🔴 SAVE THE DATE: 22/07 – FERRAMENTA PARA GERAR RENDA COM 1 CLIQUE SERÁ LIBERADA – CONHEÇA

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
No Seu Dinheiro você encontra as melhores dicas, notícias e análises de investimentos para a pessoa física. Nossos jornalistas mergulham nos fatos e dizem o que acham que você deve (e não deve) fazer para multiplicar seu patrimônio. E claro, sem nada daquele economês que ninguém mais aguenta.
NÃO TEM MAIS ‘SEXTOU’

Governo da Grécia vai na contramão e impõe polêmica semana de trabalho de seis dias

País europeu quer aumentar a produtividade reduzir a escassez de trabalhadores qualificados

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
2 de julho de 2024
14:33 - atualizado às 10:45
Imagem: Pixabay

Em busca de produtividade e bem-estar para os funcionários, empresas de várias regiões do mundo experimentam uma carga reduzida de trabalho com a semana de quatro dias.

Mas um país chamou a atenção por ir na direção contrária à nova tendência global.

A Grécia é o primeiro país europeu a aumentar a carga semanal de trabalho em algumas empresas, introduzindo uma semana de seis dias. O objetivo do governo é aumentar a produtividade e ajudar a reduzir a escassez de mão de obra jovem e qualificada. 

A medida entrou em vigor na segunda-feira (1º) e faz parte de um conjunto de leis trabalhistas aprovadas no ano passado. 

Segundo o governo, o novo esquema se aplicará a funcionários de empresas privadas que prestam serviço 24 horas por dia. 

Pela medida, trabalhadores de setores industriais selecionados e da manufatura têm a opção de trabalhar duas horas adicionais por dia ou um turno extra de oito horas. 

A lei também prevê uma recompensa adicional de 40% sobre o salário diário.

Com a mudança, a carga de trabalho de 40 horas pode ser estendida para 48 horas por semana em algumas empresas. 

  • 850 mil brasileiros já estão recebendo, todos os dias, as atualizações mais relevantes do mercado financeiro. Você é um deles? Se a resposta for não, ainda dá tempo de “correr atrás do prejuízo”. Clique aqui para começar a receber gratuitamente. 

Recuperação econômica e escassez de mão de obra 

Segundo o governo do primeiro-ministro grego Kyriakos Mitsotakis, a medida é “favorável aos trabalhadores” e “profundamente orientada para o crescimento”. Além disso, a lei foi criada para dar suporte aos funcionários que não estão sendo suficientemente recompensados por horas extras e para ajudar a reprimir o problema do “trabalho não declarado”. 

O primeiro-ministro da Grécia também citou a diminuição da população e a escassez de trabalhadores qualificados como principais motivações para a criação da nova lei. 

Ao aprovar o novo pacote de leis trabalhistas no ano passado, Mitsotakis chamou a questão de “bomba-relógio”. 

Estima-se que cerca de 500 mil gregos emigraram desde o início do ano passado. Vale lembrar que o país do sul da Europa ainda se recupera de uma crise de dívida que durou quase uma década, que começou no final de 2009 e trouxe impactos severos à economia do país. 

Sindicatos criticam a medida

Sindicatos e observadores políticos criticaram duramente a medida. Especialistas chamaram a medida de “um grande retrocesso” para a força de trabalho que já trabalha a maior quantidade de horas da União Europeia. 

Os críticos também argumentam que as novas leis arruínam as proteções legais e retrocedem os direitos dos trabalhadores estabelecidos em nome da flexibilidade.

Segundo dados da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), a população da Grécia trabalha mais do que os trabalhadores nos Estados Unidos, Japão e outros países da Europa.

Em todo o ano de 2022, os gregos trabalharam, em média, 1.886 horas – mais do que a média dos EUA, de 1.811 horas, e a média da União Europeia, de 1.571 horas. 

Compartilhe

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar