2022-02-09T15:59:24-03:00
Renan Sousa
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo e SpaceMoney. Twitter: @RenanSSousa1
QUEM DÁ MAIS

Bitcoin (BTC) em análise: dois estudos apontam para diferentes direções para o futuro do preço da maior criptomoeda do mundo. Mas quem estará certo? Especialista comenta

Enquanto uma delas acredita que o bitcoin pode chegar até os US$ 200 mil dólares, a outra prevê que a maior criptomoeda do mundo deve voltar aos US$ 38 mil

9 de fevereiro de 2022
15:59
Uma casa de análise e um banco previram o preço do bitcoin (BTC) e de outras criptomoedas. Confira. Imagem: Shutterstock

A clarividência é um dom ainda incerto de alguns grupos humanos. Será sorte, preparo ou o poder de prever o futuro? O que se sabe é que existe 50% de chance da previsão dar certo e, no caso dessas duas projeções de preço para o bitcoin (BTC), pelo menos uma delas sairá como a grande perdedora da vez. 

Brincadeiras com o futuro à parte, dois estudos sobre o mercado de criptomoedas chamam a atenção nesta quarta-feira (09) pelo contraste direto das previsões.

Enquanto uma delas acredita que o bitcoin pode chegar até os US$ 200 mil, a outra prevê que a maior criptomoeda do mundo deve voltar aos US$ 38 mil. 

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente

Bitcoin: para cima ou para baixo?

Desde as máximas históricas, o BTC já perdeu cerca de 35,70% do valor, sendo negociado na casa dos US$ 44 mil.

Essa alta volatilidade, tradicional do mercado de criptomoedas, deve aumentar a intensidade do “longo inverno”, período de baixa do mercado cripto, segundo o JP Morgan. 

A análise da instituição financeira leva em conta a alta volatilidade do ativo em relação ao seu valor de mercado.

Dessa forma, a previsão de preço para o segundo semestre deste ano foi cortada em cerca de 75%: o JP Morgan agora vê o bitcoin a US$ 38 mil, contra a estimativa anterior de US$ 150 mil. Isso representa uma queda de 12% em relação à cotação atual.

BTC: na contramão

Por outro lado, segundo um relatório da divisão Fsinsight da empresa de research Fundstrat, a previsão é de dobrar a aposta para o final de 2022. 

Enquanto alguns analistas previam uma alta do bitcoin que poderia elevar a maior criptomoeda do mundo ao patamar de US$ 100 mil, a Fsinsight acredita que o BTC pode chegar aos US$ 200 mil — o que representa uma alta de 500% aproximadamente, na cotação atual. 

Já o ethereum (ETH) teria uma alta menor, de “apenas” 400%, o que levaria a segunda maior criptomoeda do mundo ao patamar de US$ 12 mil

Tanto a Fsinsight quanto a Fundstrat estão otimistas com o potencial positivo das criptomoedas. O chefe de pesquisa da Fundstrat Global Advisors ainda insistiu que o bitcoin tem “crescimento exponencial à frente” recentemente.

A nota destaca que a entrada de investidores institucionais contribuiu para o crescimento do mercado no ano passado. Entretanto, ainda existe espaço para mais investimento em ativos digitais.

Por fim, a casa ainda destaca que o Federal Reserve pode acabar com essa festa, mas faz uma ressalva. “Toda classe de ativos pode sofrer uma reviravolta e cair 50% se o Fed acelerar a alta de juros para 4% amanhã ou no próximo mês”, comentou o estrategista sênior da Fsinsight, Sean Farrell. 

“Mas se as coisas permanecerem como estão agora, o lado altista do bitcoin e do ethereum ainda é muito maior do que o lado baixista”.

Uma lupa na criptomoeda

Prever o preço do bitcoin é uma tarefa difícil por uma série de fatores. Em primeiro lugar, porque não existe um “preço justo” para uma criptomoeda, tendo em vista que o valor se forma conforme sua utilização em rede. 

Além disso, o BTC tem pouco mais de 13 anos, e o que chamamos de mercado de ativos digitais é muito mais recente do que isso. Dessa forma, existe um pouco espaço de tempo para analisar um histórico do que aconteceu e menos acontecimentos para ajudar a prever o que pode acontecer.

Somado a isso, é um mercado altamente volátil e qualquer notícia pode fazer uma criptomoeda disparar ou derreter.

“Não existe uma métrica óbvia do bitcoin, mas ele pode crescer exponencialmente. Entre US$ 38 mil e US$ 200 mil, eu compro a tese de US$ 200 mil”, afirma André Franco, especialista em criptomoedas e head de research do Mercado Bitcoin.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

NOVO MODELO DE NEGÓCIOS

Varejo adota ‘loja-contêiner’ para fugir dos custos de shoppings e aluguéis; conheça o que são os estabelecimentos modulares

A estreante no formato é a Chilli Beans, de óculos de sol. “Acho que não teria uma Eco Chilli se não houvesse pandemia”, afirma o CEO, Caito Maia

NÃO MEXE NO MEU QUEIJO

Membros do mercado financeiro defendem Lei das Estatais em documento enviado ao ao Congresso; revogação seria ‘retrocesso’

O texto também cita o relatório de 2020 em que a OCDE afirma que a Lei das Estatais deixou os conselhos de empresas públicas mais independentes de interferências

NESTA SEGUNDA-FEIRA

Governador de São Paulo fará coletiva nesta segunda-feira após Bolsonaro aprovar isenção do ICMS sem garantia de compensação aos estados

O presidente da República vetou o fundo de ajuda aos estados após sancionar o teto do imposto estadual

SEU DOMINGO EM CRIPTO

‘Compre na baixa’ anima e bitcoin (BTC) busca os US$ 22 mil; criptomoedas aguardam semana de olho no Fed

Entre os destaques da próxima semana estão o avanço dos juros nos Estados Unidos e um possível default da Rússia

DE OLHO NO FUTURO

Goldman Sachs quer entrar no mundo da ‘renda fixa’ em criptomoedas e lidera grupo para comprar a Celsius por US$ 2 bilhões

O staking vem crescendo nos últimos meses e é motivo de certa preocupação após o caso da Celsius — e o banco de Wall Street quer um pedaço dele