Menu
2020-07-16T19:25:15-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Sustentou os 100 mil

Ibovespa cai mais de 1%, atento aos novos fatores de risco no radar

Cautela com os dados econômicos da China, da Europa e dos EUA mexeu com o humor dos investidores e pressionou o Ibovespa; por aqui, a cautela com o cenário político também pesou

16 de julho de 2020
18:02 - atualizado às 19:25
Selo Mercados FECHAMENTO Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

No fechamento da sessão anterior, as bolsas globais encontravam-se sob efeito de um encantamento: as esperanças de que uma vacina contra o coronavírus estaria cada vez mais próxima deram força ao Ibovespa e aos mercados acionário. Pois nesta quinta-feira (16), os investidores tiveram um rude despertar.

Não, não é que as notícias referentes aos possíveis tratamentos contra a Covid-19 eram falsas. As vacinas e outras medicações continuam em desenvolvimento, mas não é razoável achar que uma pílula mágica estará disponível no curtíssimo prazo. O problema é que esse curtíssimo prazo tem se mostrado cada vez mais turbulento.

Assim, por mais que a visão do futuro seja promissora, o presente exige cautela. E, nesse sentido, tivemos hoje um dia de correção nas bolsas: por aqui, o Ibovespa fechou em baixa de 1,22%, aos 100.553,27 pontos; nos EUA, o Dow Jones (-0,50%), o S&P 500 (-0,34%) e o Nasdaq (-0,73%) recuaram em bloco.

Curiosamente, o mercado de câmbio, que costuma ser mais sensível que as bolsas à percepção de risco, hoje teve um dia de alívio: o dólar à vista caiu 1,10%, a R$ 5,3261 — analistas com quem eu conversei citaram o enfraquecimento global da divisa americana e a entrada de fluxo no país como razões que explicam o comportamento da moeda.

Ainda assim, há um detalhe que chama a atenção: o dólar tem se mantido numa faixa relativamente estreita, entre R$ 5,30 e R$ 5,40, desde o começo do mês — os juros baixos impedem um alívio adicional, ao mesmo tempo que a esperança de recuperação econômica impede uma deterioração maior no câmbio.

Mas, deixando as particularidades do dólar de lado e voltando para a bolsa: por mais que o Ibovespa tenha sustentado os 100 mil pontos, ele dá indícios de que uma valorização adicional não será tarefa fácil. A partir de agora, os investidores mostram uma sensibilidade maior ao noticiário, hesitando em assumir posições mais expostas ao risco.

E, nesta quinta-feira, tivemos notícias que inspiraram cautela, tanto no Brasil quanto no exterior.

Um dia agitado (e negativo)

Lá fora, a China divulgou um crescimento de 3,2% no PIB do segundo trimestre, dado que superou as expectativas dos analistas. Contudo, a recuperação econômica do gigante asiático ainda não convence o mercado.

E isso porque as vendas no varejo recuaram 1,8% em junho, contrariando as projeções de crescimento do indicador no mês passado. Assim, a leitura é a de que, por mais que o PIB chinês tenha se recuperado, a demanda e a confiança dos consumidores do país ainda estão abaladas pelo coronavírus — um sinal pouco animador.

A Europa também trouxe um noticiário misto nesta quinta-feira: o Banco Central Europeu (BCE) manteve as taxas de juros da região inalteradas, mas novamente indicou disposição em "usar instrumentos" para dar suporte à economia.

Por outro lado, a presidente da instituição, Christine Lagarde, disse que as perspectivas para a recuperação econômica da zona do euro ainda são incertas — ela vê um cenário de queda na inflação adiante, o que, de certa maneira, converge com o dado mostrado pela China mais cedo.

Por fim, nos EUA, os novos pedidos de seguro-desemprego na semana totalizaram 1,3 milhão, ficando ligeiramente acima das estimativas dos analistas, de 1,25 milhão — um resultado que ofusca a alta de 7,5% nas vendas no varejo do país em maio.

Vale lembrar que todos esses focos de incerteza surgiram num contexto de avanço da Covid-19 no mundo, especialmente nos EUA — o que eleva a preocupação quanto a um eventual retrocesso nos esforços para a reabertura da economia americana. Assim, os investidores optaram por assumir uma postura mais cautelosa hoje nas bolsas.

Tensões domésticas

Por aqui, tivemos um importante fator de instabilidade política: o presidente Jair Bolsonaro assinou o novo marco do saneamento, mas vetou o trecho que garantia a renovação dos contratos das empresas estaduais do setor por mais 30 anos — um item que foi negociado diretamente com as lideranças da Câmara e do Senado e que viabilizou a aprovação do texto no Congresso.

Ou seja: abriu-se um novo ponto de atrito entre o governo e os parlamentares — e, para os investidores, isso é sinônimo de risco ao avanço nas pautas econômicas e nos esforços para o ajuste fiscal.

Juros instáveis

As curvas de juros futuros abriram em alta nesta quinta-feira, viraram para queda e, durante a tarde, operaram sem uma tendência definida. O mercado, apesar de tudo, continua apostando em mais um corte na Selic na próxima reunião do Copom, em agosto:

  • Janeiro/2021: de 2,05% para 2,04%;
  • Janeiro/2022: de 3,05% para 2,99%;
  • Janeiro/2023: de 4,13% para 4,12%;
  • Janeiro/2025: de 5,61% para 5,60%.

Top 5

Veja abaixo os cinco papéis de melhor desempenho do Ibovespa nesta quinta-feira:

CÓDIGONOMEPREÇO (R$)VARIAÇÃO
COGN3Cogna ON9,19+5,03%
VVAR3Via Varejo ON19,00+2,98%
VIVT4Telefônica Brasil ON49,75+2,75%
TIMP3Tim ON15,55+2,57%
BPAC11BTG Pactual units86,03+2,44%

Confira também as cinco maiores baixas do índice:

CÓDIGONOMEPREÇO (R$)VARIAÇÃO
EMBR3Embraer ON8,26-6,14%
GOLL4Gol PN21,03-4,19%
BEEF3Minerva ON13,65-4,01%
JBSS3JBS ON21,42-3,30%
AZUL4Azul PN22,05-2,99%
Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

ARMADILHAS FINANCEIRAS

Dois investimentos que parecem uma boa, mas são ‘cilada’

As armadilhas costumam travestir-se de “grandes retornos, com baixo risco”.

Coronavírus

Brasil atinge 100 mil mortos por covid-19; STF decreta luto de 3 dias

Enquanto isso, Bolsonaro destaca 2 milhões de recuperados

Balanço

Lucro da Berkshire Hathaway, de Warren Buffett, sobe 87% no 2º trimestre

Recuperação do mercado de ações teve bons reflexos no balanço da companhia do megainvestidor Warren Buffett, mas no ano a empresa ainda amarga prejuízo

Às vésperas do orçamento

Ministros pedem mais recursos a Guedes

Sob pressão interna para ampliar os gastos como forma de combater os efeitos econômicos da covid-19, o ministro da Economia, Paulo Guedes, precisa entregar o Orçamento do ano que vem até o dia 31 deste mês

Entrevista

Meirelles: ‘A raiz da pressão por aumento de gastos é sempre a mesma, eleição’

Em entrevista ao Estadão, Henrique Meirelles lembra que o País tem pouca memória e que quebrar o teto levaria a uma crise muito maior do que a de 2015

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements