O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2022-02-04T14:17:34-03:00
Renan Sousa
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo e SpaceMoney. Twitter: @RenanSSousa1
NOVÍSSIMO MERCADO

B3 vai lançar futuros de bitcoin (BTC) e ethereum (ETH) em 2022. Vale a pena investir? Especialistas respondem

Com a entrada dos contratos futuros em bitcoin e ethereum, a B3 se alia à Chicago Mercantile Exchange (CME), referência no mercado futuro para as criptos

2 de fevereiro de 2022
4:55 - atualizado às 14:17
B3
O investidor pessoa física pode entrar no mercado de contratos futuros, mas vale a pena? Imagem: Divulgação/B3

A bolsa brasileira já havia surpreendido os investidores ao tornar o Brasil um dos primeiros países do mundo a ter um fundo de índice (ETF, em inglês)  de criptomoedas. Agora, a B3 (B3SA3) planeja lançar um mercado de futuros de bitcoin (BTC) e ethereum (ETH) ainda neste ano.

O plano da operadora da bolsa brasileira é fazer uma plataforma de custódia e liquidação para bitcoin, ethereum e outras criptomoedas. O anúncio foi feito pelo diretor da B3, Jochen Mielke, responsável pelo desenvolvimento de sistemas de trading da empresa, em entrevista ao Valor Econômico. 

O plano de Mielke é entrar nesse mercado "ainda nos próximos meses”.

Vale a pena comprar contratos futuros de bitcoin?

Os contratos futuros darão mais uma opção para os investidores brasileiros entrarem no mercado de criptomoedas.

Assim como a diversificação dos ativos na sua carteira ou o mercado de opções, os contratos futuros também funcionam como uma alternativa para proteção (hedge) dos seus investimentos. 

Entretanto, André Franco, analista de criptomoedas e chefe de research do Mercado Bitcoin, afirma que é melhor deixar esse tipo de ativo para o investidor institucional. 

“Já existem bons ativos para o investidor pessoa física, como o mercado de ETFs, para quem não quer investir em bitcoin à vista”, comenta. Ainda existe o fator financeiro dos contratos futuros. 

Quando um desses contratos futuros está prestes a vencer, o investidor precisa comprar um novo papel com uma nova data mais distante — caso, é claro, ele não queira se desfazer de sua posição.

A diferença entre esses dois contratos é chamada de rolagem (ou rollout), que pode consumir de 7% a 10% do investimento por ano.

Outro ponto relevante é que os futuros podem se descolar consideravelmente do preço do ativo spot, sobretudo na falta de liquidez em algum mercado, como afirma Alexandre Ludolf, diretor de investimentos da QR Asset Management.

“Caso esse descolamento ocorra perto da data de rolagem dos futuros, o investidor não tem muita alternativa a não ser rolar os contratos, isto é, vender o contrato curto e comprar o contrato com vencimento mais longo.”

Alexandre Ludolf, diretor de investimentos da QR Asset Management.

A QR também é responsável por dois ETFs monoativos em bitcoin e ethereum, o QBTC11 e o QETH11, respectivamente.

Ponto positivo para o mercado cripto

Para além disso, Ricardo Assaf, CEO da Unblock Capital, vê com bons olhos a entrada da bolsa brasileira no mercado de contratos futuros. 

“É uma institucionalização das criptomoedas. Deixou de ser uma coisa de entusiastas, meio obscura, para estar nas grandes bolsas do mundo”, comenta. “Muita gente pode pensar que cripto tem que ser uma coisa raiz, distante das instituições, mas na verdade elas estimulam a adoção das criptomoedas”.

Com a entrada dos contratos futuros em bitcoin e ethereum, a bolsa brasileira se alia à Chicago Mercantile Exchange (CME), referência no mercado futuro para as criptomoedas.

Até o momento, a CME também negocia contratos futuros apenas em bitcoin e ethereum, as duas maiores criptomoedas do mundo.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

BALANÇO

Magazine Luiza (MGLU3) deixa lucro para trás e registra prejuízo líquido de R$ 161,3 milhões no primeiro trimestre; confira o que derrubou o Magalu

Última das grandes varejistas da B3 a divulgar os resultados do primeiro trimestre, o Magazine Luiza (MGLU3) reforçou nesta segunda-feira (16) como o cenário macroecônimo atrapalha a vida das gigantes do comércio físico e eletrônico. A companhia registrou prejuízo líquido de R$ 161,3 milhões entre janeiro e março, contra lucro de R$ 258,6 milhões no […]

Reino Unido ameaça revisão em termos do Brexit e alimenta temores de guerra comercial; fique por dentro da visita de Boris Johnson à Irlanda do Norte

Divergências entre diferentes unionistas e nacionalistas na Irlanda do Norte pode acabar afetando relação entre Reino Unido e União Europeia

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Ibovespa na contramão de NY, Gol troca comandante e Tesla em apuros; confira os destaques do dia

Mesmo com o dia ruim em NY, o Ibovespa conseguiu ter um dia de ganhos

BALANÇO

De mudança para os EUA, Inter (BIDI11) lucra R$ 27,5 milhões no primeiro trimestre; confira os destaques do banco digital

O Inter também ultrapassou a marca dos 18 milhões de clientes entre janeiro e março, alta de 82% na comparação com o mesmo período de 2021

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies