Menu
Nicholas Sacchi
Crypto News
Nicholas Sacchi
2019-07-05T16:44:24-03:00
UM TEMA PARA FICAR DE OLHO

Finanças descentralizadas: Entenda como a tecnologia das criptomoedas pode viabilizar empréstimos sem intermediários

A indústria do blockchain quer jantar a das finanças. De preferência, com direito à cadeia de suprimentos, de seguros, de contabilidade e de auditoria de sobremesa

5 de julho de 2019
5:05 - atualizado às 16:44
A exchange Binance, corretora de criptomoedas
A exchange Binance, corretora de criptomoedas - Imagem: Shutterstock

Nos últimos anos, novos casos de uso foram criados para os criptoativos. Confesso que algumas das inovações que vou citar aqui me emocionaram de tanta elegância envolvida. Espero que você, assim como eu, seja um geek e que eu consiga transmitir essa mesma sensação a você (tá legal, admito que isso é pouco provável).

O tema gira em torno de um novo conceito surgido após a criação dos criptoativos, denominado Open Finance (finanças abertas, em tradução livre). Junto com o termo foi criada até uma siglazinha simpática, a DeFi, que se refere à Decentralized Finance (finanças descentralizadas, também em tradução livre).

Escolha o que preferir, são todos termos que se referem a uma ampla gama de novas aplicações criadas com os contratos inteligentes. Caso não se recorde (ou não saiba), os contratos inteligentes são códigos de computador que ditam as regras de como determinado programa deve rodar em um blockchain.

De maneira bastante simplificada, podemos comparar os contratos inteligentes às vending machines, que vendem refrigerante por aí. Imagine que, em vez de receber em reais, na forma de notas ou cartão, a máquina receba em bitcoin. Ela tem a instrução de só liberar o refrigerante assim que identificar o pagamento, certo? O contrato inteligente seria o programa responsável por fazer essa ponte.

E nem adianta tentar dar aquele clássico chacoalhão na máquina. A regra é clara: sem bitcoin, sem refrigerante. A parada é feita para funcionar de maneira imparcial e automatizada.

Acontece que as coisas podem ficar bem mais sofisticadas do que isso. A ideia por trás da DeFi é recriar todo o sistema financeiro vigente e, inclusive, ir além de suas fronteiras. Com o detalhe de empacotar tudo dentro do blockchain e usar os contratos inteligentes para automatizar boa parte dos processos (quando não todos).

A indústria do blockchain quer jantar a das finanças. De preferência, com direito à cadeia de suprimentos, de seguros, de contabilidade e de auditoria de sobremesa. Não é à toa que as maiores empresas do mundo não estão medindo esforços para contratarem profissionais da área, mas isso é assunto para outra hora.

Pelo fato de ser uma infraestrutura pública, as finanças descentralizadas permitirão a criação de uma nova gama de empresas que oferecem os mais diferentes tipos de serviços, boa parte deles apoiada nos principais protocolos, como Bitcoin e Ethereum, e com uma enorme vantagem: elas já nascem num ecossistema financeiro global e sem fronteiras.

A DeFi possibilita trazer unidades de valor, como ações, títulos públicos, imóveis e câmbio para um ambiente muito mais aberto, acessível e eficiente. Mas isso não é tudo. Com a DeFi, é possível ter acesso a sistemas de empréstimos descentralizados sem intermediários, que por si só já criam uma ampla camada de novas aplicações.

Então, se você é desses que é apaixonado por inovação, a DeFi é sem sombra de dúvida um tema de que você precisa estar por dentro.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

termômetro

Tesla, Robinhood e GM: as apostas do bilionário Jorge Paulo Lemann

Empresário brasileiro respondeu quais seriam os investimentos de curto e longo prazo, em uma espécie de termômetro sobre a confiança em torno do negócio

escolha da CEO

Criptomeme bilionário, $moda$ de Hering e Arezzo, aposta contra o BC… veja o que bombou na semana no Seu Dinheiro

Você apostaria contra o Banco Central do Brasil?  Não falo de apostas mequetrefes com a turma do escritório, do tipo “quem perder paga uma rodada”.  Estou falando de colocar o seu patrimônio em investimentos que podem dar retornos altos se o BC estiver errado. Pois é justamente o que defende Rogério Xavier, da SPX Capital, um […]

empresa de porto alegre

Startup Zenvia entra com pedido de IPO na Nasdaq

Empresa quer levantar até US$ 100 milhões; oferta terá seus recursos destinados para pagar o montante utilizado na aquisição da startup D1, entre outros

LDO

LDO de 2022 prevê ‘vacinas’ contra manobras do Orçamento

Proposta exclui a possibilidade de indicação das emendas de relator e proíbe o Congresso de subestimar despesas obrigatórias sem aval do Executivo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies