Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-04-23T10:00:23-03:00
Estadão Conteúdo
preocupação fiscal

Despesa de retomada tem que se dar na crise; depois, austeridade, diz Meirelles

Secretário da Fazenda de São Paulo destacou que, apesar da crise ou por causa dela, existe grande quantidade de recursos na área externa, como fundos soberanos, para serem aplicados

23 de abril de 2020
10:00
Henrique Meirelles, ex-ministro da Fazenda
Imagem: Dida Sampaio/Estadão Conteúdo

O secretário da Fazenda de São Paulo, Henrique Meirelles, avaliou na manhã desta quinta-feira (23) que despesas "de retomada" da atividade econômica têm que se dar em período de crise e saída da crise. Depois, é preciso retomar austeridade fiscal rígida, defendeu, em entrevista à Globonews.

A discussão, segundo ele, não é só o quanto se vai gastar. Na visão de Meirelles, é importante a segregação no tempo. "A despesa de retomada tem que se dar nesse período de crise e de saída da crise, proteção das empresas, do emprego e retomada do crescimento. Depois nós temos que voltar à austeridade fiscal rígida, porque se não teremos problemas".

Ao comentar a atuação da atual equipe econômica, afirmou que "é normal que a área econômica fique preocupada em dar um certo limite para os gastos". "Por outro lado, é normal que o Executivo tente fazer o que for necessário para a retomada da atividade", disse, ao ser questionado se há espaço para gastos em infraestrutura.

A ala militar do governo federal lançou, ontem, programa de recuperação econômica pós-covid-19, que prevê aumento dos gastos com investimentos públicos para os próximos anos. A equipe econômica defende que a recuperação do impacto da pandemia no novo coronavírus terá que vir pela mão do setor privado.

"A equipe econômica está na direção certa, de aumentar os gastos públicos, o Banco Central, de aumentar a emissão monetária, através inicialmente de compras de títulos do Tesouro, etc", afirmou Meirelles. "E também se for aprovado pelo Congresso, compra de portfólio de crédito diretamente, no mercado ou nos bancos", emendou.

Segundo ele, é muito importante um cuidado "especial" com a execução. O sucesso de um plano, de acordo com o secretário, é 50% estratégia e 50%, resultado da execução. "Temos que executar bem, o dinheiro tem que chegar na ponta, na empresa".

"Evidentemente que há esta controvérsia, aparentemente, dentro do governo entre área econômica e outras áreas, e que não estou lá, sabendo das informações, sabendo qual o debate interno, estou informado pelo que leio na imprensa, então, é normal que a área econômica fique preocupada em dar um certo limite para os gastos, por outro lado, é normal que o Executivo tente fazer o que for necessário para a retomada da atividade".

Meirelles lembrou a atuação do banco Desenvolve SP, com atuação na área de crédito para micro ou pequenas empresas, não cobertas pelo sistema financeiro, e cobrou que o BNDES repasse à instituição os recursos a que tem direito, pela sua prioridade, já que o Estado não tem fonte própria de captação. "O banco Desenvolve SP não pode captar no mercado como instituições públicas federais, por exemplo", disse.

Ele destacou que, apesar da crise ou por causa dela, existe grande quantidade de recursos na área externa, como fundos soberanos, para serem aplicados. E a dificuldade deles é achar projetos em andamento que posam ser rentáveis, nos quais possam aplicar. Segundo Meirelles, São Paulo, em seguida à abertura gradual, retomará processo de concessões e atração do setor privado. Assim, recursos privados apoiariam a retomada.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

bitcoin (BTC) hoje

Bitcoin (BTC) se aproxima das máximas históricas após estreia do primeiro ETF em criptomoeda nos EUA; acompanhe

Nos primeiros minutos de negociação, o ETF da ProShares movimentou cerca de US$ 280 milhões de acordo com o analista de fundos de índice da Bloomberg

NA ESTEIRA DA VACINA

Beneficiada por venda de imunizante contra covid-19, Johnson & Johnson lucra mais que o esperado no 3º trimestre

Depois dos grandes bancos, agora é a vez de a J&J surpreender positivamente o mercado, impulsionada por sua divisão farmacêutica

MERCADOS HOJE

Auxílio emergencial ‘turbinado’ e fora do teto pesa e faz Ibovespa perder os 113 mil pontos; dólar avança mesmo com leilão do BC

A agenda local está esvaziada neste início de semana, mas os investidores aguardam ansiosamente por um desfecho para a PEC dos precatórios.

RadioCash

Com cenário macroeconômico instável, não dá pra ser Warren Buffet no Brasil, diz Paolo Di Sora, fundador da RPS Capital

Para o megainvestidor e CEO da Berkshire Hathaway, que compra ações de empresas na maior economia do mundo, é fácil se concentrar na análise microeconômica. Já o investidor brasileiro, por sua vez, está sempre sujeito a instabilidades e crises domésticas

A REFORMULAÇÃO CONTINUA

Em busca de recuperar a credibilidade, IRB anuncia novo CFO

Willy Otto Jordan Neto assumirá a posição assim que sua posse for autorizada pela Susep

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies