Menu
2018-09-28T08:37:25-03:00
Luis Ottoni
Luis Ottoni
Jornalista formado pela Universidade Mackenzie e pós-graduando em negócios pela Fundação Getúlio Vargas. Atuou nas editorias de economia nos portais G1, da Rede Globo, e iG.
Quase lá

Queiroz Galvão na beira da recuperação judicial

Com dívida de R$ 10 bilhões, grupo já foi notificado por bancos credores

28 de setembro de 2018
7:14 - atualizado às 8:37
Operários em obra de construção civil
Grupo tem dívida de R$ 10 bilhões sem desfecho há dois anos Imagem: shutterstock

O desentendimento entre credores bancários com a Queiroz Galvão está levando a empresa à beira de um pedido de recuperação judicial. A informação é da coluna "Broadcast", do Estadão desta sexta-feira, 28.

Ao todo, o grupo tem uma dívida de R$ 10 bilhões, que já completa dois anos sem um desfecho. O estresse teria sido motivado por exigências do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), que são diferentes àquelas acordas com os bancos.

A situação da companhia é complicada pois o BTG Pactual e o Santander já a teriam notificado sobre compromissos que não foram honrados, ainda segundo o Estadão. O próximo aviso deve vir do Itaú Unibanco.

Vende-se

A empresa está correndo contra o relógio para tentar emplacar um modelo de renegociação de dívidas, que envolve a liquidação organizada de ativos do grupo. A QGEP, que atua na exploração de petróleo, seria a primeira aposta da empresa a ser oferecida aos bancos, ainda segundo a coluna Broadcast. Já a QGOC, que detém plataformas de petróleo, renegocia a dívida com bondholders.

As empresas envolvidas foram procuradas pelo jornal, mas não comentaram.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Acabou a crise?

A maldição de maio não pegou de novo: bolsa foi o melhor investimento do mês, e dólar foi o pior

Pelo segundo ano consecutivo, a máxima “sell in may and go away” não se fez valer. Ativos de risco se saíram bem em maio, mas títulos públicos de longo prazo e o dólar tiveram desempenho negativo

Covid no Brasil

Brasil chega a 465,1 mil casos por coronavírus e 27,8 mil mortes

Do total de casos confirmados, 189.476 pacientes foram recuperados

Agência de telecomunicações

Anatel acata decisão judicial e aprova regra que retira sigilo de ligações

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) regulamentou a questão ontem, 28, em cumprimento a uma decisão da Justiça Federal do Sergipe

seu dinheiro na sua noite

Adam Smith e o PIB da pandemia

A economia funciona desta forma: a produção de bens e serviços só existe em função do consumo. Essa conclusão não é minha, é claro, mas de Adam Smith. Citar o “pai” do liberalismo em um raro momento de consenso sobre a necessidade de maior atuação do Estado para conter os efeitos do coronavírus na economia […]

De novo

CVC adia mais uam vez entrega do balanço do quarto trimestre de 2019

A operadora e agência de viagens CVC informou nesta sexta-feira, 29, que as suas demonstrações financeiras referentes ao exercício de 2019 só devem ser apresentadas até 31 de julho

Auxílio emergencial

Caixa abre mais de 2 mil agências no sábado

Por enquanto, apenas quem recebeu a primeira parcela até 30 de abril e nasceu em janeiro pode sacar o valor

Saldo positivo

Após muita volatilidade, dólar acumula queda de 1,83% em maio; Ibovespa sobe 8,57% no mês

Uma suavização nos fatores de risco domésticos e globais permitiu que o dólar se despressurizasse em maio e levou o Ibovespa de volta aos 87 mil pontos

Presidente da Câmara

Maia rechaça aumento de impostos para suprir queda na receita e defende reformas

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que considera difícil qualquer tipo de aumento na carga tributária para compensar a queda de receita pública por causa da pandemia de covid-19

Para dirigentes de instituições

CMN estende restrição de dividendos até dezembro de 2020

O Conselho Monetário Nacional (CMN) decidiu estender até dezembro de 2020 a regra que proíbe o aumento na remuneração de dirigentes de instituições financeiras e a distribuição de dividendos acima do mínimo obrigatório

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements