Menu
2018-12-19T14:04:45-02:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Vai ou não vai?

Advogado pede nova suspensão do auxílio-moradia pago para membros do Judiciário

Pedido protocolado nesta quarta-feira no STF faz parte de um mandado de segurança coletivo

19 de dezembro de 2018
14:04
justica
CNJ estimou que cerca de 1% da magistratura terá direito a receber auxílio-moradia - Imagem: Shutterstock

Já virou novela! A questão envolvendo o fim do auxílio-moradia para membros do Judiciário continua provocando movimentações país afora. A bolsa da vez ficou com Carlos Alexandre Klomfahs, advogado de São Paulo que ingressou nesta quarta-feira, 19, com um pedido liminar para que sejam suspensas as resoluções do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) que autorizam o pagamento de auxílio-moradia a juízes, promotores e procuradores. O pedido protocolado no STF faz parte de um mandado de segurança coletivo.

Na terça-feira, 18, o CNJ definiu que o benefício importará em um acréscimo de R$ 4.377,73 nos contracheques, com previsão de reajuste todo ano. A resolução delimita a extensão do benefício para aqueles que forem atuar fora da comarca de origem, que não tenham casa própria no novo local, nem residência oficial à disposição.

De acordo com a assessoria do CNJ, levantamento preliminar apontou que, com as novas regras, cerca de 1% da magistratura terá direito a receber auxílio-moradia, entre os membros da ativa, o que corresponde a cerca de 180 juízes.

O advogado Carlos Klomfahs alega que as resoluções do CNJ e do CNMP são "eivadas de inconstitucionalidade formal, pela não submissão ao decidido interinstitucionalmente entre STF, Câmara dos Deputados e Presidência da República, e material, pela violação ao princípio da proporcionalidade, razoabilidade, boa-fé, soberania popular e ao Estado Democrático de Direito".

Restrições

CNJ e CNMP impuseram algumas restrições ao pagamento do auxílio-moradia. Na cidade onde o beneficiário for trabalhar não pode existir imóvel funcional. Além disso, o cônjuge não pode ocupar ou ganhar o auxílio. O magistrado não pode ser ou ter tido nos últimos 12 meses dono de imóvel na comarca onde vai atuar. A atuação deve ser fora da comarca atual. O juiz deve apresentar comprovante de despesa como aluguel ou hotel.

"Todavia, tal aprovação dos auxílios vai contra o espírito e a forma dos acordos institucionais entre Presidência da República, Câmara dos Deputados e Supremo Tribunal Federal que se comprometeram a revogar a liminar de concessão na AC/AO n. 1773. relator Luiz Fux", destaca Carlos Klomfahs, advogado que frequentemente se insurge no âmbito dos tribunais contra benefícios e privilégios no setor público.

"O Poder Judiciário deve ser fiscalizado pela sociedade na medida em que ela, a sociedade, é a verdadeira concessionária do Poder Estatal, e quando falha ou incompleta a ação do Poder Executivo ou Legislativo sobre o Judiciário, cabe, ao lado do Ministério Público e da Advocacia, a fiscalização direta pela sociedade por meio de 'questionamentos judiciais de veio cidadão' como ações populares, mandados de segurança, individual ou coletivo, ou o exercício de petições constitucionais", sustenta o advogado.

Em sua avaliação, a decisão do CNJ e do CNMP "inobserva o espírito do que pretendido pelo Poder Executivo, Legislativo e cúpula do STF, que era a economia e a racionalidade no uso do dinheiro público".

"Como quem financia esses bilhões de reais anuais gastos com o funcionalismo público é a sociedade, os trabalhadores, com seus impostos, suor e sangue, na labuta diária, logo, se e somente se, a sua opinião for considerada, convola-se o interesse do Poder Público com o interesse da sociedade. O que inocorreu", argumenta.

Komfahs destaca recente noticiário sobre uma petição via internet com mais de 2 milhões de assinaturas para que o presidente Michel Temer vetasse o reajuste para os ministros do Supremo. "Ora, se já passava ao largo das manifestações de desaprovação popular quanto a não aceitação do reajuste e seus efeitos cascata, na atual quadra, ainda por cima conseguiram algumas 'mentes inteligentíssimas' destronar a boa fé entre o Poder Público e a sociedade brasileira e ludibriar a opinião pública, a sociedade que verdadeiramente paga os subsídios da Corte brasileira, para 'ganharem duas vezes'!!!", sustenta o advogado.

Ao pedir liminar, o advogado afirma. "O perigo da demora e a fumaça do direito estão presentes, uma vez se tratar de dinheiro público, e as resoluções terem sido aprovadas de maneira açodadas, sem as reflexões e ponderações inerente a grandiloquência das consequências econômicas e os graves reflexos sociais."

Klomfahs pede intimação da Advocacia Geral da União para ingresso no feito e da Procuradoria Geral da República para manifestação. "E no mérito a confirmação da liminar para suspensão definitiva das resoluções do CNJ e do CNMP."

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

12 notícias para começar o dia bem informado

Dei um pulinho em Curitiba no fim de semana para passar o Dia dos Pais com o seu Gazzoni. No almoço, comentamos sobre o aeroporto vazio e a quantidade de lojas fechadas. Então, a minha tia perguntou: “Marina, por que a bolsa está subindo se estamos em crise?”. O descompasso entre PIB e bolsa sempre […]

controvérsia

Rússia anuncia vacina contra covid-19, mas decisão é questionada por especialistas

País espera poder iniciar a aplicação em massa, mesmo que estejam ocorrendo ainda testes clínicos para comprovar a segurança da vacina

tarifas e justiça

Trump ameaça retaliar Brasil por causa do etanol

Atualmente, há isenção para importação de até 750 milhões de litros de etanol dos EUA por ano, mas a partir daí a tarifa é de 20%

em reunião do corte

Em ata, Copom indica cautela na análise de novos cortes de juros

Documento mostra que o BC monitora risco da elevada ociosidade da economia produzir inflação abaixo da esperada, ao mesmo tempo que se preocupa com trajetória fiscal

investimento

Bradesco cria ‘ranking ambiental’ de empresas

Ao longo deste semestre, a gestora está se estruturando para fazer a classificação das empresas, que receberão notas de zero a 100

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements