Menu
2020-08-03T18:07:42-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
No país do juro baixo

BTG, XP ou B3? Goldman Sachs aponta ação favorita para surfar crescimento do mercado de capitais

As três empresas estão entre as vencedoras do processo de desenvolvimento do mercado de investimentos no país. Mas a ação favorita dos analistas do banco norte-americano é a do BTG. Saiba por quê

3 de agosto de 2020
14:19 - atualizado às 18:07
B3
Sede da B3, localizada no centro da capital paulista. - Imagem: Shutterstock

A queda dos juros para a mínima histórica de 2,25% deve continuar estimulando o mercado de capitais brasileiro, com a migração de recursos de investidores da renda fixa para a bolsa e aplicações mais sofisticadas. Mas quais ações devem se beneficiar mais dessa tendência?

Para o Goldman Sachs, tanto a B3, dona da bolsa brasileira, como a XP Investimentos e o BTG Pactual estão entre as vencedoras e devem continuar ganhando mercado.

Mas a ação favorita dos analistas do banco norte-americano é a do BTG (BPAC11), cuja recomendação foi elevada de neutra para compra.

Na avaliação do Goldman, o BTG conta com uma melhor relação entre risco e retorno em comparação com a avaliação “premium” da XP, que teve a indicação mantida em neutra.

“A B3 também deve se beneficiar dessa tendência, mas acreditamos que a avaliação atual da empresa limita o potencial de novas altas”, escreveram os analistas, que decidiram reduzir a recomendação para os papéis da dona da bolsa de compra para neutra.

No pregão desta segunda feira, as units do BTG fecharam em alta de 3,85%, a R$ 89,75 e as ações da B3 subiram 0,71%, para R$ 63,89. Os papéis da XP, que são listados na bolsa norte-americana Nasdaq, subiram 1,29%, para US$ 47,10.

XP x BTG

Em relatório para clientes, os analistas do Goldman Sachs estabelecem uma comparação entre XP Investimentos e BTG Pactual. A corretora leva vantagem na projeção de crescimento dos ativos (31% a 24% até 2022) e do lucro, mas os analistas entendem que esse avanço já está refletido na cotação atual das ações.

Embora cresça menos, o BTG deve registrar um melhor resultado em eficiência e margens maiores, segundo os analistas. Além disso, a XP conta hoje com comissões em níveis mais altos, o que pode representar tanto um risco de queda para a corretora como de alta para o BTG.

B3 avaliada à perfeição

No caso da B3, os analistas do Goldman Sachs decidiram reduzir a recomendação basicamente porque entendem que as ações estão caras. “Acreditamos que a B3 está avaliada à perfeição.”

Ou seja, embora acreditem que a bolsa tende a ganhar com o atual cenário de juros baixos e migração dos investimentos para a renda variável, as cotações atuais das ações já refletem essa visão positiva. Nas contas do banco, os papéis da B3 são negociados hoje a 30 vezes o lucro projetado para 2021.

Os analistas também apontam a expectativa de que o volume negociado na bolsa desacelere nos próximos meses, uma vez que os patamares atuais foram alcançados em meio à volatilidade provocada pela crise do coronavírus.

Recomendações do Goldman Sachs:

BTG Pactual (BPAC11):

  • Recomendação: elevada de neutra para compra
  • Preço-alvo: R$ 110,00

XP Investimentos (XP - negociada na Nasdaq):

  • Recomendação: mantida em neutra
  • Preço-alvo: US$ 46,00

B3 (B3SA3):

  • Recomendação: reduzida de compra para neutra
  • Preço-alvo: R$ 62,00
Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

As ações das novas petroleiras valem a pena?

Nos recentes movimentos de rotação de carteiras nos mercados, temos nos deparado com a dicotomia Velha Economia (empresas de segmentos tradicionais) e Nova Economia (empresas ligadas à tecnologia e novas formas de consumo). Dentro do que se convencionou chamar de Velha Economia, temos visto o destaque das empresas de commodities, justamente o forte do Brasil. […]

Problemas no paraíso

Cesp, Engie, AES Brasil e mais: seca reduz brilho de ações do setor de geração hídrica

Com menos água, as empresas geram menos em hidrelétricas, mas não ficam livres de cumprir os contratos de fornecimento de energia

Jabuti do bem?

MP da Eletrobras: contratação de térmicas a gás pode diminuir conta de luz, diz estudo da Abegás

A medida vem sendo criticada pela maioria das elétricas, que alegam que ela vai na contramão da modernização e competitividade do setor

Viagem bilionária

Bilhete dourado: comprador misterioso gasta R$ 1,4 bilhão para ir ao espaço com Jeff Bezos

O turista espacial superou cerca de sete mil ofertas em um leilão beneficente realizado para definir o tripulante da espaçonave New Shepard

Fechamento dos mercados

Vacinação no Brasil volta a fazer preço, e Ibovespa sobe 0,59%, deixando para trás cautela com ‘Super Quarta’; dólar recua mais de 1%

Mercado deve operar em compasso de espera até a próxima quarta-feira, quando os BCs do Brasil e dos Estados Unidos divulgarão as suas decisões de política monetária

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies