Menu
2020-04-09T12:11:09-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
180 dias para pagar

Caixa vai dar carência de seis meses para pagamento de financiamento imobiliário

Opção estará disponível a partir de segunda-feira para a compra de imóveis novos por qualquer linha de crédito; financiamentos em andamento já podiam optar por uma pausa de 90 dias nas prestações

9 de abril de 2020
11:51 - atualizado às 12:11
Fachada da Caixa Economica Federal
Imagem: Shutterstock

A Caixa Econômica Federal vai conceder carência de 180 dias (cerca de seis meses) para início dos pagamentos das prestações de financiamentos de imóveis novos, válida todas as suas linhas de crédito habitacional, tanto para pessoas físicas quanto jurídicas. A opção estará disponível a partir da próxima segunda-feira (13).

Isso significa que pessoas físicas que adquirirem imóveis novos com financiamento da Caixa e empresas que começarem a construir imóveis financiados pelo banco só começarão a pagar amortização e juros a partir do sétimo mês. Para poderem se valer da carência, construtoras precisam se comprometer a não demitir e a proteger seus funcionários.

O benefício é válido tanto para quem já é cliente Caixa quanto para clientes novos, e contempla desde os financiamentos do programa Minha Casa Minha Vida até aqueles financiados no âmbito do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE), podendo ser utilizado também por quem utiliza o FGTS no financiamento habitacional.

Trata-se de uma das diversas medidas voltadas para o setor habitacional anunciadas pela Caixa em transmissão ao vivo pela internet nesta quinta-feira (9). Essas medidas vêm se somar a outras que já haviam sido anunciadas para amenizar os efeitos da crise ocasionada pela pandemia de coronavírus.

"Se houver maiores problemas, se a crise ficar mais forte, poderemos sim ampliar essas linhas", assegurou o presidente da Caixa, Pedro Guimarães.

No total, o banco está disponibilizando R$ 154 bilhões em crédito nessas medidas emergenciais, sendo R$ 111 bilhões já anunciados anteriormente e R$ 43 bilhões das novas linhas de crédito imobiliário anunciadas hoje. Segundo Pedro Guimarães, já foram contratados R$ 35 bilhões em empréstimos das medidas que já haviam sido anunciadas.

Para quem já tinha financiamento ativo

Pessoas físicas com financiamento habitacional ativo já podiam optar pela postergação do pagamento das prestações por 90 dias, o equivalente a três meses. A medida consiste numa efetiva pausa no pagamento das parcelas, e também está disponível para todas as linhas de crédito habitacional da instituição.

Quem havia solicitado inicialmente a postergação das parcelas por apenas dois meses (60 dias) teve o pagamento automaticamente adiado por mais um mês, explicou o presidente da Caixa.

Segundo ele, mais de 1,5 milhão de pessoas já se beneficiaram dessa opção, que pode ser feita pelo app da Caixa ou pelo 0800 do banco, sem necessidade de comparecimento a uma agência.

A partir de segunda-feira, a postergação de 90 dias também estará disponível, via app e telefone, para pessoas que estejam inadimplentes há mais de 61 dias e aquelas que tiverem optado pelo uso do FGTS para pagar parte das suas prestações. Neste segundo caso, o cliente conseguirá pausar o pagamento da sua parte da parcela, mantendo apenas a parte correspondente ao FGTS.

Finalmente, a Caixa anunciou que, a partir de segunda, as vistorias dos imóveis em construção financiados pela Caixa serão feitas via modelos, e não mais de forma física. A medida vale para aquelas pessoas físicas que estão construindo a casa própria com financiamento do banco.

Para as empresas

A Caixa anunciou hoje também uma série de outras medidas para as construtoras que estão financiando seus projetos habitacionais com o banco, além da carência de 180 dias para o primeiro pagamento em imóveis novos e a pausa de 90 dias para os pagamentos dos financiamentos em vigor. Essas medidas também são válidas para todas as linhas de crédito habitacional:

  • No caso de empreendimentos já ativos, as construtoras poderão negociar com seu gerente a antecipação de até três meses do cronograma de obras, como forma de gerar liquidez durante o período.
  • Construtoras que já tinham financiamento aprovado, mas ainda não o haviam utilizado, poderão voltar atrás a utilizá-lo a partir de segunda-feira.
  • Será possível reescalonar e prorrogar o cronograma das obras sem prejuízo ou qualquer pagamento adicional à Caixa.
  • Caso a construtora não tenha feito a opção pela pausa de 90 dias, poderá escolher, a partir de segunda-feira, pagar apenas parte dos seus encargos.
  • Para novos empreendimentos, será possível antecipar até 20% do financiamento no início da obra.
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Agência de telecomunicações

Anatel acata decisão judicial e aprova regra que retira sigilo de ligações

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) regulamentou a questão ontem, 28, em cumprimento a uma decisão da Justiça Federal do Sergipe

seu dinheiro na sua noite

Adam Smith e o PIB da pandemia

A economia funciona desta forma: a produção de bens e serviços só existe em função do consumo. Essa conclusão não é minha, é claro, mas de Adam Smith. Citar o “pai” do liberalismo em um raro momento de consenso sobre a necessidade de maior atuação do Estado para conter os efeitos do coronavírus na economia […]

De novo

CVC adia mais uam vez entrega do balanço do quarto trimestre de 2019

A operadora e agência de viagens CVC informou nesta sexta-feira, 29, que as suas demonstrações financeiras referentes ao exercício de 2019 só devem ser apresentadas até 31 de julho

Auxílio emergencial

Caixa abre mais de 2 mil agências no sábado

Por enquanto, apenas quem recebeu a primeira parcela até 30 de abril e nasceu em janeiro pode sacar o valor

Saldo positivo

Após muita volatilidade, dólar acumula queda de 1,83% em maio; Ibovespa sobe 8,57% no mês

Uma suavização nos fatores de risco domésticos e globais permitiu que o dólar se despressurizasse em maio e levou o Ibovespa de volta aos 87 mil pontos

Presidente da Câmara

Maia rechaça aumento de impostos para suprir queda na receita e defende reformas

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que considera difícil qualquer tipo de aumento na carga tributária para compensar a queda de receita pública por causa da pandemia de covid-19

Para dirigentes de instituições

CMN estende restrição de dividendos até dezembro de 2020

O Conselho Monetário Nacional (CMN) decidiu estender até dezembro de 2020 a regra que proíbe o aumento na remuneração de dirigentes de instituições financeiras e a distribuição de dividendos acima do mínimo obrigatório

Campos Neto fala

Para BC, é possível que efeitos do isolamento persistam até metade de 2021

Para Campos Neto, o medo que as pessoas sentem de serem contaminadas fará com que muitos mantenham hábitos adquiridos durante o período de quarentena

Com pandemia

20 mil testes foram realizados em empregados para detectar covid-19, diz Petrobras

Os testes fazem parte das medidas de segurança utilizadas pela empresa para conter o avanço da doença

O Leão está esperando

A contagem regressiva começou e você tem 30 dias até o prazo final

Se você é um dos muitos brasileiros que sempre deixam esta tarefa para os minutos finais, recomendo que mude os seus planos. O Seu Dinheiro pode te ajudar.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements