Menu
2020-02-28T12:35:56-03:00
Estadão Conteúdo
momento de revisão

Avanço global do coronavírus deve levar governo a cortar previsão de alta do PIB

Posição sobre a estimativa do PIB deve ocorrer até o fim da próxima semana

28 de fevereiro de 2020
12:35
Paulo Guedes está na mira de políticos e associações após chamar funcionários públicos de "parasitas"
Ministro disse que não falava de pessoas, mas "do risco de termos um Estado parasitário, aparelhado politicamente financeiramente inviável" - Imagem: Cleia Viana / Câmara dos Deputados

O Ministério da Economia deve revisar a previsão de alta do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro de 2020 por causa do efeito do alastramento da epidemia do coronavírus pelo mundo e no Brasil. A posição sobre a estimativa do PIB deve ocorrer até o fim da próxima semana.

Nesta quinta-feira, 27, o mercado voltou a ter um dia volátil. As Bolsas americanas registraram a sexta queda consecutiva e caíram mais de 4%. No Brasil, o Ibovespa recuou 2,59% após muita oscilação e o dólar fechou em R$ 4,47.

Sem a promessa de adoção de medidas de estímulo pela equipe econômica, o secretário de Política Econômica do Ministério da Economia (SPE), Adolfo Sachsida, disse que o melhor "remédio" para enfrentar os efeitos negativos da epidemia no crescimento econômico é avançar nas reformas no Congresso.

Cauteloso, o secretário evitou falar em números, mas reconheceu que o cenário piorou bastante nas duas últimas semanas, diante da expansão do vírus no mundo. "Teremos uma posição mais sólida no fim da próxima semana. Por ora, mantemos a previsão de alta de 2,4%", "disse Sachsida ao jornal O Estado de São Paulo.

A SPE é a área responsável pela elaboração das previsões oficiais de crescimento do PIB do governo brasileiro. As revisões têm sido anunciadas oficialmente pela secretaria assim que os números são refeitos, seja num cenário de alta ou de baixa.

Para fazer a avaliação, o secretário disse que a SPE tem monitorado diariamente três fatores que podem apontar o impacto do coronavírus na economia do Brasil: o crescimento no resto do mundo, a evolução do mercado internacional de commodities e a eventual falta de insumos comprados no exterior para abastecer a indústria local.

Ele negou que o governo pretenda adotar medidas extraordinárias de estímulo econômico para mitigar o impacto do coronavírus. Sachsida insistiu na necessidade de o Brasil continuar com o processo de consolidação fiscal.

Sobre a crise com o Congresso em torno do acordo do Orçamento de 2020, o secretário disse que confia na capacidade de articulação do ministro da Economia, Paulo Guedes, e do Palácio do Planalto. "Confio no nosso time e sei que vai ser resolvido."

Na quinta-feira, o secretário do Tesouro, Mansueto Almeida, disse que o surto de coronavírus assusta, porque pode ter impacto relevante na atividade mundial, afetando as cadeias globais de insumos e prejudicando as exportações brasileiras. "O risco do coronavírus é o impacto no preço das commodities e na redução da atividade global. Ao sair da Ásia e entrar na Europa, e agora no Brasil, há uma dúvida do mercado sobre o impacto do coronavírus no crescimento global. Isso afetaria todo o mundo, incluindo o Brasil."

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Triste marca

Brasil registra mais de 500 mil mortos por covid-19

Em 24 horas foram 2.301 óbitos e 82.288 novos casos. Em nota, Conass ressalta que o Brasil tem 2,7% da população mundial, e é responsável por 12,8% das mortes

Here comes the sun

Energia solar ruma para liderança no País até 2050

O sol será responsável por 32% da geração, ao mesmo tempo em que a participação das hidrelétricas deve cair para cerca de 30%

ESTRADA DO FUTURO

Os três setores mais lucrativos em tecnologia, e por que você deve investir neles

Integração entre softwares e Inteligência Artificial são dois dos segmentos que devem fazer parte de qualquer portfólio de investimentos vencedor

Ano de eleição

Promessas de Bolsonaro estouram “folga” do Orçamento em 2022

A ampliação do Bolsa Família e um eventual aumento de 5% nos salários do funcionalismo público já superam o espaço adicional de R$ 25 bilhões para o próximo ano

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies