Menu
2021-05-14T12:40:01-03:00
Kaype Abreu
Kaype Abreu
Formado em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Colaborou com Estadão, Gazeta do Povo, entre outros.
esg

BTG e consórcio de investidores compram ativos florestais da Arauco no Chile por US$ 385,5 milhões

Segundo o banco, a transação do TIG envolve cerca de 80,5 mil hectares de áreas florestais de “alta qualidade e com manejo sustentável”, nas regiões do Centro e Sul do país

14 de maio de 2021
10:45 - atualizado às 12:40
BTG floresta
Imagem: BTG / Divulgação

Um consórcio liderado pelo Timberland Investment Group (TIG), do BTG Pactual (BPAC11), acaba de anunciar a aquisição de ativos florestais da Arauco, empresa de celulose, no Chile por US$ 385,5 milhões (cerca de R$ 2,02 bilhões, pela cotação atual).

A operação também conta com o investidor institucional canadense British Columbia Investment Management Corporation (BCI) — que tem C$ 171,3 bilhões de ativos sob gestão — e a APG, fundo que administra € 577 bilhões em ativos de pensão.

Segundo o BTG, a transação do TIG envolve cerca de 80,5 mil hectares de áreas florestais de "alta qualidade e com manejo sustentável", nas regiões do Centro e Sul do Chile.

Com foco em ativos florestais, o TIG é uma divisão da gestora do banco brasileiro — são quase US$ 4 bilhões em ativos e capital comprometido e mais de 1,0 milhões de hectares sob gestão. A asset do BTG tem US$ 70 bilhões em ativos sob gestão.

A aquisição marca a entrada do consórcio no país e reforça o esforço do banco em atender a demanda ESG — sigla em inglês para as melhores práticas ambientais, sociais e de governança.

"A operação faz parte da estratégia do consórcio de investir em ativos florestais em diversas regiões do mundo e que ofereçam retornos atraentes", disse o BTG.

O sócio do BTG e diretor da TIG, Gerrity Lansing, contou que "há mais de uma década" a divisão da gestora está em busca de oportunidades de investimentos no Chile. "Esta transação oferece a escala e os requisitos de alta sustentabilidade que estávamos procurando".

Para o vice-presidente executivo e chefe global de infraestrutura e recursos renováveis do BCI, Lincoln Webb, o investimento fornece retornos ajustados ao risco, que são "atraentes para nossos clientes de fundos de pensão e fundos de seguro".

As áreas florestais incluídas na transação são certificadas através da Arauco pelo Forest Stewardship Council (FSC), organização com sede na Alemanha que atua de forma independente.

A operação está sujeita às condições habituais de fechamento, incluindo aprovações regulatórias, e deve ser concluída no terceiro trimestre de 2021.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

atenção, acionista

Carrefour paga R$ 175 milhões em juros sobre capital próprio e altera valor de dividendos

Cifra equivale a R$ 0,088148225 por ação em circulação; também anunciou uma modificação do valor por ação dos dividendos aprovados em abril, de R$ 0,382372952 para R$ 0,382361396

maior apetite por risco

Empresas do Brasil captam US$ 4,6 bilhões; montante deve aumentar com ofertas de Stone e Light

Emissores brasileiros haviam paralisado planos de captar no exterior nos últimos meses, em meio à turbulência interna com a pandemia e o aumento do juro norte-americano

em meio ao aumento de consumo de frango

SuperFrango, de Goiás, retomará IPO de R$ 1 bilhão

Após resolver adiar a operação, a empresa fará uma apresentação mais cuidadosa de seu negócio aos analistas; oferta é estimada entre R$ 1 bilhão e R$ 1,5 bilhão

levantamento

Estatais descumprem critérios do marco do saneamento

GO Associados calculou que as companhias públicas do Rio Grande do Norte, Santa Catarina, Alagoas, Maranhão, Amazonas, Pará, Piauí, Roraima, Rondônia e Amapá não atendem a todos os critérios da “etapa 1” do decreto – que prevê o cumprimento de índices mínimos dos indicadores econômicos-financeiros

questionamentos em brasília

Novo marco de saneamento é alvo de ofensiva no Supremo e no Congresso

No Supremo, mais de 20 empresas estatais que prestam hoje serviços no setor querem a volta da possibilidade de fechar os chamados “contratos de programa”, diretamente com as Prefeituras e sem licitação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies