Menu
2020-07-16T16:04:17-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Tensão nos mercados

Mau humor: Ibovespa cai em meio à cautela com dados da China e recuperação na Europa

O Ibovespa abriu no campo negativo, fazendo coro ao tom visto nos demais mercados globais. Incertezas ligadas à economia da China e da Europa, somadas às tensões domésticas, trazem cautela aos investidores

16 de julho de 2020
10:32 - atualizado às 16:04
Selo Mercados AGORA Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

As bolsas globais assumem um tom mais prudente nesta quinta-feira (16), reagindo de maneira cautelosa à bateria de dados econômicos divulgados nesta madrugada na China. A postura não muito entusiasmada de autoridades europeias também contribui para esfriar os ânimos dos investidores, colocando o Ibovespa em baixa nesta manhã.

Por volta de 16h00, o índice brasileiro recuava 1,50%, aos 100.265,54 pontos, acompanhando de perto os mercados externos: na Europa, as principais praças caíram em bloco; nos EUA, o Dow Jones (-0,93%), o S&P 500 (-0,75%) e o Nasdaq (-1,05%) também têm um dia ruim.

No câmbio, o dia é marcado por volatilidade: o dólar à vista flutua entre altas e baixas — no momento, a moeda americana opera em queda de 1,20%, a R$ 5,3211. A divisa tem se mantido na faixa entre R$ 5,30 e R$ 5,40 desde o começo de julho.

Há diversos focos de tensão no radar dos investidores, tanto no Brasil quanto no exterior. Lá fora, a China divulgou um crescimento de 3,2% no PIB do segundo trimestre, dado que superou as expectativas dos analistas. Contudo, a recuperação econômica do gigante asiático ainda não convence o mercado.

E isso porque as vendas no varejo da China recuaram 1,8% em junho, contrariando as projeções de crescimento do indicador no mês passado. Assim, a leitura é a de que, por mais que o PIB tenha se recuperado, a demanda e a confiança dos consumidores do país ainda estão abaladas pelo coronavírus — um sinal pouco animador.

A Europa também traz um noticiário misto nesta quinta-feira: o Banco Central Europeu (BCE) manteve as taxas de juros da região inalteradas, mas novamente indicou disposição em "usar instrumentos" para dar suporte à economia.

Por outro lado, a presidente da instituição, Christine Lagarde, disse que as perspectivas para a recuperação econômica da zona do euro ainda são incertas — ela vê um cenário de queda na inflação adiante, o que, de certa maneira, converge com o dado mostrado pela China mais cedo.

Por fim, nos EUA, os novos pedidos de seguro-desemprego na semana totalizaram 1,3 milhão, ficando ligeiramente acima das estimativas dos analistas, de 1,25 milhão — um resultado que ofusca a alta de 7,5% nas vendas no varejo do país em maio.

Vale lembrar que todos esses focos de incerteza surgem num contexto de avanço da Covid-19 no mundo, especialmente nos EUA — o que eleva a preocupação quanto a um eventual retrocesso nos esforços para a reabertura da economia americana. Assim, os investidores optam por assumir uma postura mais cautelosa hoje.

Tensões domésticas

Por aqui, há um importante fator de instabilidade política: o presidente Jair Bolsonaro assinou o novo marco do saneamento, mas vetou o trecho que garantia a renovação dos contratos das empresas estaduais do setor por mais 30 anos — um item que foi negociado diretamente com as lideranças da Câmara e do Senado e que viabilizou a aprovação do texto no Congresso.

Ou seja: abriu-se um novo ponto de atrito entre o governo e os parlamentares — e, para os investidores, isso é sinônimo de risco ao avanço nas pautas econômicas e nos esforços para o ajuste fiscal.

Juros instáveis

As curvas de juros futuros abriram em alta nesta quinta-feira, viraram para queda e, agora, voltam a ensaiar uma abertura. O mercado, contudo, continua apostando em mais um corte na Selic na próxima reunião do Copom, em agosto:

  • Janeiro/2021: inalterado em 2,05%;
  • Janeiro/2022: de 3,03% para 3,01%;
  • Janeiro/2023: de 4,13% para 4,12%;
  • Janeiro/2025: de 5,60% para 5,61%.

Top 5

Veja abaixo os cinco papéis de melhor desempenho do Ibovespa nesta quinta-feira:

CÓDIGONOMEPREÇO (R$)VARIAÇÃO
COGN3Cogna ON9,14+4,46%
BPAC11BTG Pactual units87,61+4,32%
TIMP3Tim ON15,58+2,77%
VIVT4Telefônica Brasil ON49,63+2,50%
CVCB3CVC ON22,09+1,80%

Confira também as cinco maiores baixas do índice:

CÓDIGONOMEPREÇO (R$)VARIAÇÃO
EMBR3Embraer ON8,29-5,80%
GOLL4Gol PN21,22-3,33%
BEEF3Minerva ON13,76-3,23%
JBSS3JBS ON21,50-2,93%
GGBR4Gerdau PN16,07-2,90%
Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Segredos da bolsa

Com PIB brasileiro em foco, investidores monitoram juros futuros americanos e tensão em Brasília

O grande evento da semana é a divulgação dos números do Produto Interno Bruto brasileiro no ano passado, mas os investidores também monitoram o clima político em Brasília e os sinais de “superaquecimento” da economia americana

Novos tempos

Alvo de Bolsonaro, home office avança no setor público

Bolsonaro usou trabalho remoto para atacar presidente da Petrobras

Mais uma na área

FDA autoriza uso emergencial de vacina de dose única nos EUA

Imunizante é produzido pela Johnson & Johnson

Contra a pandemia

Matéria-prima para produção de 12 milhões de doses de vacina chega ao Rio

Total de efetivamente imunizados não chega a 1% da população brasileira

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies