Menu
2019-10-07T15:30:37-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Ideias do Congresso

Após polêmica, presidente da Caixa nega que governo queira alterar gestão do FGTS

Reportagem do jornal O Globo desta segunda diz que o governo quer liberar recursos do fundo a todos os bancos

7 de outubro de 2019
15:30
Pedro Guimaraes, presidente da Caixa Econômica Federal
Imagem: Clauber Cleber Caetano/PR

O presidente da Caixa, Pedro Guimarães, negou nesta segunda-feira (7) que o governo estude uma alteração na gestão do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). Reportagem do jornal O Globo desta segunda diz que o governo quer liberar recursos do fundo a todos os bancos.

"A informação dada tanto quanto pelo presidente da República Jair Bolsonaro como pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, é que não. Isso não nasceu de lá. Pelo contrário, Guedes tem claramente a proposta de que a MP (sobre saques do FGTS) seja como foi", disse Guimarães, em passagem pela Câmara no período da manhã.

Ele esteve com Guedes nessa segunda pela manhã.

Segundo ele, se houver alguma mudança que trate desse assunto na medida provisória que liberou os saques do FGTS, será um "assunto para a Câmara". "Claramente, não foi uma ideia patrocinada pelo governo", disse.

Ele nega que, se houver uma decisão como essa, a liquidez da Caixa será afetada. "O que tem impacto é para os brasileiros. Existem 711 municípios que só a Caixa está lá", disse. "Para o agente financeiro, para realizar o Minha Casa, Minha Vida não há monopólio", comentou. "O que acontece é que uma mudança como essa seria regressiva. Significa que provavelmente outros bancos teriam mais interesse de fazer o MCMV na região Sudeste e outras capitais", afirmou.

Bolsonaro promete veto

No meio da polêmica, o presidente Bolsonaro afirmou nesta segunda-feira que vetará eventual alteração que o Congresso possa fazer na medida provisória para quebrar o monopólio da Caixa como operadora do fundo.

"Se o Congresso decidir quebrar o monopólio da Caixa, eu a vetarei segundo orientação da própria ministério Economia", disse, sobre uma eventual proposta, o presidente em uma publicação na sua página do Facebook no período da manhã.

- O Globo cita o "GOVERNO" como autor de proposta pelo fim do monopólio da CEF sobre o FGTS.- Eu, o Ministro da...

Posted by Jair Messias Bolsonaro on Monday, October 7, 2019

Bolsonaro negou ainda que o governo tenha a intenção de defender essa mudança junto ao Congresso.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

prévias

Eztec tem queda de 48% nas vendas no quarto trimestre

Lançamentos da empresa atingiram R$ 380,8 milhões, chegando a R$ 1,150 bilhão no ano – 85% a mais do que no terceiro trimestre

seu dinheiro na sua noite

2 milhões de mortos, 2 trilhões em estímulos e uma queda de mais de 2%

Se a primeira semana de 2021 nos mercados refletiu o otimismo geral com o novo ano que se iniciava, com perspectivas de vacinação contra o coronavírus e recuperação econômica, na segunda semana do ano, os investidores optaram pela cautela. Por ora, 2020, o ano do qual todos queríamos nos livrar, ainda não ficou para trás. […]

FECHAMENTO

Atritos políticos e covid-19 voltam para assombrar o mercado e Ibovespa recua mais de 2%; dólar sobe forte

Existe uma certa desconfiança de que o plano de US$ 1,9 trilhão apresentado por Biden encontre dificuldades de ser aprovado pelo Congresso, ainda que o democrata tenha conquistado a maioria das duas casas. No Brasil, situação do coronavírus reacende a pressão sobre o cenário fiscal

match com o mercado?

Concorrente do Tinder, Bumble pode levantar US$ 100 milhões em IPO

Ações da empresa estreiam em fevereiro na Nasdaq; companhia, que é dona do Badoo, não deu lucro no ano passado

pandemia

Itamaraty confirma que Índia atrasará entrega de vacinas

Chanceler indiano atribuiu o atraso na liberação a “problemas logísticos” decorrentes das dificuldades de conciliar o início da campanha de vacinação no país de mais de 1,3 bilhão de habitantes

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies