Menu
André Franco
Crypto News
André Franco
É engenheiro e especialista em criptomoedas da Empiricus
2019-03-13T18:07:31-03:00
Crypto News

Crédito, débito ou Facebook Coin?

Gigante das redes sociais deseja criar uma cripto para integrar WhatsApp, Instagram e Facebook

13 de março de 2019
18:07
facebook-bitcoin
Criação da cripto do Facebook é genial como ideia, mas perigoso como execução - Imagem: Shutterstock

A esta altura, você já deve ter ouvido falar da suposta criptomoeda que o Facebook deseja criar.

O Carnaval já acabou, mas mesmo assim uma rede social quer se “fantasiar” de banco central antes do fim do semestre.

Genial como ideia, mas perigoso como execução. Explico.

O resumo da história do Facebook com o universo cripto começa quando, no auge do frenesi cripto, a companhia decidiu proibir anúncios de qualquer natureza relacionados a criptomoedas.

Em 2017, fomos prejudicados com essa medida, assim como exchanges e veículos de mídia, que ficaram sem poder captar novos clientes na rede social.

A medida foi tomada porque a quantidade de golpes anunciados dentro do Facebook era imensa e se confundia com aqueles empreendedores que estavam em meio a projetos sérios.

Nada de mais, até porque tudo indicava que, aos poucos, a medida seria deixada de lado e um crivo mais seletivo seria adotado – foi justamente o que aconteceu.

Desde então, Mark Zuckerberg, CEO do Facebook, foi cada vez mais se aproximado do tema blockchain e cripto e montando uma área inteira dedicada ao ecossistema em Menlo Park.

Atualmente, a equipe já conta com mais de 60 especialistas em blockchain e as primeiras notícias de que o Facebook deseja criar uma cripto para integrar WhatsApp, Instagram e Facebook já começaram a pipocar.

Mas por que criar uma cripto?

A ideia é fazer com que as plataformas controladas por Zuckerberg sirvam como meio de pagamento, assim como o WeChat (da gigante Tencent) na China.

Com o WeChat é possível fazer compras (por meio do WeChat Pay), reservar viagens e, claro, enviar mensagens instantâneas, tal qual o WhatsApp.

É como um app para todas as suas necessidades online – ou pelo menos as principais.

No entanto, se o intuito do Facebook for esse mesmo, não seria necessário uma criptomoeda, bastaria um sistema como o PayPal e pronto.

E é aí que começa a minha descrença na iniciativa.

Se o Facebook for na direção de criar um PayPal dentro dos seus aplicativos, tudo bem, pois estaríamos falando de um mercado regulado e com roadmap já explorado para implementação.

Por outro lado, se for de fato uma criptomoeda, com blockchain próprio, ou até um token dentro de uma outra rede, o Facebook poderia enfrentar problemas com os bancos centrais.

E, diferentemente do Bitcoin, por exemplo, existiria uma pessoa, uma equipe, uma empresa a qual os governos poderiam pressionar para desistir da ideia.

Exatamente nesse ponto mora a diferença entre uma cripto totalmente descentralizada e uma “com dono”.

A última possui claramente um ponto fraco e um alvo a ser atacado.

A boa notícia é que Facebook, Instagram e WhatsApp, podem fazer com que 2,7 bilhões de pessoas tenham acesso ao conceito de cripto e, assim, popularizar o tema de maneira acelerada, como nunca aconteceu.

Aguardarei até julho para poder pagar o meu almoço com Facebook Coin.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Como Era Verde o Meu Vale: ainda vale a pena ter Vale?

Vivemos um “novo ciclo das commodities”, com minério de ferro e carvão batendo sucessivas máximas. E a Vale ainda pode se beneficiar deste momento

IR 2021

Imposto de Renda: Como declarar bens e rendimentos comuns do casal?

A repórter Julia Wiltgen conversou com o advogado tributarista Samir Choaib e respondeu às principais dúvidas dos leitores do Seu Dinheiro

pandemia

Covid-19: mortes sobem para 436,5 mil, e casos chegam a 15,6 milhões

Nas últimas 24 horas, foram registrados 786 novos óbitos

na expectativa

Privatização da Eletrobras é necessária para consumidor, diz ministro

Para ele, capitalização da Eletrobras vai permitir que metade da outorga dela vá para aquela parte da tarifa de energia elétrica que são os tributos, os subsídios e também a parte que engloba toda a parte tributária

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Os três mosqueteiros do varejo e outros destaques da noite

Na bolsa e no setor de varejo, a máxima do “um por todos e todos por um” não se aplica. Empresas competem umas com as outras e investidores buscam as melhores aplicações — o “cada um por si” tem bem mais adeptos. Mas, quem diria, três mosqueteiros juntaram suas espadas para comemorar os bons resultados […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies