Menu
2020-01-24T07:43:59-03:00
DE OLHO NO PIB

Nova grade de parâmetros pode trazer previsão de PIB maior que 2,4%, diz Waldery

Por outro lado, Waldery admitiu a possibilidade de retirada da projeção de receitas com a descotização de hidrelétricas da Eletrobras, que depende da privatização da companhia

23 de janeiro de 2020
20:15 - atualizado às 7:43
Touros e Ursos CAPA – PIB
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Poucos dias após divulgar uma nova grade de parâmetros macroeconômicos com estimativa de alta de 2,4% para o PIB de 2020, o secretário especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues, disse nesta quinta-feira, 23, que o governo pode rever essa projeção para cima. "A revisão da grade de parâmetros prevista para março pode trazer uma expectativa maior que 2,4% para o PIB", afirmou. "Com isso, a projeção de receitas também deve aumentar", completou.

Por outro lado, Waldery admitiu a possibilidade de retirada da projeção de receitas com a descotização de hidrelétricas da Eletrobras, que depende da privatização da companhia. Segundo ele, o calendário eleitoral coloca pressão de tempo sobre o projeto de desestatização da companhia. "Se for o caso, isso levará a alguma restrição no orçamento, mas trabalhamos com a perspectiva de retornar a Eletrobras para a projeção de receitas o quanto antes", completou.

O secretário evitou confirmar se essa reavaliação de receitas e despesas de março incluirá algum contingenciamento no orçamento deste ano. "Não temos número a priori, mas é possível que haja algum contingenciamento em 2020. Se houver, trabalharemos com a hipótese de liberação total dos recursos ao longo do ano, como ocorreu em 2019", respondeu.

Waldery reafirmou que o governo está buscando receitas novas para o orçamento deste ano, a exemplo do maior recolhimento de dividendos dos bancos públicos empregado no ano passado.

Leilões do pré-sal

Após a falta de interesse por dois dos quatro blocos ofertados no último megaleilão de petróleo do pré-sal, o secretário especial de Fazenda disse nesta quinta que o governo recebeu indicações de que a retirada do direito de preferência da Petrobras nesses leilões poderia aumentar o apetite de companhias estrangeiras.

"Existem indicações de que o direito de preferência, se for retirado, aumenta o apetite de estrangeiros", afirmou.

Apesar disso, ele ressaltou que não há decisão tomada no governo e que qualquer definição dependerá dos integrantes do Conselho Nacional de Política Energética (CNPE).

No ano passado, o governo leiloou duas das quatro áreas disponíveis do chamado excedente da cessão onerosa. A intenção da equipe econômica é levar as duas restantes - Sépia e Atapu - a um novo leilão. Para isso, estão discutindo o valor do bônus de assinatura e a alíquota de participação da União no óleo-lucro das áreas.

Segundo Waldery, o governo poderá fazer o leilão das duas áreas ainda em dezembro deste ano, mas admitiu a possibilidade de o certame acabar ficando para 2021.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Confira os números

Petrobras, Ultrapar, Marfrig, RaiaDrogasil e GPA: os balanços que vão mexer com a bolsa nesta quinta-feira

O dia começa recheado de balanços anuais das companhias listadas no Ibovespa

Recurso da estatal

TRF-4 nega recurso da Petrobras e mantém Odebrecht fora de ação da Lava Jato

No recurso, a estatal buscava o prosseguimento dos réus na ação cível e a manutenção do bloqueio de bens dos executivos

Seu Dinheiro na sua noite

Guedes fora, alta do dólar

Você se lembra de quando o dólar a R$ 4,20 era o grande “patamar psicológico” da moeda americana? Não faz tanto tempo assim, mas esse nível de cotação ficou para trás, e agora parece até um pouco distante. Hoje, o dólar à vista bateu um novo recorde de fechamento. Eu sei que você já leu […]

Mais um recorde: dólar à vista sobe a R$ 4,36 e renova a máxima nominal de fechamento

O dólar à vista subiu mais um degrau nesta quarta-feira (19): pela primeira vez, terminou uma sessão acima dos R$ 4,36, cravando um novo recorde nominal. É a oitava vez em 2020 que a moeda renova as máximas de fechamento

Ainda na liderança

Vitor Hugo crê que permanece como líder do governo; Terra diz não receber convite

O deputado disse que não recebeu sinalizações do presidente Jair Bolsonaro de que poderá ser substituído pelo ex-ministro Osmar Terra

O impasse continua

Após TRT suspender demissões, Petrobras quer negociar desligamentos em fábrica

Encerramento da operação da Ansa é o principal motivo da greve dos petroleiros

Ponto polêmico

Relator mantém trabalho aos domingos na MP do contrato verde e amarelo

Deputado Áureo manteve a permissão para que todos os trabalhadores sejam convocados para trabalhar aos domingos e feriados

Novidade no IR

Programa do IR virá sem dedução da contribuição patronal sobre domésticos

Fim da dedução é a principal novidade para as declarações de IR em 2020

4 a 4

Com placar empatado, julgamento sobre decreto da Petrobras é suspenso no STF

Interrupção se deu diante da ausência dos ministros Celso de Mello e Cármen Lúcia na sessão

Fuga de estrangeiros

Investidor estrangeiro retira R$ 258,518 milhões da B3 no dia 17

Em fevereiro, o saldo acumulado de recursos estrangeiros na Bolsa está negativo em R$ 7,920 bilhões

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements