Menu
2018-11-16T18:19:39-02:00
Aldo Renato Soares
Aldo Renato Soares
Energia

Regulação afeta eficiência de empresas do setor e penaliza Cemig

Se por um lado estabelece uma certa simetria entre as empresas, modelo adotado pela Aneel acaba afetando operações

17 de novembro de 2018
6:03 - atualizado às 18:19
Cabos de energia
Imagem: shutterstock

O risco regulatório é um fator comum a todas as empresas concessionárias de serviço público de capital aberto. No setor elétrico, pela sua importância social e econômica, e pela sua “cadeia produtiva” complexa (geração, transmissão e distribuição), a regulação, se por um lado estabelece uma certa simetria entre as empresas, acaba afetando a eficiência das operações.

O modelo adotado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) penaliza as empresas. A tarifa de energia é baseada numa empresa de referência. A agência avalia a eficiência por itens. Qual empresa é mais eficiente no corte e suspensão do serviço, na religação, na manutenção das linhas, leitura de medidores de consumo, entre outros quesitos.

Como nenhuma distribuidora é eficiente em todos os itens, quem ultrapassa a média de eficiência é penalizado. Por exemplo: se o custo de manutenção de rede é de R$ 100 por quilômetro, a distribuidora que gastar R$ 110 será “punida”. Na data de autorização do reajuste, a “ineficiência” vai provocar um desconto, que o acionista vai pagar.

Realidades diferentes

O modelo tem a sua lógica, de forçar todas as distribuidoras a serem eficientes. A questão é que elas atuam em realidades diferentes. A Eletropaulo, concessionária de distribuição de energia na Grande São Paulo, tem operações só na Grande São Paulo, ou seja, terreno quase todo asfaltado, consumidores morando lado a lado, proximidade com os problemas e menores custos para a execução dos serviços.

A Cemig atende Minas Gerais, que abrange quase mil municípios em regiões completamente diferentes entre si. A grande BH é diferente do sul de Minas, que é completamente diferente do Vale do Jequitinhonha... Um funcionário da Cemig as vezes percorre 500 quilômetros para fazer medição de consumo, manutenção de rede. É compreensível que a operação da Cemig seja mais onerosa que a da Eletropaulo.

Esse modelo afeta a geração de caixa das empresas. Como o contrato de concessão tem prazo, muitas distribuidoras estão reduzindo os custos de manutenção e nos equipamentos para manter o mínimo de lucratividade. O efeito disso é a degradação do sistema e a piora do serviço prestado, que vai ter impacto no faturamento.

Abacaxi

No final da concessão, as distribuidoras em situação precária– privadas ou controladas por governos estaduais – são devolvidas para o poder concedente, a União. O abacaxi acaba na Eletrobras. Aconteceu com as distribuidoras de Alagoas, Manaus, Amapá, Roraima, Rondônia, Piauí. Isso explica os preços pagos na venda dessas empresas e na dificuldade de se privatizar algumas delas.

A descapitalização vai cobrando seu preço. Há 10 anos, o índice de perdas técnicas (problemas na rede por falta de investimento) era de 3%. Na Light, distribuidora carioca, controlada pela Cemig, chega hoje a 7%. O efeito disso é que a cada 100 kw que ela coloca na rede, só fatura metade.

O problema não é só o roubo de energia, o popular “gato”, mas avarias e falta de manutenção e substituição de medidores de consumo.

“Por que a distribuidora vai investir em melhorar o serviço se depois ela poderá ser penalizada pela agência reguladora?”, argumenta um ex-superintendente que trabalhou três décadas na Cemig.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

MERCADOS HOJE

Ibovespa opera em queda com repercussão do PIB e novas mudanças na Petrobras

A votação da PEC emergencial e a divulgação do livro bege ficaram para tarde, o que não deve afetar a bolsa, por enquanto, nesta manhã

Varejista avança

Com nova aquisição, Magazine Luiza quer virar o seu supermercado digital

A empresa fechou a compra da VipCommerce, uma plataforma que permite a supermercados e atacarejos venderem online usando suas próprias marcas

Controle do orçamento

Líderes do Senado querem tirar Bolsa Família do teto

Os senadores pegaram carona na ideia e concordaram em ampliar a sugestão para tirar o Bolsa Família do teto de gastos

apesar de pandemia

PIB vem melhor que o esperado pelos economistas, subindo 3,2% no 4º tri e caindo 4,1% em 2020

Apesar de ter vindo acima do projetado, PIB de 2020 representa o pior desempenho da série histórica, iniciada em 1996

O melhor do Seu Dinheiro

E hoje ainda é dia de PIB

Os livros de história que contarem como a economia brasileira atravessou a crise provocada pela pandemia da covid-19 obrigatoriamente vão registrar o número que será divulgado logo mais às 9 horas pelo IBGE. Seja qual for o resultado, o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil em 2020 será de fato histórico. A expectativa do mercado […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies