Menu
2020-10-16T20:38:39-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Em live

Guedes responde críticas e reafirma compromisso com reformas em live

Segundo Paulo Guedes, o governo vai honrar o compromisso de limitar os gastos públicos abaixo do teto – e isso pode levar ao fim do novo programa social, o Renda Cidadã.

16 de outubro de 2020
20:28 - atualizado às 20:38
Paulo Guedes, ministro da Economia
Imagem: Anderson Riedel/PR

O ministro da Economia, Paulo Guedes, aproveitou a noite desta sexta-feira (16) para para rebater algumas críticas do mercado sobre a resposta do governo à pandemia. Em live promovida pela XP Investimentos, Guedes respondeu questões sobre os gastos do governo, a criação de um novo imposto sobre transações digitais e a agenda de reformas e privatizações.

O ministro da Economia afirmou que as privatizações andam em uma velocidade mais lenta que a esperada devido à paralisação causada pelo coronavírus e aspectos políticos.

Citando Correios, Eletrobras, PPSA e Porto de Santo, Guedes afirmou que o governo precisa de apenas quatro privatizações. "Disse que em 90 dias anunciaríamos quatro grandes privatizações. Isso não aconteceu. O que aconteceu? Política".

Sem rumo?

Guedes rebateu também as críticas lançadas ao governo sobre a atuação 'sem rumo' durante a pandemia. O ministro afirmou que o governo sempre teve um plano e estava preparado para a crise.

"Nós tínhamos um plano e seguimos o plano no meio da pandemia", disse Guedes ao listar as medidas emergenciais oferecidas pelo governo, como o auxílio emergencial e o programa de preservação de empregos.

Grande preocupação, o cenário fiscal também foi abordado pelo ministro. Segundo Paulo Guedes, o governo vai honrar o compromisso de limitar os gastos públicos abaixo do teto - e isso pode levar ao fim do novo programa social, o Renda Cidadã.

"Se não conseguirmos encontrar espaço para fazer um programa melhor, vamos voltar ao Bolsa Família. É melhor voltar ao Bolsa Família do que tentar fazer um movimento louco e insustentável", afirmou.

O ministro disse que o governo não vai ser populista e garantiu que o programa de renda mínima será fiscalmente sustentável, dentro da regra do teto de gastos e esse é um tema 'sem discussão'.

E as reformas?

Segundo o ministro da Economia, a agenda de reformas estão sendo retomadas, mas mais uma vez culpou o processo político pela demora, mas lembrou do apoio do Congresso nas pautas. "O tempo das reformas depende da política, mas temos que estar sempre propondo. O Congresso ajudou muito."

Nova CPMF

O ministro da Economia, afirmou ainda que não desistiu da ideia de lançar um imposto sobre transações digitais para desonerar a folha de pagamentos das empresas. No entanto, negou que se trate de uma 'nova CPMF', como o imposto vem sendo chamado

“Eu sou homem de desistir fácil das coisas? De jeito nenhum”, respondeu o ministro ao ser questionado se tinha desistido do novo imposto.

“Eu não me importo se o imposto é feio desde que ele funcione em criar novos empregos”, concluiu.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

ESTRADA DO FUTURO

Os três setores mais lucrativos em tecnologia, e por que você deve investir neles

Integração entre softwares e Inteligência Artificial são dois dos segmentos que devem fazer parte de qualquer portfólio de investimentos vencedor

Ano de eleição

Promessas de Bolsonaro estouram “folga” do Orçamento em 2022

A ampliação do Bolsa Família e um eventual aumento de 5% nos salários do funcionalismo público já superam o espaço adicional de R$ 25 bilhões para o próximo ano

Nova esperança?

Estados Unidos planejam investir US$ 3,2 bilhões em antivirais para tratar covid-19 e outras doenças

Segundo o Dr. Fauci, principal conselheiro do presidente Joe Biden no combate à pandemia, novo programa vai acelerar o que já está em andamento

PODCAST MESA QUADRADA

De pintor de parede a chef renomado, Alex Atala diz que competitividade foi empurrão: ‘se não fosse provocado, seria um bundão’

Chef de cozinha fala sobre sua trajetória e comenta crises e investimentos bem sucedidos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies