Menu
2019-06-05T12:06:08-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Venda na bolsa

Sócios do BTG Pactual podem colocar até R$ 3 bilhões no bolso com venda de ações em oferta

Volume ficou acima do inicialmente anunciado pelo banco, que era de R$ 2 bilhões. Só neste ano as ações do BTG dobraram de valor na bolsa

5 de junho de 2019
12:06
trading floor btg pactual

Os controladores do BTG Pactual podem colocar no bolso até R$ 3,026 bilhões com a oferta de certificados de ações (units) do banco (BPAC11) na bolsa.

O volume, que ficou acima dos R$ 2 bilhões anunciados inicialmente pelo banco, tem como base a cotação de fechamento dos papéis ontem (R$ 46,71) e a venda de todos os lotes previstos na oferta.

O anúncio dos detalhes da operação colocou pressão nas units do banco - que representam uma ação ON e duas PNA. Por volta das 11h50 desta quarta-feira, os papéis eram negociados em queda de 3,75%, cotadas a R$ 44,96. Confira também a nossa cobertura completa de mercados.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

As ações que serão vendidas na oferta pertencem à BTG Pactual Holding, que reúne as ações dos principais sócios e detém hoje 76,5% do capital. Os controladores venderão os papéis em um bom momento. Só neste ano as ações dobraram de valor na bolsa.

O G7, grupo dos principais sócios do BTG, hoje é composto por apenas cinco integrantes: Roberto Sallouti, Renato Santos, Antonio Porto, Guilherme Paes e André Esteves.

Além deles, quem mais deve embolsar dinheiro com a oferta é Marcelo Kalim, que saiu para criar o banco digital C6 Bank, mas manteve suas ações.

Os sócios planejam vender 48 milhões de units na oferta, o equivalente a R$ 2,242 bilhões ao preço de ontem. Mas podem se desfazer de mais 16,8 milhões de papéis dependendo da demanda dos investidores. A definição do preço por ação acontece no próximo dia 11 de junho.

Nível 2 e varejo

O BTG anunciou a oferta de ações na semana passada, junto com o plano de criação de uma unidade para cuidar dos negócios digitais. O objetivo é conquistar a sexta posição entre os bancos de varejo no país.

Em entrevista na semana passada, o presidente do BTG, Roberto Sallouti, disse que a venda de ações atende a um pedido dos investidores por uma maior liquidez dos papéis na bolsa.

Além da oferta, o BTG vai aderir ao Nível 2 de governança corporativa da B3, outra demanda do mercado. A B3 já autorizou o banco a ter as units listadas no segmento com um percentual de ações em circulação de 21%, abaixo do mínimo exigido de 25%.

A oferta de ações é liderada pelo próprio BTG Pactual, além dos bancos Morgan Stanley, UBS e Bradesco BBI - sendo que este último atuará também como coordenador adicional, a fim de evitar potenciais conflitos de interesse.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Enxugando

Bancos públicos devem acelerar vendas de ativos em 2020

Juntos, Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil e BNDES devem vender, só no primeiro semestre de 2020, mais de R$ 60 bilhões em ativos

Obras a todo vapor

A economia brasileira segue patinando, mas o setor de construção dá sinais de força

O segmento de construção continua aquecido, com a retomada nos lançamentos e um crescimento no volume de vendas. E as prévias operacionais da Helbor, Direcional e MRV dão suporte ao otimismo do mercado

Aval do presidente

Bolsonaro aprova fundo eleitoral de R$ 2 bilhões em orçamento para 2020

O presidente Jair Bolsonaro aprovou a inclusão do fundo eleitoral no Orçamento do governo de 2020 — um mecanismo que prevê gastos de R$ 2 bilhões para as campanhas das eleições municipais

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

MAIS LIDAS: Bolha? Que bolha?

A matéria que discute uma suposta bolha nos fundos imobiliários foi a mais lida desta semana. Oi, aposentadoria e bolsa também estiveram entre os assuntos de destaque

Em busca de investidores

Guedes vai a Davos para ‘vender’ o Brasil

O ministro da Economia, Paulo Guedes, será a principal autoridade brasileira no Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça

LIÇÕES DO PAI RICO, PAI POBRE

Ganhando bem, mas longe de ser rico?

Robert Kiyosaki, autor do best seller Pai Rico, Pai Pobre, escreve aos sábados sobre suas lições de finanças

DE OLHO NOS EMPRÉSTIMOS

BNDES aprova empréstimos a exportações de Embraer, Marcopolo, Mercedes e Scania

A maior das operações foi para a fabricante de aviões Embraer, que tomou empréstimo de US$ 285 milhões para financiar a exportação de 11 aeronaves modelo E175 para a American Airlines, nos Estados Unidos

FUNDOS DE PENSÃO

Assessores de Guedes e mais 28 viram réus por rombo em fundos de pensão

“O Ministério Público Federal produziu e apresentou a este Juízo peça acusatória formalmente apta, acompanhada de vasto material probatório, contendo a descrição pormenorizada contra todos os denunciados”, anotou Vallisney.

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

De volta para o futuro

Quando escrevi aqui na newsletter que não é possível prever o futuro, um leitor me corrigiu. Em alguns casos podemos sim antecipar com razoável grau de precisão o que vai acontecer: que o diga a previsão do tempo. Ele tem razão, mas a mesma premissa válida para a meteorologia não se aplica ao mercado financeiro. […]

Bolsa forte

Otimismo externo se sobrepõe à hesitação local e Ibovespa sobe 2,58% na semana

Apesar do viés “misto” dos mais recentes dados da atividade doméstica, o otimismo em relação ao acordo EUA-China e a força mostrada pela economia chinesa sustentaram o bom desempenho do Ibovespa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements