Menu
2020-01-27T14:15:45-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
MAIS DESINVESTIMENTOS?

Oi contrata Bank of America para acelerar venda de telefonia móvel, diz jornal

De acordo com o jornal O Globo, a companhia espera obter R$ 15 bilhões com o negócio

26 de janeiro de 2020
10:27 - atualizado às 14:15
oi
Imagem: Shutterstock

Depois de confirmar a venda de 25% da participação que possui na Unitel para a Sonagol, a Oi está se movimentado para fazer mais desinvestimentos. Segundo informações do jornalista Lauro Jardim, de O Globo, a operadora contratou o Bank of America (BofA) para agilizar a venda da sua parte de telefonia móvel.

De acordo com o jornal, a companhia espera obter R$ 15 bilhões com o negócio e as informações do interesse de outras operadoras também já foram repassadas à TIM, Vivo e Claro.

O ano deve ser agitado para a Oi. Na sexta-feira passada (24), a operadora de telefonia vendeu os 25% de participação que detinha na angolana Unitel para a Sonagol por US$ 1 bilhão.

Até aquele momento, a Oi tinha recebido o valor de US$ 760 milhões pela transação, sendo que US$ 699,1 milhões foram transferidos na última-feira e US$ 60,9 milhões já tinham sido creditados anteriormente.

Já os US$ 240 milhões restantes do montante total, por sua vez, deveriam ser pagos até 31 de julho de 2020 e estão garantidos por carta de fiança emitida por banco de primeira linha. O documento divulgado pela Oi dizia ainda que estava assegurado à operadora de telefonia um fluxo mínimo mensal de US$ 40 milhões que deveria ser pago a partir de fevereiro de 2020.

Após a confirmação da transação, os papéis da companhia chegaram a cair 7,48% na sexta-feira (24). Porém, próximo do fim do pregão, as ações recuaram ainda mais e terminaram a sexta-feira cotadas em R$ 0,96, o que representa uma contração de 10,28%.

Uma das possíveis razões para a queda é que o mercado precificou a venda já ontem, o que fez com que as ações subissem mais de 9% no pregão de quinta-feira (23). Já no dia seguinte, o mercado realizava mais um movimento de ajuste e devolução dos ganhos, além do que como o papel vale bem pouco (abaixo de R$ 1) qualquer movimento acaba gerando grandes alterações em seu preço.

A operação está prevista no plano de recuperação judicial da Oi e de suas subsidiárias. Ela também faz parte do plano estratégico divulgado pela companhia em julho do ano passado.

Números da Oi

Ao apresentar o resultado do terceiro trimestre de 2019, a Oi reportou um prejuízo líquido consolidado de R$ 5,747 bilhões. O número é 330% maior que o apresentado nos mesmos três meses do ano anterior, quando o resultado havia sido um prejuízo de R$ 1,336 bilhão.

Com esses números, a companhia apresenta um prejuízo acumulado de R$ 6,738 bilhões em 2019, até setembro. Os principais fatores que influenciaram o balanço foram a queda de 8,88% na receita (R$ 5,001 bilhões), a valorização do dólar (que afeta a dívida da empresa) e a baixa contábil de ativos, calculada em R$ 3,342 bilhões.

O Ebitda (lucro antes dos juros, impostos, depreciação e amortização) calculado segundo a norma contábil IFRS 16,  foi de R$ 1,374 bilhão no terceiro trimestre, dentro da meta prevista para o ano, uma margem de 27,5%.

Já o faturamento caiu nos três segmentos de negócios: móvel, fixo e corporativo. Na categoria residencial a queda foi de 13,5%. No móvel, 2,2% e no corporativo, conhecido como B2B, 7,9%.

A base de clientes da companhia também sofreu uma diminuição de 6,2%, com o setor mais afetado sendo a de clientes residenciais.

O resultado financeiro ficou negativo em R$ 2,376 bilhões, uma piora de 73% na comparação anual, puxado principalmente pela disparada do dólar, impactando a dívida na moeda estrangeira.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

DE OLHO NO NUBANK

Número de contas do Nubank cresce 485%, mas prejuízo também acelera e chega a R$ 312,7 milhões

Mas nem tudo foi ruim. De acordo com o documento apresentado pela fintech, o Nubank fechou o ano passado com 16 milhões de contas, sendo que 45 mil foram apenas contas voltadas para pessoas jurídicas (PJs)

AVERSÃO AO RISCO

‘Índice do medo’ dispara mais de 48% em meio a movimento de aversão ao risco no mundo

Seguindo na mesma direção, o ouro também apresentou alta na tarde desta segunda-feira por conta do movimento de busca por proteção

ECONOMIA

Carnaval 2020 deve movimentar R$ 8 bilhões na economia, diz CNC

Segundo a CNC, “a recuperação gradual da atividade econômica, combinada à inflação baixa” tendem a refletir na recuperação moderada dos serviços turísticos

AVIAÇÃO

Empresa americana ExpressJet Airlines compra 36 aviões da Embraer

A companhia anunciou também que vai diminuir gradualmente a sua frota de aeronaves E175 para acelerar o crescimento e se tornar uma companhia mais eficiente

PESQUISA

Avaliação do governo Bolsonaro fica estável em fevereiro, mostra pesquisa

A expectativa da população para o restante do mandato de Bolsonaro também não variou. Para 40%, a perspectiva é ótima ou boa e para outros 33% é ruim ou péssima

ECONOMIA

Bolsonaro diz que PIX do BC trará mais agilidade e menos custos ao cidadão

O PIX será disponibilizado pelas instituições financeiras a partir de 16 de novembro

Uns crescem, outros recuam

Desigual, recuperação do mercado imobiliário se concentra no Sudeste

Construtoras mantiveram a política de fechamento de postos de trabalho em 14 Estados em 2019

Incentivo à economia

China vai flexibilizar política monetária em resposta a coronavírus

Objetivo é auxiliar a economia do país a se fortalecer em meio aos impactos econômicos do surto da doença

Entrevista

Diretor do FGC: “sempre é melhor prevenir do que improvisar”

Daniel Lima defende as mudanças previstas no texto de Resolução Bancária enviado pelo governo

Seu Dinheiro na sua manhã

No radar: Coronavírus, Ambev, Via Varejo e tensão nos mercados

É Carnaval, mas o clima não é de festa nos mercados globais. O coronavírus faz a aversão ao risco disparar lá fora — a promessa é de uma sessão bem negativa no exterior. Por aqui, o noticiário corporativo aparece em destaque nesta semana. No front dos balanços, a Ambev divulga na quinta-feira (27) seus números […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements