Menu
2019-07-11T10:09:55-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Disputa na arena digital

A meta do BTG Pactual: virar o sexto maior banco de varejo do país

Banco lançou uma nova unidade para reunir todos os negócios voltados a pessoas físicas e pequenas e médias empresas e prepara uma venda de R$ 2 bilhões em ações

29 de maio de 2019
16:02 - atualizado às 10:09
Amos Genish (sócio sênior do BTG Pactual), Roberto Sallouti (CEO do BTG Pactual) e Marcelo Flora (sócio-responsável pelo BTG Pactual digital)
Genish, Sallouti e Flora, em entrevista na sede do BTG - Imagem: Vinícius Pinheiro/Seu Dinheiro

Foi difícil arrancar números dos executivos do BTG Pactual na entrevista coletiva sobre o lançamento da iniciativa digital do banco. A justificativa foi a oferta de ações de R$ 2 bilhões que foi anunciada junto com a criação da nova unidade que vai reunir todos os negócios voltados a pessoas físicas e pequenas e médias empresas. As regras da CVM exigem discrição na divulgação de estimativas durante o processo da oferta.

Mas Amos Genish, mais novo sócio do BTG e responsável pelo projeto deu uma medida das ambições. "Nosso objetivo é ser o sexto maior banco de varejo do país", afirmou aos jornalistas hoje, na sede do banco.

Isso significa que o BTG espera ficar logo atrás do pelotão formado pelos gigantes Banco do Brasil, Itaú Unibanco, Caixa Econômica Federal, Bradesco e Santander Brasil, que hoje detêm 85% do mercado brasileiro.

Não se trata de uma missão tão difícil, ainda mais porque o banco não sai do zero. A nova unidade liderada por Genish vai reunir a plataforma de investimentos lançada pelo banco no início de 2017, que será ampliada para passar a oferecer uma conta digital completa. A participação no Banco Pan - controlado em conjunto com a Caixa - também ficará sob essa unidade.

Ainda neste ano o aplicativo do BTG passará a oferecer transferência para contas de outras titularidades e pagamento de contas. Também está previsto o lançamento de um cartão de débito e crédito, mas ainda sem data.

O banco mantém trancado a sete chaves o número e o volume de recursos de clientes na plataforma digital. Mas o valor sob custódia dobrou nos últimos quatro meses, segundo Marcelo Flora, sócio responsável pela plataforma.

Dentro da estrutura desenhada para o varejo, o BTG ficará responsável pelos clientes da classe A e B, enquanto que o Banco Pan atenderá os correntistas das classes C e D.

A negociação para a entrada de Genish no quadro de sócios durou aproximadamente seis semanas. Embora não tenha experiência prévia no setor bancário, ele é um especialista na chamada "experiência do cliente", uma das prioridades do banco com o projeto, segundo Roberto Sallouti, presidente do BTG.

Genish foi o fundador da GVT, uma empresa criada logo após as privatizações da telefonia para competir com a da Brasil Telecom (atual Oi). A empresa cresceu, abriu o capital na bolsa e foi vendida para o grupo francês Vivendi, que negociou posteriormente a companhia para a Vivo, empresa da qual Genish se tornou presidente depois.

Depois de recuaram ontem com a notícia da oferta de ações, as units (recibos de ações) do banco (BPAC11) eram negociados em forte alta de 5,72% por volta das 15h45 de hoje. Confira também nossa cobertura completa de mercados.

Por que vender?

Se o projeto do banco digital de varejo é tão bom assim, por que os sócios do BTG decidiram vender R$ 2 bilhões na bolsa em uma oferta de ações?

Sallouti respondeu que a venda vai contribuir para o aumento da liquidez das units, uma demanda do mercado. Ele disse que a listagem dos papéis no Nível 2 de governança corporativa da B3, assim como a separação da participação detida no banco suíço EFG também serão feitas a pedido dos investidores.

"Com a oferta nós endereçamos esses três pontos e trazemos mais investidores, mas provavelmente vamos deixar um upside [potencial de valorização] na mesa", afirmou.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

FECHAMENTO

Ibovespa ignora tensão em Brasília e NY no vermelho e avança 1%; dólar também sobe

Enquanto as blue chips garantiram o bom desempenho do Ibovespa, o dólar avançou 0,84%, pressionado pelo noticiário em Brasília

Exaltou integração

Presidente do Banco Central não enxerga competição entre bancos e fintechs

Segundo Campos Neto, a integração entre as mídias sociais e o sistema financeiro é maior inovação que existe no momento

Menos pontos e milhas

Setor de empresas de fidelidade encolhe quase 30% em 2020

O segmento de fidelidade movimentou R$ 5,3 bilhões em 2020, segundo a Associação Brasileira das Empresas do Mercado de Fidelização (ABEMF)

Estamos em um novo ciclo de alta de commodities?

Por que está se falando tanto em commodities? Isso é o que Matheus Spiess te explica no vídeo de hoje. Observando o histórico de ciclos de alta de commodities, presenciamos ciclos de altas de preços nas matérias primas. E estudos dizem que estamos na beira de um SUPERCICLO. Vamos ao passado: Início de 1900: 2º […]

Controle total

Petrobras: Cade aprova venda da participação da estatal em eólica para FIP Pirineus

Após a assinatura do acordo de R$ 32,97 milhões, o FIP Pirineus passa a deter o controle unitário do empreendimento

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies