Menu
2020-10-20T15:22:44-03:00
Estadão Conteúdo
Leilão do 5G

Embaixada da China do Brasil sai em defesa da Huawei em meio à pressão americana

Mais cedo, a delegação de autoridades americanas que visitam Brasília afirmou que os Estados Unidos estão dispostos a financiar investimentos no setor de telecomunicações brasileiro para evitar a participação da empresa chinesa no leilão

20 de outubro de 2020
15:22
Tecnologia 5G
Imagem: Shutterstock

Em meio às discussões sobre o leilão do 5G no Brasil, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, saiu em defesa da Huawei nesta terça-feira, 20, por meio do perfil nas redes sociais da Embaixada do país no Brasil. Mais cedo, a delegação de autoridades americanas que visitam Brasília afirmou que os Estados Unidos estão dispostos a financiar investimentos no setor de telecomunicações brasileiro para evitar a participação da empresa chinesa com a justificativa de proteção de dados, conforme noticiou o Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado.

"A Huawei disse que gostaria de assinar um acordo de 'proibição de backdoors' com todos os países", disse o porta-voz ao defender a empresa chinesa. A fala acontece após o conselheiro de Segurança dos Estados Unidos, Robert OBrien, que lidera a delegação da visita ao Brasil, afirmar ontem que o uso da tecnologia 5G da Huawei poderia representar riscos para a segurança de dados no País.

"Se vocês terminarem com a Huawei na sua rede 5G, haverá 'backdoors' e a capacidade de decifrar quase todos os dados que são gerados em qualquer lugar do Brasil, seja pelo governo, na frente de segurança nacional, seja por empresas privadas em suas habilidades de inovar e desenvolver novos produtos", disse O'Brien, segundo apurou o Broadcast.

Zhao Lijian inverteu as acusações de espionagem, afirmando que os EUA "têm realizado escutas cibernéticas e vigilância", em resposta às recentes declarações dos americanos. "Acho que a razão pela qual os EUA suprimem a HW Huawei é que, caso outros países usem equipamentos HW, os EUA não poderão mais tocar em outras pessoas através de backdoors", diz ainda o texto publicado.

Na série de postagens, Zhao Lijian criticou o plano "Clean Network ("Rede Limpa") promovido pelos EUA para limitar a participação da tecnologia. As postagens chamam a iniciativa de "Rede Suja", afirmando se tratar "rede de monopólio que "promove uma Guerra Fria nos domínios de ciência e tecnologia e discriminação contra determinados países".

Nesse contexto de pressão americana para impedir a participação da empresa de tecnologia no leilão brasileiro, Zhao Lijian afirmou, ainda por meio das publicações da Embaixada, que "a maioria dos países permanecerá independente, tomará suas próprias decisões, dirá não à 'Rede Suja' dos EUA e promoverá um ambiente de negócios justo, aberto e não discriminatório para empresas de tecnologia #5G em todo o mundo".

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Entrevista

‘Desemprego alto e déficit público nos deixam cautelosos’, diz presidente da Whirlpool

CEO da fabricante das marcas Consul e Brastemp diz estar cauteloso para investir em produção e em relação à sustentabilidade da demanda, por conta de desemprego e da situação fiscal

Mercadores da noite

Bolsa, dólar e juros subindo: qual dos três está mentindo?

Quando a Bolsa, o dólar e as taxas de juros estão subindo ao mesmo tempo, um dos três está mentindo – qual deles será e o que fazer?

Infraestrutura

Novo marco legal para ferrovias vai a votação no Senado na próxima semana

Legislação promete organizar regras do setor e permitir novos formatos para a atração de investimentos privados

Telecomunicações

Operadoras cobram transparência do governo na definição da tecnologia 5G

Teles se dizem preocupadas com as “incertezas” relativas ao processo, depois de governo sinalizar banimento da chinesa Huawei

Recorde

Estrangeiros põem R$ 30 bilhões na bolsa brasileira em novembro

Trata-se de recorde de entrada de recursos estrangeiros em um mês, impulsionado pela migração de recursos para bolsas emergentes; movimento por aqui, porém, pode ser passageiro

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies