Menu
2020-07-16T19:25:15-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Sustentou os 100 mil

Ibovespa cai mais de 1%, atento aos novos fatores de risco no radar

Cautela com os dados econômicos da China, da Europa e dos EUA mexeu com o humor dos investidores e pressionou o Ibovespa; por aqui, a cautela com o cenário político também pesou

16 de julho de 2020
18:02 - atualizado às 19:25
Selo Mercados FECHAMENTO Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

No fechamento da sessão anterior, as bolsas globais encontravam-se sob efeito de um encantamento: as esperanças de que uma vacina contra o coronavírus estaria cada vez mais próxima deram força ao Ibovespa e aos mercados acionário. Pois nesta quinta-feira (16), os investidores tiveram um rude despertar.

Não, não é que as notícias referentes aos possíveis tratamentos contra a Covid-19 eram falsas. As vacinas e outras medicações continuam em desenvolvimento, mas não é razoável achar que uma pílula mágica estará disponível no curtíssimo prazo. O problema é que esse curtíssimo prazo tem se mostrado cada vez mais turbulento.

Assim, por mais que a visão do futuro seja promissora, o presente exige cautela. E, nesse sentido, tivemos hoje um dia de correção nas bolsas: por aqui, o Ibovespa fechou em baixa de 1,22%, aos 100.553,27 pontos; nos EUA, o Dow Jones (-0,50%), o S&P 500 (-0,34%) e o Nasdaq (-0,73%) recuaram em bloco.

Curiosamente, o mercado de câmbio, que costuma ser mais sensível que as bolsas à percepção de risco, hoje teve um dia de alívio: o dólar à vista caiu 1,10%, a R$ 5,3261 — analistas com quem eu conversei citaram o enfraquecimento global da divisa americana e a entrada de fluxo no país como razões que explicam o comportamento da moeda.

Ainda assim, há um detalhe que chama a atenção: o dólar tem se mantido numa faixa relativamente estreita, entre R$ 5,30 e R$ 5,40, desde o começo do mês — os juros baixos impedem um alívio adicional, ao mesmo tempo que a esperança de recuperação econômica impede uma deterioração maior no câmbio.

Mas, deixando as particularidades do dólar de lado e voltando para a bolsa: por mais que o Ibovespa tenha sustentado os 100 mil pontos, ele dá indícios de que uma valorização adicional não será tarefa fácil. A partir de agora, os investidores mostram uma sensibilidade maior ao noticiário, hesitando em assumir posições mais expostas ao risco.

E, nesta quinta-feira, tivemos notícias que inspiraram cautela, tanto no Brasil quanto no exterior.

Um dia agitado (e negativo)

Lá fora, a China divulgou um crescimento de 3,2% no PIB do segundo trimestre, dado que superou as expectativas dos analistas. Contudo, a recuperação econômica do gigante asiático ainda não convence o mercado.

E isso porque as vendas no varejo recuaram 1,8% em junho, contrariando as projeções de crescimento do indicador no mês passado. Assim, a leitura é a de que, por mais que o PIB chinês tenha se recuperado, a demanda e a confiança dos consumidores do país ainda estão abaladas pelo coronavírus — um sinal pouco animador.

A Europa também trouxe um noticiário misto nesta quinta-feira: o Banco Central Europeu (BCE) manteve as taxas de juros da região inalteradas, mas novamente indicou disposição em "usar instrumentos" para dar suporte à economia.

Por outro lado, a presidente da instituição, Christine Lagarde, disse que as perspectivas para a recuperação econômica da zona do euro ainda são incertas — ela vê um cenário de queda na inflação adiante, o que, de certa maneira, converge com o dado mostrado pela China mais cedo.

Por fim, nos EUA, os novos pedidos de seguro-desemprego na semana totalizaram 1,3 milhão, ficando ligeiramente acima das estimativas dos analistas, de 1,25 milhão — um resultado que ofusca a alta de 7,5% nas vendas no varejo do país em maio.

Vale lembrar que todos esses focos de incerteza surgiram num contexto de avanço da Covid-19 no mundo, especialmente nos EUA — o que eleva a preocupação quanto a um eventual retrocesso nos esforços para a reabertura da economia americana. Assim, os investidores optaram por assumir uma postura mais cautelosa hoje nas bolsas.

Tensões domésticas

Por aqui, tivemos um importante fator de instabilidade política: o presidente Jair Bolsonaro assinou o novo marco do saneamento, mas vetou o trecho que garantia a renovação dos contratos das empresas estaduais do setor por mais 30 anos — um item que foi negociado diretamente com as lideranças da Câmara e do Senado e que viabilizou a aprovação do texto no Congresso.

Ou seja: abriu-se um novo ponto de atrito entre o governo e os parlamentares — e, para os investidores, isso é sinônimo de risco ao avanço nas pautas econômicas e nos esforços para o ajuste fiscal.

Juros instáveis

As curvas de juros futuros abriram em alta nesta quinta-feira, viraram para queda e, durante a tarde, operaram sem uma tendência definida. O mercado, apesar de tudo, continua apostando em mais um corte na Selic na próxima reunião do Copom, em agosto:

  • Janeiro/2021: de 2,05% para 2,04%;
  • Janeiro/2022: de 3,05% para 2,99%;
  • Janeiro/2023: de 4,13% para 4,12%;
  • Janeiro/2025: de 5,61% para 5,60%.

Top 5

Veja abaixo os cinco papéis de melhor desempenho do Ibovespa nesta quinta-feira:

CÓDIGONOMEPREÇO (R$)VARIAÇÃO
COGN3Cogna ON9,19+5,03%
VVAR3Via Varejo ON19,00+2,98%
VIVT4Telefônica Brasil ON49,75+2,75%
TIMP3Tim ON15,55+2,57%
BPAC11BTG Pactual units86,03+2,44%

Confira também as cinco maiores baixas do índice:

CÓDIGONOMEPREÇO (R$)VARIAÇÃO
EMBR3Embraer ON8,26-6,14%
GOLL4Gol PN21,03-4,19%
BEEF3Minerva ON13,65-4,01%
JBSS3JBS ON21,42-3,30%
AZUL4Azul PN22,05-2,99%
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

balanços 3º tri

Hypera Pharma atinge maior receita da história e lucro cresce 29,4% no terceiro trimestre

Além da evolução de dois dígitos no segmento de ‘sell-out’ (vendas em farmácias), o período também fechou a conclusão de dois grandes negócios para a Hypera Pharma

Mudanças no time

BB Seguridade anuncia Marcio Hamilton Ferreira como novo diretor-presidente

Ferreira é graduado em Administração de empresas e desde janeiro ocupava o cargo de Diretor-Presidente da Brasilprev, empresa investida da BB Seguridade.

Multa de US$ 40 milhões

Justiça dos EUA aprova acordo para encerramento de ação coletiva, diz BRF

A empresa pagou a quantia de US$ 40 milhões para encerrar todas as demandas pendentes e que possam vir a ser propostas por pessoas ou entidades

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Um grande passo para a Arezzo

A Arezzo, rede de lojas de calçados femininos presente em boa parte dos shoppings brasileiros, abriu o capital na bolsa em 2011. Se você buscar no Google, provavelmente vai encontrar a matéria que eu escrevi na época sobre o IPO da empresa. Eu inclusive estive na sede da antiga BM&FBovespa (atual B3) na manhã do […]

fechando a conta no azul

Perdeu, mas ganhou: Ibovespa tem correção e cai, mas termina semana em alta; juros disparam com inflação

Índice não conseguiu manter toada positiva vista em outros dias e recuou com quedas de bancos e Petrobras; dólar sobe com inflação maior à vista

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies