governo federal e os governos regionais passaram a enfrentar um cenário de forte retração das receitas e aumento dos gastos públicos.

O déficit primário consolidado do mês passado foi menor que o esperado pelos analistas do mercado financeiro ouvidos pelo Projeções Broadcast. As estimativas iam de déficit de R$ 89,70 bilhões a déficit de R$ 65,80 bilhões. A mediana estava negativa em R$ 70,10 bilhões.

Composição

O resultado fiscal de setembro foi composto por um déficit de R$ 75,148 bilhões do Governo Central (Tesouro, Banco Central e INSS).

Já os governos regionais (Estados e municípios) influenciaram o resultado positivamente com R$ 9,961 bilhões no mês. Enquanto os Estados registraram um superávit de R$ 9,013 bilhões, os municípios tiveram resultado positivo de R$ 948 milhões. As empresas estatais registraram superávit primário de R$ 628 milhões.

A projeção do Tesouro para o rombo fiscal do setor público consolidado em 2020 é de R$ 895,8 bilhões. O montante equivale a 12,5% do Produto Interno Bruto (PIB). Para o Governo Central, o déficit estimado é de R$ 871 bilhões (12% do PIB).

Acumulado do ano

As contas do setor público acumularam um déficit primário de R$ 635,926 bilhões no ano até setembro, o equivalente a 11,95% do PIB, informou o Banco Central.

Este resultado foi consequência do desempenho registrado nos últimos meses, em meio aos efeitos da pandemia do novo coronavírus na economia. Somente em setembro, houve déficit primário de R$ 64,559 bilhões.

O déficit fiscal no ano até setembro ocorreu na esteira do déficit de R$ 677,001 bilhões do Governo Central (12,72% do PIB).

Os governos regionais (Estados e municípios) apresentaram um superávit de R$ 37,119 bilhões (0,70% do PIB) no período. Enquanto os Estados registraram um superávit de R$ 35,810 bilhões, os municípios tiveram um saldo positivo de R$ 1,310 bilhão. As empresas estatais registraram um resultado positivo de R$ 3,956 bilhões no período.

12 meses

As contas do setor público acumulam um déficit primário de R$ 655,306 bilhões em 12 meses até setembro, o equivalente a 9,08% do PIB, informou o Banco Central.

A projeção do Tesouro para o rombo fiscal do setor público consolidado em 2020 é de R$ 895,8 bilhões. O montante equivale a 12,5% do Produto Interno Bruto (PIB). Para o governo central, o déficit estimado é de R$ 871 bilhões (12% do PIB).

O déficit fiscal nos 12 meses encerrados em setembro pode ser atribuído ao rombo de R$ 702,734 bilhões do Governo Central (9,74% do PIB). Os governos regionais (Estados e municípios) apresentaram um superávit de R$ 32,671 bilhões (0,45% do PIB) em 12 meses até setembro.

Enquanto os Estados registraram um superávit de R$ 34,614 bilhões, os municípios tiveram um saldo negativo de R$ 1,943 bilhão. As empresas estatais registraram um resultado positivo de R$ 14,756 bilhões no período.

Déficit nominal

O setor público consolidado registrou um déficit nominal de R$ 103,419 bilhões em setembro. Em agosto, o resultado nominal havia sido deficitário em R$ 121,879 bilhões e, em setembro de 2019, deficitário em R$ 45,920 bilhões.

No mês passado, o Governo Central registrou déficit nominal de R$ 109,762 bilhões. Os governos regionais tiveram saldo positivo de R$ 6,269 bilhões, enquanto as empresas estatais registraram superávit nominal de R$ 74 milhões.

O resultado nominal representa a diferença entre receitas e despesas do setor público, já após o pagamento dos juros da dívida pública. Em função da pandemia do novo coronavírus, que reduziu a arrecadação dos governos e elevou as despesas, o déficit nominal tem sido mais elevado nos últimos meses.

No ano até setembro, o déficit nominal somou R$ 888,522 bilhões, o que equivale a 16,70% do PIB.

Em 12 meses até setembro, há déficit nominal de R$ 990,996 bilhões, ou 13,74% do PIB.

Gasto com juros

O setor público consolidado teve gasto de R$ 38,860 bilhões com juros em setembro, após esta despesa ter atingido R$ 34,285 bilhões em agosto, informou o Banco Central.

O Governo Central teve no mês passado despesas na conta de juros de R$ 34,614 bilhões. Os governos regionais registraram gasto de R$ 3,692 bilhões e as empresas estatais, de R$ 554 milhões.

No ano até setembro, o gasto com juros somou R$ 252,596 bilhões, o que representa 4,75% do PIB.

Em 12 meses até setembro, as despesas com juros atingiram R$ 335,690 bilhões (4,65% do PIB).

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Renovação do Conselho

Comitê interno da Petrobras desaprova dois nomes indicados ao Conselho

Indicados foram considerados inaptos pelo Comitê de Pessoas por terem atuado em empresas com relação direta com a estatal nos últimos três anos

ESTRADA DO FUTURO

A equação do e-commerce: onde estamos investindo quando o assunto é varejo

O varejo é grande demais para exista um tipo de “vencedor leva tudo”. Na geração de demanda é a mesma coisa. Todos estão crescendo como derivada de uma tendência maior, que é o desenvolvimento do e-commerce

CRIPTOMOEDA

Bitcoin ultrapassa US$ 60 mil antes de abertura de capital da Coinbase Global

Criptomoeda teve alta de 4,87%, a quatro dias de IPO da maior corretora de moedas digitais dos EUA

pandemia

Mortes por Covid-19 cresceram 468% no Brasil entre janeiro e março, alerta Fiocruz

Para os novos casos, o aumento foi de 701%; Sul e Centro-Oeste tendem a cenário mais crítico nas próximas semanas.

IPCA DE MARÇO

Inflação vai a 0,93% e mercado vê risco de estourar meta

Taxa acumulada passou a 6,10% no mês passado, reforçando temor de que inflação oficial termine o ano acima do teto da meta, de 5,25%.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies