Menu
2020-04-09T12:11:09-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
180 dias para pagar

Caixa vai dar carência de seis meses para pagamento de financiamento imobiliário

Opção estará disponível a partir de segunda-feira para a compra de imóveis novos por qualquer linha de crédito; financiamentos em andamento já podiam optar por uma pausa de 90 dias nas prestações

9 de abril de 2020
11:51 - atualizado às 12:11
Fachada da Caixa Economica Federal
Imagem: Shutterstock

A Caixa Econômica Federal vai conceder carência de 180 dias (cerca de seis meses) para início dos pagamentos das prestações de financiamentos de imóveis novos, válida todas as suas linhas de crédito habitacional, tanto para pessoas físicas quanto jurídicas. A opção estará disponível a partir da próxima segunda-feira (13).

Isso significa que pessoas físicas que adquirirem imóveis novos com financiamento da Caixa e empresas que começarem a construir imóveis financiados pelo banco só começarão a pagar amortização e juros a partir do sétimo mês. Para poderem se valer da carência, construtoras precisam se comprometer a não demitir e a proteger seus funcionários.

O benefício é válido tanto para quem já é cliente Caixa quanto para clientes novos, e contempla desde os financiamentos do programa Minha Casa Minha Vida até aqueles financiados no âmbito do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE), podendo ser utilizado também por quem utiliza o FGTS no financiamento habitacional.

Trata-se de uma das diversas medidas voltadas para o setor habitacional anunciadas pela Caixa em transmissão ao vivo pela internet nesta quinta-feira (9). Essas medidas vêm se somar a outras que já haviam sido anunciadas para amenizar os efeitos da crise ocasionada pela pandemia de coronavírus.

"Se houver maiores problemas, se a crise ficar mais forte, poderemos sim ampliar essas linhas", assegurou o presidente da Caixa, Pedro Guimarães.

No total, o banco está disponibilizando R$ 154 bilhões em crédito nessas medidas emergenciais, sendo R$ 111 bilhões já anunciados anteriormente e R$ 43 bilhões das novas linhas de crédito imobiliário anunciadas hoje. Segundo Pedro Guimarães, já foram contratados R$ 35 bilhões em empréstimos das medidas que já haviam sido anunciadas.

Para quem já tinha financiamento ativo

Pessoas físicas com financiamento habitacional ativo já podiam optar pela postergação do pagamento das prestações por 90 dias, o equivalente a três meses. A medida consiste numa efetiva pausa no pagamento das parcelas, e também está disponível para todas as linhas de crédito habitacional da instituição.

Quem havia solicitado inicialmente a postergação das parcelas por apenas dois meses (60 dias) teve o pagamento automaticamente adiado por mais um mês, explicou o presidente da Caixa.

Segundo ele, mais de 1,5 milhão de pessoas já se beneficiaram dessa opção, que pode ser feita pelo app da Caixa ou pelo 0800 do banco, sem necessidade de comparecimento a uma agência.

A partir de segunda-feira, a postergação de 90 dias também estará disponível, via app e telefone, para pessoas que estejam inadimplentes há mais de 61 dias e aquelas que tiverem optado pelo uso do FGTS para pagar parte das suas prestações. Neste segundo caso, o cliente conseguirá pausar o pagamento da sua parte da parcela, mantendo apenas a parte correspondente ao FGTS.

Finalmente, a Caixa anunciou que, a partir de segunda, as vistorias dos imóveis em construção financiados pela Caixa serão feitas via modelos, e não mais de forma física. A medida vale para aquelas pessoas físicas que estão construindo a casa própria com financiamento do banco.

Para as empresas

A Caixa anunciou hoje também uma série de outras medidas para as construtoras que estão financiando seus projetos habitacionais com o banco, além da carência de 180 dias para o primeiro pagamento em imóveis novos e a pausa de 90 dias para os pagamentos dos financiamentos em vigor. Essas medidas também são válidas para todas as linhas de crédito habitacional:

  • No caso de empreendimentos já ativos, as construtoras poderão negociar com seu gerente a antecipação de até três meses do cronograma de obras, como forma de gerar liquidez durante o período.
  • Construtoras que já tinham financiamento aprovado, mas ainda não o haviam utilizado, poderão voltar atrás a utilizá-lo a partir de segunda-feira.
  • Será possível reescalonar e prorrogar o cronograma das obras sem prejuízo ou qualquer pagamento adicional à Caixa.
  • Caso a construtora não tenha feito a opção pela pausa de 90 dias, poderá escolher, a partir de segunda-feira, pagar apenas parte dos seus encargos.
  • Para novos empreendimentos, será possível antecipar até 20% do financiamento no início da obra.
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Fechamento da semana

Real ganha do dólar na semana e bolsa sobe mais de 2% com economia americana nem tão aquecida e Copom incisivo

Os problemas domésticos foram para baixo do tapete e os fatores externos ajudaram o Real a se valorizar e a bolsa a romper resistências importantes. Confira um resumo da semana.

Mudou de ideia?

Elon Musk passa a recomendar cautela com o dogecoin às vésperas de sua participação no SNL

O bilionário, que já fez a moeda-meme disparar 60% com apenas um tweet, exibiu um alerta para as limitações do mercado de criptoativos

pandemia

Estudo aponta relação entre negacionismo de Bolsonaro e evolução da pandemia no Brasil

Segundo o levantamento, em cidades onde o presidente obteve mais de 50% dos votos no segundo turno das eleições de 2018, número de mortes foi 415% maior do que nos municípios onde ele perdeu o pleito

Insistência incomoda

Ex-presidente do BC Affonso Pastore acredita que ajuste parcial da Selic é insustentável

O economista defende o reconhecimento explícito de que a instituição perseguirá o ajuste integral da taxa básica de juros

Turbulência

Latam reduz prejuízo em 79% e anota perda de US$ 430,8 milhões no 1º trimestre

A receita operacional total da aérea foi de US$ 913,1 milhões no primeiro trimestre, queda de 61,2% sobre o mesmo período de 2020

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies