🔴 RENDA MÉDIA DE R$ 21 MIL POR MÊS COM 3 CLIQUES – SAIBA COMO

Cotações por TradingView
Estadão Conteúdo
Estratégia para o Brasil

Investimentos da Coca-Cola chegarão a R$ 3 bilhões em 2019

Empresa planeja aumentar a presença em diferentes categorias de bebidas e avançar sua atuação na área de embalagens retornáveis

Estadão Conteúdo
6 de abril de 2019
11:05 - atualizado às 11:07
Fachada da sede da Coca-Cola em Atlanta, EUA
A Coca-Cola tem planos para o longo prazo no Brasil — e vai investir pesado em 2019 - Imagem: Shutterstock

Diante do cenário ainda incerto da economia brasileira, a Coca-Cola repetirá, nos próximos três anos, estratégia semelhante a dos últimos dois: se preparar para o longo prazo. Por um lado, vai ampliar a presença em diferentes categorias para se tornar uma "empresa total de bebidas". De outro, planeja avançar em embalagens retornáveis, com foco no consumidor de baixa renda - aproveitando o apelo de sustentabilidade.

Para apoiar essa estratégia, a subsidiária brasileira vai investir R$ 3 bilhões em 2019, mesmo com a economia patinando. Em 2018, a Coca viu suas vendas crescerem 1% em termos de volume (litro) e 3% em unidades (frascos).

O cenário, porém, não preocupa Henrique Braun, que assumiu o comando da operação brasileira em setembro de 2016, após passar quatro anos à frente da subsidiária da Coca-Cola na China e na Coreia. Segundo ele, em cada ano e país nos quais a fabricante de bebidas opera há um cenário econômico diverso. Por isso, a visão de longo prazo é importante.

"Não dá para tirar o olho da bola e ficar se preocupando com o que não podemos controlar", afirmou Braun ao Estadão/Broadcast, plataforma de notícias em tempo real do Grupo Estado. "Temos expectativa positiva (com o mercado brasileiro), mas sabemos que a realidade ainda é volátil. Com isso, nossa estratégia para os próximos três anos é muito similar à que tivemos nos últimos dois."

De 2013 para 2018, o mercado brasileiro de refrigerantes encolheu 21% em volume, conforme a Euromonitor International. Segundo Angelica Salado, da consultoria, embora a recessão tenha abatido o consumo como um todo, o mercado de bebidas passa por uma "revolução", com o consumidor atrás de hábitos mais saudáveis.

"Na maioria das categorias, há um movimento de consumir menos e melhor", disse Angelica. Segundo ela, a redução no consumo de açúcar vem sendo vista há uma década. Embora o cenário para a economia esteja mais otimista, o mercado de refrigerantes só deverá recuperar o crescimento anterior à recessão depois de 2023.

Para tentar mudar esse cenário, parte dos investimentos da Coca-Cola estão sendo destinados a embalagens retornáveis e recicláveis. Serão R$ 1,6 bilhão, de 2017 a 2020.

Além do apelo sustentável, elas custam menos - essencial para enfrentar a crise, segundo Braun. Os recursos estão sendo destinados sobretudo a linhas de produção. Uma das novidades foi o lançamento da "garrafa universal", embalagem retornável de plástico PET, que serve a todos os refrigerantes da empresa. Lançado em setembro, o projeto custou R$ 100 milhões. Com o investimento, as vendas desse tipo de embalagem subiram 9%.

Outras frentes

O posicionamento de "empresa total de bebidas" também surtiu efeito, já que a Coca-Cola Sem Açúcar teve alta de 9% em volume de vendas em 2018 e as "bebidas não carbonatadas" (sucos, chás, águas) avançaram 11,5%, também em volume.

Segundo Angelica, a diversificação de categorias, com investimentos em sucos e água, também é uma estratégia para se adaptar à nova realidade do mercado. Na Coca-Cola, isso inclui aquisições. As mais recentes foram a marca argentina de bebidas à base de soja Ades, em 2016, e a fabricante brasileira de lácteos Verde Campo, em 2017.

Segundo Braun, o plano de investimentos não inclui eventuais aquisições. Ele evitou comentar possíveis alvos, mas afirmou que "nunca diremos nunca" sobre a possibilidade de investir em novas categorias. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Compartilhe

BALANÇO

Lucro da AES Brasil (AESB3) cai no 4T23, mas Ebitda supera projeções e endividamento começa a cair

27 de fevereiro de 2024 - 9:01

Em meio às especulações sobre uma possível mudança no controle, AES Brasil teve lucro líquido de R$ 112,3 milhões no quarto trimestre, queda de 18%

DESTAQUES DA BOLSA

JBS (JBSS3) sobe 4% na B3 e lidera os ganhos do Ibovespa hoje: o que está por trás da alta das ações de frigoríficos?

26 de fevereiro de 2024 - 17:52

O impulso do setor vem na esteira da divulgação dos resultados da Pilgrim’s Pride Corporation, controlada pela JBS

AS JOIAS DA COROA

Uma opção ao Ozempic? Rival da Novo Nordisk dispara quase 40% após resultado promissor de remédio para emagrecer

26 de fevereiro de 2024 - 16:45

As ações da Zealand Pharma subiram forte depois de a empresa ter divulgado o ensaio de um tratamento para doenças hepáticas que ajuda na perda de peso

DEPOIS DOS BALANÇOS

O pior já passou para a Americanas (AMER3)? CEO diz que varejista está “onde queria” neste momento — mas ainda falta muito para o equilíbrio

26 de fevereiro de 2024 - 15:01

Além dos resultados atrasados dos nove meses iniciais de 2023, a varejista anunciou que o plano de recuperação judicial foi homologado pela Justiça do Rio de Janeiro

U9

A China vai passar por cima da Ferrari? O novo supercarro elétrico da BYD que promete fazer o esportivo dos sonhos comer poeira

26 de fevereiro de 2024 - 14:31

A chinesa revelou neste fim de semana um novo supercarro elétrico que, segundo ela, pode atingir velocidades semelhantes às dos modelos de última geração produzidos por gigantes da indústria

PROBLEMAS NO PORTFÓLIO

Fiagro quer executar garantias de CRA após empresa de biocombustíveis pedir blindagem temporária de dívidas na Justiça

26 de fevereiro de 2024 - 13:28

O VCRA11 investe em títulos ligados à Brasil Bio Fuels, companhia que conseguiu uma tutela cautelar de urgência contra execução de dívidas

EM OUTRAS TERRAS

Vale (VALE3) vai receber US$ 160 milhões por venda de operação na Indonésia

26 de fevereiro de 2024 - 10:55

Após o fechamento da transação — algo que só deve acontecer no fim de 2024 —, subsidiária da Vale manterá exposição à PTVI como uma joint venture não operada

LOGÍSTICA EM FOCO

Sequoia (SEQL3) e Grupo Move3 recebem sinal verde do Cade para fusão

26 de fevereiro de 2024 - 9:03

A fusão aprovada pelo Cade cria um dos líderes no segmento de encomendas expressas e soluções logísticas no setor privado, de acordo com a Sequoia

Foguete não tem ré?

Petrobras (PETR4) bate 6 recordes em valor de mercado só em fevereiro e já vale R$ 571 bilhões; hora de vender as ações?

25 de fevereiro de 2024 - 17:19

Analistas explicam o bom desempenho da estatal na bolsa, mas acreditam que pode ser hora de reduzir a exposição no papel

óleo, gás e... fertilizantes

Petrobras (PETR4) anuncia aumento da produção com nova plataforma no pré-sal e religação de fábrica de fertilizantes

25 de fevereiro de 2024 - 13:00

Estatal divulgou a ida do navio-plataforma Marechal Duque de Caxias para o campo de Mero, na bacia de Santos, e a religação de uma fábrica de fertilizantes

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies