🔴 RENDA MÉDIA DE R$ 21 MIL POR MÊS COM 3 CLIQUES – SAIBA COMO

Cotações por TradingView
João Escovar
Jornalista especializado em Finanças
CONTEÚDO VITREO

‘Quem tem R$ 1 mil ou R$ 5 mil vai ter a mesma rentabilidade de quem tem R$ 1 milhão’: semana do Copom abrirá acesso de títulos ‘premium’ a qualquer investidor, afirma especialista

Gabriel Mallet, da Vitreo, dá dicas para investir em renda fixa e aproveitar a alta da Selic

João Escovar
15 de março de 2022
18:05 - atualizado às 13:06
notas de reais em uma mesa | Dividendos
Imagem: Shutterstock

Em tempos de juros altos e incertezas nos cenários econômicos global e nacional, a renda fixa voltou a emergir como uma opção atrativa para o investidor, combinando boa rentabilidade e segurança. E a cada reunião do Copom, com perspectiva para nova alta nos juros, que já está em 10,75% a.a., essa euforia fica mais evidente.

Mas antes de sair comprando qualquer título por aí, é preciso que o investidor entenda todas as peculiaridades desse mercado, a fim de garimpar as melhores oportunidades. Normalmente, os títulos mais “premium”, que trazem melhores condições de rentabilidade, prazo e segurança, ficam “escondidos” do investidor comum, que fica refém de produtos inferiores.

Com o objetivo de esclarecer o tema, o Seu Dinheiro convidou o head de renda fixa da Vitreo, Gabriel Mallet, para explicar como funciona a negociação de títulos e o que o investidor deve fazer para conseguir a maior rentabilidade para sua carteira.

“Na Vitreo, buscamos taxas mais atrativas e evitamos diferenciar os clientes. O investidor que coloca R$ 1 milhão tem a mesma rentabilidade que o que coloca R$ 1 mil ou R$ 5 mil, o que não costuma acontecer no mercado”, resume.

O head de renda fixa, Gabriel Mallet. Foto: Divulgação

Confira a entrevista completa:

SD: Podemos dizer que a renda fixa é o investimento do momento? Por que isso está acontecendo?

Mallet: Os títulos de renda fixa sempre foram os “queridinhos” dos brasileiros. Por sempre termos juros altos historicamente, esses papéis traziam uma boa rentabilidade combinada com segurança. Por que, então, alguém se arriscaria em mercados como o de ações? Só que com o movimento da queda nos juros, o investidor teve de buscar novos mares para conseguir retornos expressivos, então a renda fixa acabou ficando meio “esquecida”.

O que está acontecendo agora é um novo movimento de alta nos juros: estamos com a Selic em dois dígitos para conter a inflação. Nesse cenário, a renda fixa volta a ficar mais atrativa.

Outro fator que acaba contribuindo para a renda fixa é a instabilidade dos mercados: além de favorecer a alta dos juros, ela acaba trazendo volatilidade a ativos de renda variável, ou seja, o investidor passa a valorizar ainda mais a segurança e a previsibilidade da renda fixa: independentemente do que acontece, ele recebe a remuneração combinada caso leve o título até o vencimento. Além disso, há a garantia do FGC até R$ 250 mil por CPF para cada emissor, o que ajuda a diminuir o risco de crédito de um banco, por exemplo.

SD: O que o investidor deve avaliar antes de investir em um título de renda fixa?

Mallet: O fator mais óbvio é a rentabilidade do título. Mas os retornos de um produto de renda fixa dependem de muito mais do que isso. Os principais pontos a se observar são:

  • O prazo do título, que vai de acordo com o objetivo do investimento. Se você pretende usar o recurso daqui um ano, não faz sentido prender seu dinheiro por cinco anos, por exemplo. Agora, se é para longo prazo, vale a pena abrir mão da liquidez por maiores rentabilidades. Recentemente, lançamos na Vitreo um CDB com taxa espetacular, de IPCA + 7,04%, por exemplo, mas com prazo de cinco anos, ou seja, apesar de ser ótimo, ele não é o ideal para quem precisa do dinheiro no curto prazo;
  • O Imposto de Renda: títulos como LCIs e LCAs não pagam IR, então muitas vezes compensa comprá-los por taxas menores que a de CDBs, por exemplo;
  • As garantias: é um emissor sólido, como um “bancão”? Tem cobertura do FGC, caso seja um emissor de maior risco? O investidor pode correr riscos em busca de rentabilidade extra, como no caso de títulos emitidos por empresas, como as debêntures?

Uma dica importante também é a de diversificar não só as classes de ativos da carteira, mas os títulos de renda fixa. Afinal, é difícil prever o que vai performar melhor, se os prefixados ou indexados ao CDI ou IPCA. Além disso, ter vários títulos diferentes minimiza o risco de crédito.

Na Vitreo, apresentamos todos os dias ofertas de títulos com características diferentes, atendendo a investidores com diversos perfil e objetivos.

SD: São sempre os mesmos títulos que estão disponíveis em cada instituição financeira?

Mallet: Não. As características dos títulos mudam conforme o modelo de distribuição de cada lugar e também variam dia a dia de acordo com a curva de juros do momento. Por conta disso, as condições, como rentabilidade e prazo, são diferentes dependendo de onde o investidor tem conta. Além disso, as ofertas normalmente são limitadas ao dia em que são lançadas, pois são negociadas com base nas projeções de momento. Por isso, todos os dias temos que negociar novos títulos, pois eles expiram às 15h, então o investidor tem uma janela curta de tempo para aproveitar.

SD: Por que o investidor que já é cliente de um banco tradicional e muitas vezes recebe seu salário por lá deixaria de investir em títulos desse banco e iria para plataformas como a Vitreo?

Mallet: Cada instituição tem um modelo de distribuição e uma maneira de determinar taxas. Os bancos normalmente trabalham com segmentações e negociam taxas e condições melhores para quem tem maior capacidade de investir.

O investidor comum acaba não ouvindo nem falar em títulos mais premium, como um que oferecemos recentemente, que pagava 12% a.a. líquidos de impostos.

Na Vitreo, além de ofertas taxas mais atrativas que o mercado, também evitamos fazer esse tipo de diferenciação. O investidor que coloca R$ 1 milhão tem a mesma rentabilidade que o que coloca R$ 1 mil ou R$ 5 mil. E fazemos questão de contar para todos sobre as ofertas, com destaques na plataforma, e-mail, push no celular. Inclusive, estamos aproveitando a semana do Copom para incluir ainda mais pessoas neste grupo que recebe as ofertas, inclusive aqueles que ainda não são nossos clientes, e trazendo condições ainda melhores.

SD: Como vai funcionar? As taxas serão mais atrativas? É preciso pagar alguma coisa?

Mallet: Estamos organizando uma “Semana da Renda Fixa”, diante da visibilidade do tema quando há reunião do Copom. Nessa semana, além de abrirmos as ofertas para investidores que ainda não são nossos clientes, traremos taxas diferenciadas, negociadas a dedo pela nossa equipe de renda fixa.

Serão títulos inclusive com características e indexadores diferentes, como pré ou pós-fixados, a cada dia, com condições ainda melhores do que as que já apresentamos. Isso sem falar que os investidores ainda receberão uma parte do investimento de volta em cashback daqui a algumas semanas.

Mas, conforme expliquei, esses títulos expiram após às 15h, já que são determinados conforme as condições do momento.

SD: E como o investidor pode participar?

Mallet: Quem já é cliente da Vitreo receberá as ofertas já no seu e-mail, celular e também na nossa própria plataforma. Já para quem ainda não tem conta conosco, mas não costuma receber essas ofertas do seu banco e tem interesse em conhecer, é preciso fazer uma inscrição em uma página segura preparada para nossa equipe.

Se puder nos ajudar e deixar o link para facilitar para os interessados ao fim dessa entrevista, seria uma boa maneira de incentivar o leitor e buscar produtos mais aderentes a seus objetivos enquanto investidor.

É um momento de alta na renda fixa – e as coisas devem permanecer assim enquanto vivemos esse cenário de incertezas, inflação alta e recuperação econômica.

Compartilhe

Conteúdo Empiricus

Vivo (VIVT3) ficou cara? Companhia divulga balanço positivo, mas não entra no ‘Top 5’ de pagadoras de dividendos; confira a lista

24 de fevereiro de 2024 - 12:00

Analista comenta balanço da Vivo e recomenda outras opções para investir agora em busca de dividendos; confira

Conteúdo Empiricus

60% das pessoas não gostam do próprio trabalho: está na lista? Esta profissão paga em média R$ 30 mil e tem 700 vagas abertas

24 de fevereiro de 2024 - 10:00

Empresas gigantes estão em busca de profissionais qualificados desse setor e aceitando pagar caro para preencher essas vagas – veja como ingressar

Conteúdo Empiricus

Cortes na Selic ainda não surtiram efeito? B3 (B3SA3) registra queda de 8% no lucro; veja se ainda vale a pena investir na ação

24 de fevereiro de 2024 - 8:00

Embora a companhia tenha registrado um crescimento de 11% nos setores de tecnologia, dados e serviços, os resultados gerais ficaram abaixo do esperado; veja a recomendação da Empiricus Research

Conteúdo Empiricus

Ainda não chegou a vez do Nubank (ROXO34): mesmo com 4T23 positivo, analista recomenda ficar de fora da ação (e revela o motivo)

23 de fevereiro de 2024 - 19:00

BDR do Nubank cai na bolsa em relação ao último fechamento apesar de resultados animadores no 4º trimestre – veja qual é o impeditivo para incluir o papel na carteira

conteúdo empiricus

Dividendos em perigo? Por que a Taesa (TAEE11) pode deixar de pagar proventos gordos em breve, segundo o Bradesco BBI

23 de fevereiro de 2024 - 17:00

A Taesa é conhecida por ser uma grande pagadora de dividendos mas, segundo o banco de investimentos, ela pode passar a remunerar bem menos os seus acionistas; entenda

Conteúdo Empiricus

Nvidia não é a única: veja as empresas de tecnologia mais indicadas para ter a chance de surfar o ‘boom’ da inteligência artificial

23 de fevereiro de 2024 - 15:00

Resultados da Nvidia mostraram que a narrativa em torno da inteligência artificial segue a todo vapor. Veja as apostas desse gestor para aproveitar o momento das empresas de tecnologia

Conteúdo Empiricus

Cuidado com a Oi (OIBR3): mesmo disparando 120%, existem 10 ações com maior potencial; veja

23 de fevereiro de 2024 - 13:00

Ação dispara em fevereiro, mas maior casa de análise independente do Brasil segue sem recomendar a empresa por acreditar que existem outras companhias melhores agora

Conteúdo Empiricus

‘A gente prefere estar na principal fonte de dividendos’: entenda por que Itaúsa (ITSA4) não está nas ações preferidas da Empiricus para proventos

23 de fevereiro de 2024 - 11:00

Segundo Larissa Quaresma, analista da Empiricus Research, esse ‘bancão’ é quem está por trás de parte dos dividendos entregues pela holding; entenda

Conteúdo Empiricus

‘Escolhi ser analista de ações’: como Thiago Salomão, fundador do Market Makers, mudou a rota para se tornar um dos nomes mais conhecidos do mercado financeiro

23 de fevereiro de 2024 - 9:00

Salomão decidiu abandonar o jornalismo para se tornar analista de ações. Agora ele quer ajudar outras pessoas que desejam fazer a transição de carreira para o mercado financeiro

Conteúdo Empiricus

Poxa, hermanos: hiperinflação na Argentina impacta resultados da Gerdau (GGBR4) no 4T23; saiba se é hora de comprar ou vender

22 de fevereiro de 2024 - 14:00

Números da América do Norte e a geração de caixa livre foram destaques positivos do balanço de Gerdau (GGBR4)

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies