Menu
2020-05-22T18:24:39-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Recuperação intensa

Dólar cai 4,44% na semana com alívio externo e doméstico; Ibovespa sobe quase 6%

O dólar à vista teve a maior baixa semanal desde setembro de 2018 e o Ibovespa virou para o campo positivo no mês, ambos sustentados pela menor aversão ao risco no Brasil e no exterior

22 de maio de 2020
18:24
Selo Mercados FECHAMENTO Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

O vídeo da reunião ministerial do dia 22 de abril acabou de ser divulgado — e deve dominar as discussões políticas nos próximos dias. Mas os mercados não tiveram tempo para repercutir o conteúdo já nesta sexta-feira (22) e, assim, não houve grandes turbulências: o dólar à vista fechou a semana com um alívio intenso e o Ibovespa acumulou ganhos expressivos.

No mercado de câmbio, o dólar caiu em quatro das últimas cinco sessões, incluindo hoje: terminou em leve baixa de 0,04%, a R$ 5,5797. Com isso, a divisa acumulou queda de 4,44% desde o início da semana, o maior recuo semanal desde setembro de 2018. No mês, contudo, ainda tem alta de 2,59%.

Na bolsa, o Ibovespa teve uma sessão mais cautelosa e fechou em queda de 1,03%, aos 82.173,21 pontos — nada que apague o bom desempenho recente: na semana, o índice avançou 5,95% e, no mês, passou a subir 2,07%.

  • O Podcast Touros e Ursos desta sexta-feira já está no ar! Os repórteres Victor Aguiar e Vinicius Pinheiro comentam os principais assuntos que movimentaram os mercados nesta semana:

Essa onda de calmaria vista nos ativos domésticos nesta semana se deve à diminuição dos riscos externos e locais, o que permitiu a recuperação da bolsa e do mercado de câmbio. Isso, no entanto, não quer dizer que o cenário tenha mudado radicalmente: algumas das incertezas diminuíram, mas o panorama continua bastante turbulento.

Nesta semana, tivemos novidades quanto a uma possível vacina para o coronavírus — os dados divulgados pela empresa Moderna, responsável pelo desenvolvimento desse tratamento, foram criticados, mas, ainda assim, serviram para injetar ânimo nos investidores.

E, internamente, tivemos uma diminuição do risco político: uma reunião bem sucedida entre o presidente Jair Bolsonaro e diversos governadores — eque contou, entre outros, com os presidentes da Câmara e do Senado — ajudou a elevar a percepção de que as diversas esferas do poder estariam dispostas a trabalhar em conjunto.

Exterior animado

A questão da vacina contra o coronavírus é controversa: muitos especialistas apontam que os dados exibidos pela Moderna são inconclusivos quanto sua efetividade. Ainda assim, o mercado vê o desenvolvimento de um tratamento como uma 'bala de prata', capaz de reativar a economia e colocar a atividade global nos trilhos novamente.

Essa leitura ajuda a explicar a empolgação vista na segunda-feira, quando a Moderna divulgou que os testes iniciais com a vacina tiveram resultados animadores — e também ajuda a explicar a decepção não tão grande com os questionamentos dos especialistas. Afinal, ninguém disse que os dados apresentados eram falsos ou errados, apenas disseram que eram inconclusivos.

Assim, a esperança quanto ao desenvolvimento de uma vacina contra a doença — seja ela da Moderna ou de outra empresa — continua de pé. E, assim, o mercado segue apostando suas fichas em algum remédio ou tratamento que possa reverter o quadro de isolamento social e paralisação econômica com mais rapidez.

Aliás, o início do processo de reabertura econômica na Europa por si só já foi motivo para animar os investidores: países como França, Espanha e Itália começam a dar os primeiros passos para uma retomada da normalidade — um processo lento, mas que ajuda a melhorar as perspectivas em relação à economia da região.

Novidades no Brasil

Por aqui, a grande novidade veio na quinta-feira: a reunião entre Bolsonaro e os governadores mostrou um alinhamento maior entre as partes na questão do veto ao reajuste do salário dos funcionários públicos, previsto na PEC de auxílio financeiro emergencial a Estados e municípios.

A questão é importante por mexer diretamente com o processo do ajuste fiscal: caso o aumento fosse concedido, o orçamento do governo seria imensamente pressionado, jogando por terra os esforços empreendidos no passado para sanar as contas públicas.

Mas os sinais positivos foram além da questão fiscal. A participação de Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre também foi bem recebida e entendida como um indício de que a relação entre governo e Congresso pode estar melhorando — o que elevaria a governabilidade da administração Bolsonaro.

Por fim, a costura bem sucedida para o veto ao reajuste dá forças ao ministro da Economia, Paulo Guedes — ele vinha sendo escanteado e muitos já temiam sua saída do governo.

Nesta sexta-feira, o Ibovespa até fechou em queda, dada a cautela antes da divulgação do vídeo da reunião ministerial — o que ocorreu quando o mercado já se preparava para fechar. Assim, a repercussão do conteúdo ficará apenas para segunda-feira.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

seu dinheiro na sua noite

Licença para gastar

Na crise financeira de 2008, as autoridades dos países desenvolvidos se encontraram diante de um dilema: era certo usar dinheiro público para salvar os bancos que estavam à beira da falência? Se por um lado eles foram os grandes culpados pelo próprio destino, por outro os efeitos colaterais de uma quebradeira no sistema financeiro afetariam […]

Recorde histórico

Em meio à pandemia, poupança tem captação líquida recorde de R$ 37,201 bilhões em maio

Este é o maior volume de depósitos líquidos em um único mês em toda a série histórica do BC, iniciada em janeiro de 1995

Bolsa imparável

Ibovespa sobe pelo quinto dia, desafiando até mesmo o tom mais cauteloso no exterior

O Ibovespa contrariou a tendência global e fechou em alta, aproximando-se do patamar dos 94 mil pontos. O tom mais cauteloso visto lá fora só foi sentido no mercado de câmbio, com o dólar à vista subindo e voltando a R$ 5,13

MP 936

Maia avalia que desoneração de folha evita mais desemprego na crise

Para o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), a prorrogação da desoneração da folha de pagamento até o fim de 2021, como proposto no texto da medida provisória 936 aprovada pela Câmara, vai evitar um impacto de R$ 10 bilhões nos custos de mão de obra de 17 setores

Efeito covid

Busca por passagem aérea no Brasil atinge mínima histórica no Google

Diante de pandemia que deixou aéreas sem operação e impôs isolamento, as buscas por passagem aérea no Brasil atingiram o menor nível histórico no Google

Marink Martins: In GOLD we trust

Marink Martins vai apresentar o que se passa na mente dos principais investidores internacionais, condensando a avaliação de quem já esteve a frente da tesouraria de grandes bancos nos EUA e no Brasil.     Sem opções rentáveis na renda fixa, todos querem alternativas seguras. Agora, Marink Martins compartilha exclusivamente com você qual poderá ser a […]

Bruno Bianco

Meta é incluir informais no mercado formal no pós-pandemia, diz secretário

O secretário especial de Previdência e Trabalho, Bruno Bianco, afirmou que o governo federal estuda como incluir no mercado formal a população de trabalhadores informais que precisou recorrer ao governo federal para receber o auxílio emergencial de R$ 600

Pré-sal

Com vinda de navios-tanque, Petrobras eleva capacidade de escoamento do pré-sal

A Petrobras recebe na próxima semana a primeira de quatro embarcações previstas para este ano para escoar a produção das plataformas do pré-sal

Linha cara

Mudanças em cheque especial podem reduzir despesas com juros em até R$ 7,2 bilhões, diz BC

As mudanças feitas no cheque especial podem diminuir as despesas com juros dos correntistas em até R$ 7,2 bilhões em 12 meses, conforme BC

Crescimento deve continuar

UBS passa a preferir Unidas entre locadoras, rebaixa Localiza e vê expansão do setor ‘intacta’

Impactos negativos diferentes em partes da indústria explicam o rebaixamento nas recomendações de Localiza e Movida, cortadas de compra para neutra

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements