Menu
2019-02-22T17:50:03-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Captação de US$ 15 milhões

Dos tijolos aos bytes, BTG Pactual lança criptoativo com lastro em imóveis

A ideia do banco é proporcionar aos investidores do ReitBZ retorno com a recuperação dos ativos e a venda por um valor superior ao preço de aquisição. Lançamento envolve parceria com os gêmeos Winklevoss, que atuaram na criação do Facebook

22 de fevereiro de 2019
14:32 - atualizado às 17:50
cripto imóveis
Imagem: Shutterstock

Você com certeza já ouviu falar nas criptomoedas, como o bitcoin. Mas e em “criptoimóveis”? O BTG Pactual uniu esses dois mercados tão antagônicos entre si ao lançar o ReitBZ.

Trata-se de um criptoativo que terá lastro em imóveis com problemas, como inadimplência, localizados em São Paulo e no Rio. A ideia é proporcionar aos investidores retorno com a recuperação dos ativos e a venda por um valor superior ao preço de aquisição.

O lançamento inclui ainda uma parceria com os gêmeos Cameron e Tyler Winklevoss, conhecidos por atuarem na criação do Facebook.

A oferta do ReitBZ será a primeira realizada por um banco de investimento com o uso da tecnologia blockchain, a mesma que viabilizou o bitcoin. O objetivo do BTG é captar até US$ 15 milhões.

Mas se você ficou interessado, não adianta procurar o banco ou alguma corretora de criptomoedas porque o criptoativo não estará disponível para investidores brasileiros.

A escolha do banco foi realizar essa primeira operação da forma mais rápida e prática possível, por isso a oferta não será realizada por aqui, segundo me contou André Portilho, sócio do BTG.

“A legislação ainda é cara e demorada, mas conversamos com os reguladores, que estão muito abertos e querendo fomentar inovação, e a ideia é futuramente fazer no Brasil”, afirmou.

Como funciona?

Na superfície, o ReitBZ não é muito diferente de um fundo imobiliário tradicional. O banco optou por realizar a captação com a criação de um criptoativo pela possibilidade de realizar uma oferta global de forma mais eficiente e com menor custo, segundo Portilho.

“Eu não consigo vender um fundo imobiliário para um investidor em Cingapura. Com o blockchain isso é possível”, diz o sócio do BTG.

A tecnologia e a maior eficiência permitiram ainda ao banco reduzir a aplicação mínima para US$ 10 mil. O que amplia o alcance de um investimento mais sofisticado e, pelas formas tradicionais, estaria acessível apenas a investidores com mais dinheiro. A expectativa é de um retorno bem superior ao investimento em imóveis tradicionais, segundo Portilho.

Da mesma forma, a tecnologia permite ao BTG ter um controle sobre quem vai investir nos ativos, em um processo semelhante ao de uma abertura de conta no banco.

Como investir e como receber?

O ReitBZ não é uma moeda virtual, e sim um ativo comparável a um valor mobiliário, como uma ação, só que estruturado no formato de "security token". Tanto o investimento no criptoativo como o pagamento da rentabilidade aos detentores do ReitBZ serão realizados por meio de uma criptomoeda.

É aí que entram os gêmeos Winklevoss. Depois do litígio com Mark Zuckerberg, fundador do Facebook, eles investiram no mundo das criptomoedas e criaram o Gemini dollar. Ao contrário de divisas virtuais como o bitcoin, o Gemini possui lastro no dólar "real". Isso significa que 1 Gemini sempre vale 1 dólar e não está sujeito à volatilidade típica do bitcoin.

"Tanto nós como os Winklevoss temos a visão de que essa tecnologia só tem futuro se for feita de forma regulada, com segurança e compliance", afirma Portilho.

Com o retorno obtido com a venda dos imóveis na carteira, o BTG vai distribuir 50% em dividendos aos detentores do ReitBZ, pagos em Gemini dollar, e a outra metade será reinvestida em novos ativos.

Para quem quiser comprar ou vender o ativo depois da oferta, o BTG fará o papel de formador de mercado do ReitBZ, que será negociado em uma plataforma própria. "Ainda não existe uma bolsa ou plataforma com requerimento pra negociar esse tipo de ativo", diz Portilho.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Tecnologia

Sinqia anuncia aquisição da Itaú Soluções Previdenciárias por R$ 82 milhões

Aquisição será feita com recursos obtidos em oferta de ações no ano passado, pela qual a Sinqia obteve R$ 362 milhões

PRORROGAÇÃO DO BENEFÍCIO

Governo avalia a reformulação do auxílio emergencial de R$ 600, diz Guedes

A ideia é que o benefício seja prorrogado até dezembro, mas o valor das próximas prestações deve ser menor do que os R$ 600.

Nem tão feio

Ações do Iguatemi têm alta forte com balanço melhor que o esperado

Papéis disparam mais de 7% com resultado “não tão ruim”; Credit Suisse está otimistas com ações da empresa

Exile on Wall Street

“O que você faria para o futuro da Maria com até R$ 10 mil?”

Eu pensei em várias formas criativas de responder à sua pergunta. Concluí que, acima da criatividade, deveria vir a honestidade pura e simples.

mercado de trabalho

Setor privado cria 167 mil empregos em julho nos EUA

Número ficou bem abaixo da expectativa de analistas consultados pelo The Wall Street Journal

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements