Menu
2021-01-04T16:13:54-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
contas públicas

Governo tem déficit menor que o esperado em novembro

Ainda assim, resultado é o pior para o mês desde 2016, puxado pelo aumento dos gastos para fazer frente à pandemia

29 de dezembro de 2020
17:20 - atualizado às 16:13
O ministro da economia do governo Bolsonaro, Paulo Guedes
Paulo Guedes - Imagem: Jefferson Rudy/Agência Senado

As contas do Governo Central registraram um déficit primário de R$ 18,241 bilhões em novembro, o pior desempenho para o mês desde 2016. O resultado, que reúne as contas do Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central, sucede o déficit de R$ 3,564 bilhões de outubro. Em novembro de 2019, o resultado havia sido negativo em R$ 16,574 bilhões.

O rombo do mês passado foi menor que as expectativas do mercado financeiro, cuja mediana apontava um déficit de R$ 21,90 bilhões, de acordo com levantamento do Projeções Broadcast junto a 18 instituições financeiras. O dado do mês passado ficou dentro do intervalo das estimativas, que eram de déficit de R$ 38,40 bilhões a R$ 7,90 bilhões.

Em novembro, as receitas tiveram alta real de 5,4% em relação a igual mês do ano passado. Já as despesas subiram 6,4% na mesma comparação, descontada a inflação, devido ao aumento dos gastos para fazer frente à pandemia do coronavírus.

Acumulado

No acumulado dos primeiros 11 meses do ano, o resultado primário é negativo em R$ 699,105 bilhões, o pior desempenho para o período da série histórica iniciada em 1997. Em relação a igual período de 2019, há queda de 9,7% nas receitas e avanço de 39,3% nas despesas em termos reais.

Em 12 meses até novembro, o governo central apresenta um déficit de R$ 732,9 bilhões - equivalente a 9,6% do PIB.

A meta fiscal para este ano admitia um déficit de até R$ 124 bilhões nas contas do governo central, mas a aprovação pelo Congresso do decreto de calamidade pública para o enfrentamento da pandemia do novo coronavírus autoriza o governo a descumprir valor em 2020.

Na semana passada, o secretário especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues, atualizou a projeção da equipe econômica para o rombo do Governo Central em 2020, com uma estimativa de déficit de R$ 831,8 bilhões, ante projeção anterior de R$ 844 bilhões. Nesta terça, o Tesouro estimou que o resultado anual deve ficar ainda abaixo desse valor.

Teto de gastos

As despesas sujeitas ao teto de gastos subiram 3,9% de janeiro a novembro na comparação com igual período de 2019, segundo o Tesouro Nacional. A conta não inclui os gastos extraordinários feitos para combater os efeitos da pandemia do novo coronavírus, que ficam de fora do teto por serem urgentes e imprevistos.

Pela regra do teto, o limite de crescimento das despesas do governo é a variação acumulada da inflação em 12 meses até junho do ano passado. Porém, como o governo não ocupou todo o limite previsto em anos anteriores, na prática há uma margem para expansão de até 6,0%.

* Com informações da Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

MELHORANDO

Mesmo com avanço do faturamento, prejuízo do IRB cresce em novembro

Perda de R$ 124,5 milhões foi atribuída pelo ressegurador ao aumento das despesas financeiras após mudanças regulatórias

o melhor do seu dinheiro

A bolsa não é a Serra Pelada

Sebastião Salgado se consagrou no mundo da fotografia com uma série de retratos que fez sobre a Serra Pelada. Na década de 1980, milhares de pessoas invadiram a região de Curionópolis, no sudeste do Pará, em busca de enriquecimento rápido através do garimpo do ouro.  Leia também: LUPA DOS FUNDOS: Um pente-fino nas melhores gestoras […]

Piorou

FGV: confiança da indústria cai 3,5 pontos em janeiro ante dezembro, diz prévia

Houve redução da satisfação em relação ao momento presente, mas também piora das expectativas sobre os próximos meses, apontou a FGV.

Briga de peixe grande

BTG Pactual capta mais R$ 2,6 bilhões com oferta de ações e entra de vez na disputa dos bancos digitais

O preço por unit (certificado de ações) do banco foi definido em R$ 92,52, o que representa um pequeno desconto de 0,32% em relação ao fechamento dos papéis ontem na B3

Prazo de 60 dias

TCU cobra crédito dado a bancos públicos

A devolução envolve também os aportes feitos nas instituições por meio de um instrumento híbrido de capital e dívida, chamado de IHCD.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies