Menu
2020-07-30T10:09:44-03:00
Estadão Conteúdo
inflação do aluguel

IGP-M de julho salta para 2,23%, ante 1,56% em junho, revela FGV

Com o resultado, o IGP-M passou a acumular inflação de 6,71% em 2020 e de 9,27% nos 12 meses encerrados em julho.

30 de julho de 2020
10:09
rentabilidade de imóveis
Imagem: Tinnakorn Jorruang/Shutterstock

O Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) ganhou tração em julho e subiu 2,23%, após alta de 1,56% em junho. A informação foi divulgada nesta Quinta-feira pela Fundação Getulio Vargas (FGV). É a maior variação mensal para o indicador desde fevereiro de 2003, quando havia subido 2,28%. Com o resultado, o IGP-M passou a acumular inflação de 6,71% em 2020 e de 9,27% nos 12 meses encerrados em julho.

Nos componentes do indicador, o Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA-M) acelerou a 3%, depois de avançar 2,25% no mês anterior. O indicador, que responde por 60% do IGP-M, passou a acumular taxa de 9,34% em 2020 e de 12,6% em 12 meses.

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC-M) também ganhou força e subiu 0,49%, após alta de 0,04% em junho. O indicador passou a acumular inflação de 0,9% no ano e de 2,09% em 12 meses.

O Índice Nacional de Custos da Construção (INCC-M) subiu 0,84% nesta leitura, após taxa de 0,32% na anterior, e acumulou alta de 2,55% no ano e de 3,95% em 12 meses. A informação havia sido divulgada pela FGV nesta quarta-feira, 30.

IPAs

O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA-M) ganhou força na leitura do IGP-M de julho, ao avançar 3%. Foi a maior alta mensal do IPA-M desde dezembro de 2002, quando avançara 4,45%. Com o resultado, o indicador acumula alta de 9,34% em 2020 e de 12,6% nos 12 meses encerrados em julho.

Nas aberturas por origem dos produtos, o destaque ficou com o IPA agropecuário. O grupo avançou 3,14%, após alta de 1,29% em junho, e passou a acumular elevação nos preços de 12,35% em 2020 e de 25,43% em 12 meses.

Os preços ao produtor industrial também ganharam força. O IPA industrial acelerou a 2,94% em julho, de 2,6% em junho, e soma variação de 8,28% no ano e de 8,52% em 12 meses, segundo a FGV.

Nas aberturas por estágios de processamento, a maior pressão sobre o IPA partiu das matérias-primas brutas, que subiram 6,35% em julho. A taxa é mais que o dobro da observada no mês anterior, quando o grupo havia registrado alta de 2,57%.

A variação foi puxada pela aceleração da soja em grão (1,43% para 8,89%), minério de ferro (5,83% para 8,98%) e bovinos (3,26% para 8,94%). Em sentido oposto, os destaques foram cana de açúcar (1,39% para -0,62%), arroz em casca (10,44% para 0,99%) e algodão em caroço (2,57% para -0,24%). O grupo tem alta de 22,65% em 2020 e de 27,25% em 12 meses.

Os bens intermediários também ganharam tração em julho e avançaram 2,06%, após alta de 1,7% no mês anterior. O principal responsável pelo movimento foi o subgrupo de combustíveis e lubrificantes para produção, que subiu 12,78%, após alta de 6,12% em junho. Nesta abertura, a inflação acumulada no ano é de 3,28% e em 12 meses, de 4,97%.

Na outra ponta, os bens finais mostraram alívio na passagem de junho para julho. O grupo teve inflação de 0,45% nesta divulgação, após 2,45% na anterior, e acumula alta de 3,14% em 2020 e de 6,89% em 12 meses. A principal contribuição para o resultado partiu do subgrupo alimentos in natura, que teve deflação de 14,63%, após alta de 1,15% em junho.

Pressão da gasolina no IPC-M

O Índice de Preços ao Consumidor - Mercado (IPC-M) acelerou a 0,49% em julho. Com a alta, o índice acumula inflação de 0,9% em 2020 e de 2,09% em 12 meses. A principal influência altista sobre o índice partiu do grupo Transportes (0,21% para 1,45%), que acelerou puxado pela elevação dos preços da gasolina (0,4% para 4,45%).

Outros quatro grupos que compõem o IPC também tiveram alta nas suas taxas: Educação, Leitura e Recreação (-1,33% para 0,12%), com passagem aérea (-10,08% para 13,55%); Habitação (-0,11% para 0,49%), devido a tarifa de eletricidade residencial (-1,06% para 1,09%); Saúde e Cuidados Pessoais (0,19% para 0,32%), com medicamentos em geral (0,41% para 1,09%); e Comunicação (0,41% para 0,61%), com mensalidade para TV por assinatura (0,53% para 1,46%).

Em contrapartida, houve desaceleração nas taxas de Alimentação (0,45% para 0,05%), com pressão de hortaliças e legumes (0,95% para -12,27%); Vestuário (-0,11% para -0,24%), com roupas (-0,06% para -0,38%); e Despesas Diversas (0,21% para 0,2%), com alimentos para animais domésticos (1,08% para -0,83%).

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Mercado imobiliário

BofA está otimista com a construção civil e considera a Cyrela sua ação preferida do setor

Em relatório, analistas da instituição se mostraram otimistas com construtoras brasileiras e disseram que mercado imobiliário está apenas no começo de uma recuperação de vários anos

ANO PERDIDO

Iata piora projeção para demanda por viagens aéreas em 2020

Demanda global deve cair 66% em 2020; estimativa anterior era de queda de 63%

Aquisição

Bradesco reforça carteira digital Bitz com aquisição da fintech DinDin

Os atuais clientes da DinDin vão migrar para o aplicativo do Bitz, em um plano de transição que será elaborado após o fechamento do negócio, cujo valor não foi revelado

POTENCIAL DE ALTA DE 26,5%

Credit Suisse eleva preço-alvo de Gerdau diante do bom momento do mercado de aço

Analistas de banco suíço esperam recuperação do mercado de aço e espaço para ajustes positivos de preços

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta terça-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements