🔴 NOVA META: RENDA EXTRA DE ATÉ R$ 2.000,00 POR DIA – VEJA COMO

Camille Lima
Camille Lima
Repórter no Seu Dinheiro. Estudante de Jornalismo na Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS). Já passou pela redação do TradeMap.
JUST (DON’T) DO IT

Ações da Nike despencam mais de 10% após projeções menos animadoras; o que isso significa para a Centauro (SBFG3)?

A gigante dos tênis se viu diante de níveis de estoque excessivos — e o remédio encontrado pela empresa para tentar solucionar o problema atingiu em cheio o lucro do trimestre

Camille Lima
Camille Lima
30 de setembro de 2022
13:06 - atualizado às 18:00
Tênis Nike
Imagem: Joseph Barrientos / Unsplash

Quem não gosta de promoções? Bem, para os consumidores, não há nada melhor do que uma boa liquidação para encher o carrinho. Mas, para a Nike, os preços mais baixos de seus produtos geraram uma verdadeira bola de neve catastrófica. 

Isso porque, apesar de entregar dados trimestrais relativamente robustos no primeiro trimestre fiscal de 2023, as projeções da gigante dos tênis e artigos esportivos para o resto de 2022 não são exatamente animadoras.

Com níveis de estoque excessivamente altos, a empresa teve que tomar uma decisão drástica: conceder descontos em seus produtos para dar saída aos produtos. E isso, naturalmente, implica em margens menores e queda de receita.

A própria Nike deu uma estimativa ao mercado quanto aos impactos financeiros dessa situação: cerca de US$ 4 bilhões a menos na receita anual.

Isso teve um efeito nada positivo sobre as ações da gigante dos tênis, que agora rolam ladeira abaixo na bolsa de valores de Nova York (NYSE). Por volta das 13h05, os papéis NKE caíam 11,86%, negociados a US$ 84,02. A perda acelerou ao longo do dia e as ações fecharam com baixa de 12,81, a US$ 83,12.

O que afetou o resultado da Nike?

Não é novidade que as varejistas estão enfrentando dificuldades na cadeia de suprimentos — e hoje lidam com uma verdadeira bola de neve.

Apesar do aumento nos prazos e nos custos de envio e logística desde a pandemia, as empresas viram a demanda dos consumidores caminhar para a normalidade no último trimestre.

Isso fez com que empresas como a Nike aumentassem sua produção, de modo a encher os  estoques mais rápido que de costume para atender os clientes, segundo o CFO da Nike, Matthew Friend.

Acontece que os envios das encomendas voltaram ao normal, e os pedidos de estoque feitos pela Nike, que já estavam atrasados, chegaram junto com as entregas antecipadas de novas peças. 

Basicamente: a gigante dos tênis agora se vê diante de níveis de estoque excessivos e assustadores.

Os estoques da companhia chegaram a US$ 9,7 bilhões, um aumento de 44% em relação ao mesmo período do ano anterior. Executivos da Nike afirmaram que, só na América do Norte, os estoques dispararam 65% em relação ao ano passado. 

Aqui você já deve ter entendido a urgência da varejista de tomar medidas agressivas para tentar reduzir os estoques.

Leia também:

As liquidações da Nike

As ações da companhia para diminuir rapidamente os estoques incluíram uma onda de promoções nos preços dos produtos. 

“Decidimos pegar esse estoque e liquidá-lo de forma mais agressiva para que possamos colocar o estoque mais novo e melhor na frente do consumidor nos locais certos”, disse o CFO da Nike, Matthew Friend.

Porém, apesar de ter solucionado, em partes, a questão dos estoques gigantescos, as medidas impactaram diretamente o lucro da companhia no trimestre, e devem continuar pressionando as margens neste ano.

Entre junho e agosto deste ano, a varejista registrou um lucro líquido de US$ 1,5 bilhão, o que representa uma queda de 22% na comparação com o mesmo intervalo de 2021.

Já o lucro líquido por ação foi de US$ 0,93, acima do consenso de US$ 0,92 dos analistas consultados pela Refinitiv, mas ainda 20% menor que os US$ 1,16 reportados no mesmo período do ano passado.

Ao mesmo tempo, as despesas administrativas e de vendas aumentaram 10%, para US$ 3,9 bilhões, enquanto os custos das vendas subiram 8%, a US$ 7,07 bilhões.

Esse combinado fez com que, entre junho e agosto de 2022, a margem bruta caísse 220 pontos-base (2,2 pp) na comparação ano a ano, para 44,3%.

Outros indicadores do balanço

Apesar da queda no lucro líquido e aumento dos custos, a Nike encerrou o trimestre com uma receita acima do esperado.

A receita total da companhia chegou a US$ 12,68 bilhões, superando a projeção de US$ 12,31 bilhões dos analistas e com avanço de 4% na comparação anual. 

A Nike está transformando sua estratégia de vendas há algum tempo. A empresa quer diminuir a quantidade de produtos vendidos por parceiros para impulsionar as vendas diretas aos clientes.

As vendas diretas da varejista cresceram 8% na base anual, para US$ 5,1 bilhões, enquanto as vendas da marca digital cresceram 16%. Já as vendas do negócio de atacado da Nike subiram apenas 1% entre junho e agosto.

Vale destacar que as vendas totais na China, um dos principais mercados da Nike, caíram 16% em relação ao mesmo período de 2021, para cerca de US$ 1,7 bilhão.

Isso porque a gigante dos tênis teve que paralisar seus negócios na região devido aos bloqueios causados pela covid-19.

Já as vendas totais na América do Norte, que é o maior mercado da varejista, aumentaram 13%, para US$ 5,5 bilhões no primeiro trimestre fiscal.

O que isso significa para a Centauro (SBFG3)?

Apesar das projeções mais desafiadoras da Nike, o balanço trimestral não assustou os analistas — nem em relação à própria gigante dos tênis e nem quanto ao operador da marca no Brasil, o Grupo SBF (SBFG3), dono da Centauro.

O Itaú BBA está otimista com as ações SBFG3 e fixou um preço-alvo de R$ 35 para os papéis até o fim de 2022.

Isso implica num potencial de alta de quase 80% em relação ao fechamento de SBFG3 no último pregão, de R$ 19,50.

A casa de análise afirma que o crescimento das operações da Nike na Ásia-Pacífico e América Latina ajuda a visão construtiva para a Fisia, subsidiária do SBF/Centauro encarregada da distribuição da Nike no Brasil.

Apesar do aumento dos custos logísticos, que pode afetar a lucratividade do SBF, os analistas acreditam que a melhoria gradual contínua na cadeia de suprimentos da Nike “deve desempenhar um papel fundamental na sustentação do forte impulso de vendas da Fisia daqui para frente”. 

*Com informações de CNBC e Reuters

Compartilhe

O boi Subiu no telhado?

Sinal vermelho para a Minerva (BEEF3): autoridade uruguaia barra compra de plantas de abate da Marfrig (MRFG3) no país

21 de maio de 2024 - 18:38

O negócio faz parte de uma transação de R$ 7,5 bilhões anunciada em agosto do ano passado; Minerva deve recorrer da decisão

LUCHA LIBRE DAS FINTECHS

Como o Mercado Livre (MELI34) pretende enfrentar o Nubank em disputa pelo mercado do México

21 de maio de 2024 - 17:26

O Mercado Pago está em busca de uma licença bancária para se estabelecer como “o maior banco digital do México”, em uma briga direta com o Nu

FICOU BARATA?

Ação da Suzano não para de cair na B3 — e esse bancão vê dois futuros possíveis para SUZB3. É hora de abocanhar os papéis?

21 de maio de 2024 - 12:28

O BTG Pactual acredita que a intensa desvalorização recente abriu uma oportunidade de se tornar sócio da companhia a preços muito baixos — mas há riscos no radar

NADANDO COM TUBARÕES

Adeus, Shark Tank? Justiça acata recuperação judicial da Polishop, de João Appolinário

21 de maio de 2024 - 12:16

Em meio a cobranças e ações de despejo, recuperação judicial protege a Polishop de seus credores por 180 dias

TENTATIVA DE RECUPERAÇÃO

Unigel obtém acordo com credores para reestruturar dívida de mais de R$ 4 bilhões

21 de maio de 2024 - 9:40

A empresa de químicos começou a romper compromissos com alguns credores em setembro de 2023, antes de entrar com a proposta de recuperação

REPORTAGEM ESPECIAL

Pão de Açúcar (PCAR3) volta às origens e tenta se reinventar após “desmanche” no fim da era Casino

21 de maio de 2024 - 6:19

Situação do Pão de Açúcar pode mudar à medida que a atual administração consiga trazer a operação de volta à rentabilidade; saiba o que esperar das ações da rede de supermercados

AVAL DOS MUNICÍPIOS

Sinal verde para privatização: Municípios de SP aprovam “último passo” para desestatizar a Sabesp (SBSP3)

20 de maio de 2024 - 18:47

No passo final do processo de desestatização, centenas de prefeitos de São Paulo assinaram um contrato unificado com a companhia de saneamento

DE OLHO NAS REDES

Interferência na Petrobras ainda vai longe? Os planos de Lula para a empresa não agradam nem um pouco o mercado — e agora? 

20 de maio de 2024 - 18:11

Os ruídos dentro na Petrobras (PETR4) não são de agora e a principal preocupação do investidor de PETR4 é a influência do presidente Luiz Inácio Lula da Silva na estatal.  Enquanto o governo quer que a estatal faça cada vez mais investimentos, o mercado enxerga que isso pode ser um perigo, dado o risco de […]

ENTENDA O IMBRÓGLIO

Vibra (VBBR3) compra seu edifício-sede no Rio, mas transação causa impasse para investidores de CRI e fundos imobiliários

20 de maio de 2024 - 17:02

Não se trata de um calote como os vistos no mercado de CRI no ano passado, mas sim de uma situação muito mais complexa do ponto de vista jurídico

MAIOR CAUTELA

Fusão entre Petz (PETZ3) e Cobasi anima analistas — mas esse bancão ainda vê potencial de alta limitado para ações

20 de maio de 2024 - 16:02

Bank of America elevou o preço-alvo dos papéis da Petz nesta segunda-feira (20), mas manteve recomendação neutra; entenda

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar