🔴 CHANCE DE MULTIPLICAR O INVESTIMENTO EM ATÉ 14,5X EM 8 DIAS? ENTENDA A PROPOSTA

João Escovar
Jornalista especializado em Finanças
Conteúdo Empiricus

O que todos temiam sobre a Petrobras: após dividendos bilionários, PETR4 põe fim à política de preços e põe interrogação sobre lucros futuros

Contraste entre presente e futuro da estatal opõe analistas; apesar dos dividendos vultuosos, empresa está fora do top 5 de carteira conceituada

João Escovar
16 de maio de 2023
11:12 - atualizado às 11:56
Montagem com o logo da Petrobras e moedas representando os dividendos da estatal
Montagem com logotipo da Petrobras - Imagem: Shutterstock

Começou a tomar forma o grande medo dos investidores com relação à Petrobras após as eleições.

Após reunião do conselho, a estatal anunciou o fim da paridade de preços do petróleo e dos seus derivados, como a gasolina e o óleo diesel, com o mercado internacional.

A regra, que vigorava desde 2016, foi a principal responsável pela virada de jogo da situação da empresa, que deixou para trás dívidas impagáveis para se tornar uma das maiores distribuidoras de dividendos do mundo.

Após a mudança, a Petrobras saiu de um prejuízo bilionário por três anos seguidos (2014 a 2016), gerou caixa nos anos seguintes e, a partir de 2021, entregou lucros anuais superiores a R$ 100 bilhões.

Por outro lado, a paridade acaba tornando o preço do combustível mais volátil e caro no país, o que gera insatisfação da população.

O medo dos investidores, portanto, era o de que o novo governo, com viés mais populista, pudesse colocar o desejo de baixar preços e aliviar o bolso do brasileiro à frente do interesse dos acionistas…

O que torna a mudança na política de preços problemática?

Antes do governo Temer, quando a Petrobras foi liderada por Pedro Parente, imperava, durante o mandato de Dilma Rousseff, uma forte interferência governamental na empresa.

Além dos escândalos de corrupção, o preço dos combustíveis não era vinculado ao dólar e à cotação dos barris no mercado internacional, o que fazia a Petrobras perder competitividade e, inclusive, ter de subsidiar parte do valor dos combustíveis.

Como a gasolina e o diesel são gatilhos fundamentais para a inflação, tanto por seu impacto direto como pelos custos de transporte, baixar os preços ‘na canetada’ era visto como uma estratégia para controlar a alta de preços no país. Tudo isso, contudo, ocorreu às custas da saúde financeira da Petrobras.

Agora, o temor do mercado é o de que esse mecanismo se repita, de maneira a agradar a população e possibilitar uma redução da inflação “na marra”.

Ainda não está clara a fórmula de definição dos preços. Segundo a Petrobras, ele irá levar em conta “custos alternativos para o cliente” e um “valor marginal” para a empresa, sem comprometer a competitividade da petroleira, mas garantindo uma maior estabilidade de preços para o mercado nacional.

Analistas divergem sobre PETR4; veja o que fazer

As dúvidas a respeito do futuro da Petrobras ainda dividem os principais analistas financeiros do país.

Dentro da própria Empiricus Research, por exemplo, a maior casa de análise independente do país, não há consenso entre os especialistas.

O CEIO da casa, Felipe Miranda, responsável pela série Palavra do Estrategista, já temia pelos efeitos de uma mudança da política de preços desde as eleições.

No dia 3 de novembro, ele retirou PETR4 da carteira argumentando que “um lucro enorme é rapidamente destruído se você não obedecer à sinalização do sistema de preços”. E ainda resumiu: “há riscos que não é preciso correr”.

Já para o sócio de Felipe, o analista Rodolfo Amstalden, cuja série Vacas Leiteiras é focada em dividendos, o risco ainda seria válido.

Embora uma interferência governamental de fato ameaçasse, a ação da Petrobras estaria sendo negociada, na visão do analista, por um preço muito barato - e a capacidade de geração de lucro ainda seria muito alta.

As duas visões acabaram se confirmando: na semana passada, a Petrobras anunciou dividendos vultuosos, de R$ 24 bilhões, mas agora anunciou uma política que pode prejudicar esse fluxo no futuro.

Entretanto, Amstalden e sua equipe, diante desse imbróglio, não recomendam uma concentração dos investimentos em estatais. Embora tenham mantido a Petrobras na carteira, não a colocaram em sua lista de top 5 ações para quem busca dividendos.

Esta lista conta com empresas líderes em seus setores, que estão baratas e seguem como fortes geradoras de caixa, mas que não estão tão suscetíveis à posição do governo para ter um bom lucro e distribuí-lo (mesmo com uma delas tendo forte relacionamento com uma estatal).

O nome das 5 ações e o raciocínio por trás da recomendação de cada uma delas está disponível, gratuitamente, por meio deste link, como cortesia da corretora Empiricus Investimentos.

Para acessá-la, basta clicar em qualquer link deste texto ou no botão abaixo:

ACESSAR LISTA DE TOP 5 AÇÕES PARA DIVIDENDOS

Compartilhe

Conteúdo Empiricus

Patrimônio atrelado ao dólar: Segundo analista, o mundo inteiro está investindo na bolsa americana, e você pode fazer o mesmo; entenda

12 de julho de 2024 - 16:00

Expectativa é de queda de juros para o futuro próximo nos EUA, o que pode potencializar os ganhos em renda variável

Conteúdo Empiricus

Agora vai, Ibovespa? Queda da inflação nos EUA é sinal de que ‘alta da bolsa nesta semana pode ser só um aperitivo’

12 de julho de 2024 - 14:00

Índice de preços ao consumidor dos Estados Unidos recuou 0,1% em junho; mercado espera primeiro corte de juros em setembro

Conteúdo Empiricus

Bezerra vai virar vaca leiteira? Dividendos de R$ 1,60 por ação são ‘fichinha’ perto do que esta empresa pode pagar ao longo do tempo, avaliam analistas

12 de julho de 2024 - 11:48

Melhoria operacional e bom momento para as incorporadoras de baixa renda podem fazer yields da Direcional “crescerem ao longo do tempo”, dizem analistas

Conteúdo Empiricus

Brasileiro desenvolve código-fonte capaz de gerar lucros médios de R$ 274 por dia

12 de julho de 2024 - 11:24

Tecnologia utiliza da análise técnica para buscar oportunidades na bolsa de valores

Conteúdo Empiricus

Eletrobras (ELET6) vai recomprar ações; veja se vale a pena investir agora

11 de julho de 2024 - 16:00

No ano, os papéis preferenciais e ordinários da Eletrobras caem 4% e 8% respectivamente; será que o programa de recompra pode ser bom para o investidor?

conteúdo empiricus

Se cuidem, Shein e Temu: varejista lança estratégia para ‘bater de frente’ com chinesas e entra para top 10 melhores ações de julho

11 de julho de 2024 - 14:34

Varejista norte-americana se prepara para “competir” com as chinesas e Empiricus avalia que a ação pode ter a maior receita anual do mundo nos próximos anos

Conteúdo Empiricus

5 motivos para investir nessa ação de ‘maquininhas’, segundo BTG Pactual e Empiricus

11 de julho de 2024 - 14:00

Ação do mercado financeiro está barata e tem grande potencial de valorização, de acordo com os analistas

Conteúdo Empiricus

Tesouro IPCA+ despencou 13% em 6 meses – por que a atratividade do juro real a 6% virou ‘conversa de bar’?

11 de julho de 2024 - 13:11

Enquanto o mercado está de olho nos títulos atrelados à inflação, Tesouro IPCA+ 2045 recebeu o “pódio” de pior investimento do 1º semestre – sinal para fugir desses ativos?

Conteúdo Empiricus

Qual será o impacto da regulamentação da reforma tributária para as ações de construtoras e shoppings da Bolsa de Valores?

10 de julho de 2024 - 13:52

Primeiro projeto de regulamentação da reforma tributária está sendo discutido na Câmara nesta quarta-feira (10); entenda como as companhias do setor imobiliário serão afetadas

Conteúdo Empiricus

Invista em criptomoedas com um botão: novo robô de inteligência artificial já gerou lucro de até 1.358%

10 de julho de 2024 - 8:00

Robô de inteligência artificial criado pelo trader Eduardo Garufi funciona com apenas um clique e já multiplicou dinheiro investido por mais de 14 vezes

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar