IPCA + 8% e outros títulos ‘premium’: receba as melhores ofertas de renda fixa no seu WhatsApp

Cotações por TradingView
2019-04-06T11:07:09-03:00
Estadão Conteúdo
Estratégia para o Brasil

Investimentos da Coca-Cola chegarão a R$ 3 bilhões em 2019

Empresa planeja aumentar a presença em diferentes categorias de bebidas e avançar sua atuação na área de embalagens retornáveis

6 de abril de 2019
11:05 - atualizado às 11:07
Fachada da sede da Coca-Cola em Atlanta, EUA
A Coca-Cola tem planos para o longo prazo no Brasil — e vai investir pesado em 2019 - Imagem: Shutterstock

Diante do cenário ainda incerto da economia brasileira, a Coca-Cola repetirá, nos próximos três anos, estratégia semelhante a dos últimos dois: se preparar para o longo prazo. Por um lado, vai ampliar a presença em diferentes categorias para se tornar uma "empresa total de bebidas". De outro, planeja avançar em embalagens retornáveis, com foco no consumidor de baixa renda - aproveitando o apelo de sustentabilidade.

Para apoiar essa estratégia, a subsidiária brasileira vai investir R$ 3 bilhões em 2019, mesmo com a economia patinando. Em 2018, a Coca viu suas vendas crescerem 1% em termos de volume (litro) e 3% em unidades (frascos).

O cenário, porém, não preocupa Henrique Braun, que assumiu o comando da operação brasileira em setembro de 2016, após passar quatro anos à frente da subsidiária da Coca-Cola na China e na Coreia. Segundo ele, em cada ano e país nos quais a fabricante de bebidas opera há um cenário econômico diverso. Por isso, a visão de longo prazo é importante.

"Não dá para tirar o olho da bola e ficar se preocupando com o que não podemos controlar", afirmou Braun ao Estadão/Broadcast, plataforma de notícias em tempo real do Grupo Estado. "Temos expectativa positiva (com o mercado brasileiro), mas sabemos que a realidade ainda é volátil. Com isso, nossa estratégia para os próximos três anos é muito similar à que tivemos nos últimos dois."

De 2013 para 2018, o mercado brasileiro de refrigerantes encolheu 21% em volume, conforme a Euromonitor International. Segundo Angelica Salado, da consultoria, embora a recessão tenha abatido o consumo como um todo, o mercado de bebidas passa por uma "revolução", com o consumidor atrás de hábitos mais saudáveis.

"Na maioria das categorias, há um movimento de consumir menos e melhor", disse Angelica. Segundo ela, a redução no consumo de açúcar vem sendo vista há uma década. Embora o cenário para a economia esteja mais otimista, o mercado de refrigerantes só deverá recuperar o crescimento anterior à recessão depois de 2023.

Para tentar mudar esse cenário, parte dos investimentos da Coca-Cola estão sendo destinados a embalagens retornáveis e recicláveis. Serão R$ 1,6 bilhão, de 2017 a 2020.

Além do apelo sustentável, elas custam menos - essencial para enfrentar a crise, segundo Braun. Os recursos estão sendo destinados sobretudo a linhas de produção. Uma das novidades foi o lançamento da "garrafa universal", embalagem retornável de plástico PET, que serve a todos os refrigerantes da empresa. Lançado em setembro, o projeto custou R$ 100 milhões. Com o investimento, as vendas desse tipo de embalagem subiram 9%.

Outras frentes

O posicionamento de "empresa total de bebidas" também surtiu efeito, já que a Coca-Cola Sem Açúcar teve alta de 9% em volume de vendas em 2018 e as "bebidas não carbonatadas" (sucos, chás, águas) avançaram 11,5%, também em volume.

Segundo Angelica, a diversificação de categorias, com investimentos em sucos e água, também é uma estratégia para se adaptar à nova realidade do mercado. Na Coca-Cola, isso inclui aquisições. As mais recentes foram a marca argentina de bebidas à base de soja Ades, em 2016, e a fabricante brasileira de lácteos Verde Campo, em 2017.

Segundo Braun, o plano de investimentos não inclui eventuais aquisições. Ele evitou comentar possíveis alvos, mas afirmou que "nunca diremos nunca" sobre a possibilidade de investir em novas categorias. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

DE OLHO NAS REDES

Adeus, Nubank: não se engane com os resultados do trimestre, ação ainda é furada e esta outra fintech é capaz de ‘vencer’ o roxinho, alerta Empiricus — descubra

28 de novembro de 2022 - 11:14

Analistas da Empiricus destacam que o Nubank usou uma nova metodologia para calcular a inadimplência e esse detalhe faz toda diferença; entenda

LEVANTANDO DINHEIRO

Grupo Casino faz oferta secundária de ações para levantar R$ 2,7 bilhões para vender sua fatia no Assaí (ASAI3)

28 de novembro de 2022 - 10:50

Problemas financeiros constantes obrigaram o grupo francês a vender sua parte no Assaí (ASAI3), em negócio previsto pelo mercado

MAIS E MAIS PROBLEMAS

Protocolo Aave (AAVE) suspende empréstimos em criptomoedas e bitcoin (BTC) vê preços estabilizarem com crise na China; acompanhe

28 de novembro de 2022 - 10:37

O Aave é o maior protocolo de lending do Ethereum e somando os efeitos do bloqueio aos problemas de liquidez da FTX, as criptomoedas terão dias difíceis pela frente

DANÇA DAS CADEIRAS

Sai Roberto, entra Roberto: Braskem (BRKM5) anuncia troca de CEO a partir do ano que vem; veja quem ocupará o cargo

28 de novembro de 2022 - 10:23

A Novonor, acionista controladora da empresa, indicou Roberto Bischoff como substituto de Simões. A nomeação do executivo ainda deverá ser submetida à aprovação do Conselho

ALÔ, ACIONISTA

Vem provento por aí: Banco do Brasil (BBAS3) vai pagar R$ 985 milhões em JCP; saiba quem terá direito à bolada

28 de novembro de 2022 - 9:27

Poderá receber o pagamento de R$ 0,34552 por papel BBAS3 o investidor que possuir ações da companhia em 12 de dezembro

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies