Menu
2019-08-21T14:38:20-03:00
Naiana Oscar
Naiana Oscar
Naiana Oscar é jornalista freelancer. Formada pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e com MBA em Informação Econômico-Financeira e Mercado de Capitais no Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Foi subeditora de Economia do Estadão. Trabalhou como repórter no Jornal da Tarde, no Estadão e na revista Exame
# 2 mais rico do mundo

Bill Gates viu o futuro, blefou para fechar contratos e ficou bilionário – e decidiu doar quase tudo

Saiba como o fundador da Microsoft acumulou quase US$ 100 bilhões, criou a maior instituição filantrópica da iniciativa privada e também “perdeu” uma guinada tecnológica

11 de agosto de 2019
5:28 - atualizado às 14:38
Bilionário Bill Gates
Imagem: Shutterstock

Numa época em que os escritórios eram equipados com máquina de escrever e mimeógrafos, Bill Gates e Paul Allen enxergaram um futuro em que cada mesa de trabalho e cada casa teriam um microcomputador. Era 1975 e Bill Gates tinha apenas 19 anos. Os dois amigos moravam em Boston. Allen trabalhava e Gates estudava matemática e direito na Universidade de Harvard. Em janeiro daquele ano, Allen foi buscar o amigo na faculdade e o levou até uma banca de revistas.

Apontou para a última edição da Popular Electronics, cuja capa mostrava um computador chamado Altair 8.800, da empresa Micro Instrumentation and Telemetry Systems (MITS). Era um dos primeiros computadores a chegar no mercado que não ocupavam uma sala inteira inteira. Paul Allen olhou para Gates e disse: “Isso está acontecendo sem nós”. “Aquele momento marcou o fim de minha carreira universitária e o início de nossa nova empresa, a Microsoft”, lembrou Bill Gates recentemente.

Foi também o início da construção de um patrimônio bilionário, avaliado em US$ 96,5 bilhões no ranking de 2019 da revista Forbes. Esse número faz de Bill Gates o segundo homem mais rico do mundo, atrás apenas de Jeff Bezos, dono da Amazon.

  • Esta reportagem faz parte da série especial Rota do Bilhão, que conta a trajetória dos 10 homens mais ricos do mundo. Quem são? Como vivem? Como ficaram bilionários? E que lições você pode aprender com eles? Veja todas as histórias neste link.

Os dois decidiram ali que seriam os primeiros a escrever programas para o Altair 8.800, em linguagem de programação Basic, um método desenvolvido por professores americanos para não especialistas em informática e que Gates dominava - ele sabia programar desde os 13 e já tinha até hackeado o computador da escola. Allen e Gates ligaram para o dono da MITS e disseram que tinham programas prontos para rodar naquele microcomputador - o que não era verdade, ainda. Fizeram tudo em um simulador, sem nunca terem visto o Altair. Quando foram apresentar seus produtos, o código trabalhou perfeitamente na máquina da MITS - para surpresa de todos, inclusive de Gates.

Embora esse programa tenha marcado o início da Microsoft, não foi ele que fez a fortuna de seu fundador. Mas, sim, a mudança de paradigma que Bill Gates trouxe para o mercado. Naquela época, programar era uma atividade vista como hobby. O grande negócio estava em produzir as máquinas. Mas Gates enxergou que os programas também eram produtos, assim como os computadores. E se são produtos, copiar sem pagar por eles poderia ser considerado roubo.

  • Veja abaixo algumas fotos que Bill Gates postou dele e Allen no início da carreira, em uma homenagem feita quando Allen morreu, em em 2018.

Blefe histórico

Nos anos 80, a IBM, que já era líder do mercado de grandes computadores, decidiu produzir máquinas menores, os PCs. Mas faltava o sistema operacional. Em um dos maiores blefes do mundo corporativo, Gates disse que tinha o programa, assinou o contrato e assumiu um prazo de entrega que não conseguiria cumprir. Pegou um avião e, em vez de desenvolver o software para a IBM, foi até um programador e comprou um sistema pronto. Fez alguns ajustes e deu o nome de MS-DOS - que se tornou o programa mais importante da história da Microsoft.

“A IBM decidiu franquear a qualquer empresa a cópia de suas máquinas. Mas o programa que fazia as máquinas funcionarem tinha um único dono: a Microsoft”, escreveu o jornalista Pedro Dória, especializado em tecnologia. O DOS permitiu que consumidores do mundo inteiro pudessem ter dentro de casa um computador capaz de realizar as mesmas tarefas das grandes máquinas da época. Mais tarde, foi a base para o Windows e o Office. E colocou Bill Gates na lista dos homens mais ricos do mundo, da revista Forbes, já na década de 1980.

As circunstâncias e um pouquinho de sorte também o ajudaram . Filho de uma família de classe alta, Gates teve acesso a educação privada e pode se aventurar no universo da programação quando a quase totalidade de sua geração nem tinha computadores. O contrato decisivo com a IBM, por exemplo, também teve um empurrãozinho importante. A mãe de Gates, professora universitária, com passagem pelo conselho de administração de instituições financeiras, conhecia o presidente da gigante dos computadores na época.

Em 1995, nove anos depois da abertura de capital da Microsoft, Bill Gates assumiu pela primeira vez o topo do ranking dos bilionários, destronando o empreendedor imobiliário japonês Yoshiaki Tsutsumi. Das 31 edições da lista publicada pela Forbes, Gates esteve na liderança em 18 delas. Ninguém, nem de longe, conseguiu essa proeza. Em 1999, no auge da internet, seu patrimônio líquido ultrapassou os US$ 100 bilhões, ou cerca de US$ 150 bilhões, em valores corrigidos pela inflação.

No ano passado, Gates foi desbancado por Jeff Bezos, fundador da Amazon, e ocupa o segundo lugar no ranking de 2019, com um patrimônio de US$ 99 bilhões. Nos dias em que seus investimentos têm um bom desempenho ele retorna para a casa dos 12 dígitos, como aconteceu em abril deste ano.

Sócio de Warren Buffett e de hotéis de luxo

O patrimônio de Bill Gates já é bem diversificado. Ele detém apenas 1,3% da Microsoft e, com essa fatia, a empresa que criou responde por 12% de sua fortuna. A maioria de seus investimentos hoje está na empresa Cascade, uma holding criada a partir da venda de ações da Microsoft e de dividendos, e que hoje aplica em diversos segmentos.

O responsável por deixar Bill Gates cada vez mais rico, há 20 anos, é o discreto Michael Larson, diretor da Cascade. Na carteira administrada por ele, há empresas de biotecnologia, transporte, energia e algumas de entretenimento, além da rede de hotéis de luxo Four Seasons e uma participação na Berkshire Hathaway, o conglomerado fundado pelo amigo e bilionário Warren Buffett.

US$ 10 milhões para os herdeiros

Agora está na moda que os ricaços doem seu dinheiro - Mark Zuckerberg e Mackenzie Bezos, por exemplo, aderiram recentemente. Mas ninguém colocou esse discurso em prática como Bill Gates, que levou a filantropia a outro patamar.

Em 2010, Gates e Buffett fundaram juntos o The Giving Pledge, uma organização filantrópica que incentiva bilionários a doar ao menos metade de suas fortunas para causas sociais. Gates já doou mais de US$ 35 bilhões para a caridade, em grande parte para a Fundação Bill e Melinda Gates – a maior fundação de filantropia privada do mundo -, que ele preside com sua esposa. Seus três filhos, vão herdar “apenas” US$ 10 milhões cada um.

Melinda Gates, esposa da Bill Gates
Melinda Gates, esposa da Bill Gates - Imagem: Shutterstock

Desde 2008, quando se “aposentou”, deixando a presidência executiva da Microsoft, Gates se dedica quase integralmente à Fundação. Já financiou a criação de biscoitos nutritivos para o mundo subdesenvolvido. Investiu bilhões em pesquisas para erradicar a poliomielite no Paquistão. Há pouco tempo, lançou uma privada inteligente, que não precisa de água nem de rede de esgoto. Ele prega agora o “capitalismo criativo”, que tem como um de seus objetivos beneficiar os mais pobres e reduzir a desigualdade no mundo.

Mas Bill Gates já foi um típico capitalista selvagem. Steve Jobs, da Apple, disse certa vez que o problema do rival era que ele “queria ficar com 5 centavos de cada dólar que passasse pelas suas mãos”. Monopolista, a Microsoft foi acusada por concorrentes e agências reguladoras de ter se aproveitado de sua condição para dominar o mercado adotando práticas ilegais. A empresa enfrentou uma batalha jurídica com o Departamento de Justiça dos EUA que durou mais de uma década e terminou em 2002 com um acordo.

O futuro que Gates não viu

No mercado de tecnologia, a inovação é tão rápida que é difícil se manter no topo por muito tempo. Uma das críticas à Microsoft é que a empresa ficou presa ao desktop, enquanto a concorrência – Apple e o Google – já estavam trabalhando em seus smartphones e tablets. A empresa perdeu também outras duas grandes mudanças tecnológicas: a dos motores de busca e das redes sociais. “Em vez de responder ao fenômeno da internet, Bill Gates quis proteger o Windows”, diz Brad Silverberg, ex-executivo da Microsoft.

Mas, mesmo os que apontam os deslizes da trajetória de Gates, concordam que ele teve uma tremenda habilidade na condução da Microsoft, por entender ao mesmo tempo de negócios e da engenharia necessária para a criação dos softwares. Seu talento foi, sem dúvida, fundamental para o sucesso da companhia.

Em 2007, ao discursar para formandos da Universidade de Harvard, ele resumiu o que considera ser a receita do sucesso. “Determinar um objetivo, encontrar a abordagem de maior alavancagem, descobrir a tecnologia ideal para essa abordagem e a aplicação mais inteligente para essa tecnologia. O mais importante é nunca parar de pensar e trabalhar.”

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Vítima da guerra das maquininhas

Lucro da Cielo cai pela metade em 2019 e despenca 68% no 4º trimestre

A estratégia deliberada da empresa controlada por Banco do Brasil e Bradesco é sacrificar as margens de lucro para defender a liderança do mercado de maquininhas de cartão. Os números refletem bem esse esforço, para o bem e para o mal

POLÍTICA

Moro diz que quem vai decidir o vice (em 2022) é o presidente; mas ideal é o vice Mourão

O ministro considerou que “pode ser que no futuro lá distante volte a se cogitar isso” e defendeu: “Não acho uma boa ideia”. “Os ministérios juntos são mais fortes.”

APROVADA SEM RESTRIÇÕES

Cade aprova compra da Embraer pela Boeing

A operação analisada pelo Cade prevê duas transações. Uma delas consiste na aquisição pela Boeing de 80% do capital do negócio de aviação comercial da Embraer, que engloba a produção de aeronaves regionais e comerciais de grande porte (operação comercial)

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Bolsa contaminada pelo coronavírus

Caro leitor, A semana começou mal para as bolsas do mundo todo. O avanço do coronavírus na China durante o fim de semana colocou os mercados de molho nesta segunda. Já foram confirmados quase 3 mil casos em mais de dez países, sendo a maioria deles na China. Até agora, foram computadas 82 mortes. Os […]

Cautela elevada

Em dia de queda de 3% do Ibovespa com alerta sobre coronavírus, ações de drogaria sobem

A disseminação do coronavírus elevou a aversão ao risco nos mercados financeiros, derrubando o Ibovespa e fazendo o dólar romper a marca de R$ 4,20. Apenas cinco ações do índice subiram, incluindo Raia Drogasil

DE OLHO NO CORONAVÍRUS

‘Índice do medo’ atinge patamar visto no auge da guerra comercial e sobe mais de 25%

Na máxima intradiária, o indicador chegou a bater a casa dos 19,02 pontos, valor que não era visto desde outubro do ano passado quando ele atingiu a marca dos 19,28 pontos

CONCESSÕES

Maia definirá até dia 30 quando lei de concessões vai a plenário, dizem deputados

“Se ele (presidente da Câmara) estiver convencido de que esse texto é um texto bom, que atende a sociedade, eu acho que a gente vota ele rápido”, disse também o deputado João Maria

CRÉDITO

Demanda por crédito do consumidor cai em dezembro e cresce em 2019, diz Boa Vista

Considerando os segmentos que compõem o indicador, o Financeiro apresentou elevação de 6,1% no ano, enquanto o segmento Não Financeiro registrou evolução de 2,5% na mesma base de comparação

primeira avaliação

Quão longe a XP pode ir? Para o BTG, ação da corretora já está bem precificada

BTG Pactual inicia cobertura das ações da corretora com recomendação neutra para os papéis.

DE OLHO NA REFORMA

Reforma administrativa quer acabar com promoções por tempo de serviço

O governo vai propor ainda a vedação das aposentadorias como forma de punição

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements