Menu
2019-07-11T10:09:55-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Disputa na arena digital

A meta do BTG Pactual: virar o sexto maior banco de varejo do país

Banco lançou uma nova unidade para reunir todos os negócios voltados a pessoas físicas e pequenas e médias empresas e prepara uma venda de R$ 2 bilhões em ações

29 de maio de 2019
16:02 - atualizado às 10:09
Amos Genish (sócio sênior do BTG Pactual), Roberto Sallouti (CEO do BTG Pactual) e Marcelo Flora (sócio-responsável pelo BTG Pactual digital)
Genish, Sallouti e Flora, em entrevista na sede do BTG - Imagem: Vinícius Pinheiro/Seu Dinheiro

Foi difícil arrancar números dos executivos do BTG Pactual na entrevista coletiva sobre o lançamento da iniciativa digital do banco. A justificativa foi a oferta de ações de R$ 2 bilhões que foi anunciada junto com a criação da nova unidade que vai reunir todos os negócios voltados a pessoas físicas e pequenas e médias empresas. As regras da CVM exigem discrição na divulgação de estimativas durante o processo da oferta.

Mas Amos Genish, mais novo sócio do BTG e responsável pelo projeto deu uma medida das ambições. "Nosso objetivo é ser o sexto maior banco de varejo do país", afirmou aos jornalistas hoje, na sede do banco.

Isso significa que o BTG espera ficar logo atrás do pelotão formado pelos gigantes Banco do Brasil, Itaú Unibanco, Caixa Econômica Federal, Bradesco e Santander Brasil, que hoje detêm 85% do mercado brasileiro.

Não se trata de uma missão tão difícil, ainda mais porque o banco não sai do zero. A nova unidade liderada por Genish vai reunir a plataforma de investimentos lançada pelo banco no início de 2017, que será ampliada para passar a oferecer uma conta digital completa. A participação no Banco Pan - controlado em conjunto com a Caixa - também ficará sob essa unidade.

Ainda neste ano o aplicativo do BTG passará a oferecer transferência para contas de outras titularidades e pagamento de contas. Também está previsto o lançamento de um cartão de débito e crédito, mas ainda sem data.

O banco mantém trancado a sete chaves o número e o volume de recursos de clientes na plataforma digital. Mas o valor sob custódia dobrou nos últimos quatro meses, segundo Marcelo Flora, sócio responsável pela plataforma.

Dentro da estrutura desenhada para o varejo, o BTG ficará responsável pelos clientes da classe A e B, enquanto que o Banco Pan atenderá os correntistas das classes C e D.

A negociação para a entrada de Genish no quadro de sócios durou aproximadamente seis semanas. Embora não tenha experiência prévia no setor bancário, ele é um especialista na chamada "experiência do cliente", uma das prioridades do banco com o projeto, segundo Roberto Sallouti, presidente do BTG.

Genish foi o fundador da GVT, uma empresa criada logo após as privatizações da telefonia para competir com a da Brasil Telecom (atual Oi). A empresa cresceu, abriu o capital na bolsa e foi vendida para o grupo francês Vivendi, que negociou posteriormente a companhia para a Vivo, empresa da qual Genish se tornou presidente depois.

Depois de recuaram ontem com a notícia da oferta de ações, as units (recibos de ações) do banco (BPAC11) eram negociados em forte alta de 5,72% por volta das 15h45 de hoje. Confira também nossa cobertura completa de mercados.

Por que vender?

Se o projeto do banco digital de varejo é tão bom assim, por que os sócios do BTG decidiram vender R$ 2 bilhões na bolsa em uma oferta de ações?

Sallouti respondeu que a venda vai contribuir para o aumento da liquidez das units, uma demanda do mercado. Ele disse que a listagem dos papéis no Nível 2 de governança corporativa da B3, assim como a separação da participação detida no banco suíço EFG também serão feitas a pedido dos investidores.

"Com a oferta nós endereçamos esses três pontos e trazemos mais investidores, mas provavelmente vamos deixar um upside [potencial de valorização] na mesa", afirmou.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

agora vai?

Privatizações de Correios e Eletrobras ficam para o fim de 2021; veja os planos do governo

No caso dos Correios, o projeto de lei que irá permitir a desestatização da empresa ainda nem foi enviado pelo governo ao Legislativo

Privatização

No Brasil, 431 cidades adotaram iniciativas de desestatização nos últimos 24 meses

Das administrações que informaram desestatizações, 377 utilizaram o modelo de concessão.

Voando

Embraer aponta retomada difícil, mas reforça otimismo com jato de até 150 lugares

A retomada, ficará 19% abaixo do volume previsto pela Embraer ao longo da década, até 2029.

retomada

Vendas de veículos sobem 4,65% em novembro, diz Fenabrave

Volume ficou 7,12% abaixo do total vendido no mesmo mês do ano passado, uma queda em parte explicada por restrições de oferta

Dinheiro no caixa

C6 Bank recebe aporte de R$ 1,3 bilhão em rodada de captação com 40 investidores

Em uma espécie versão bilionária de “crowdfunding”, o C6 Bank foi avaliado em R$ 11,3 bilhões, o que significa que o grupo de investidores ficará com 11,5% do capital do banco

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies