Menu
2020-07-21T14:28:09-03:00
Caio Nascimento
Conteúdo patrocinado

Você vai quebrar a cara se seguir o que Felipe Neto falou sobre a Bolsa

Maior youtuber do Brasil disse que não investe na renda variável porque a B3 ‘não produz nada’; se você acreditar nele, perderá a chance de lucrar com a retomada da economia

21 de julho de 2020
13:00 - atualizado às 14:28
Felipe Neto
O youtuber Felipe Neto durante declaração sobre a Bolsa de Valores - Imagem: Captura de tela do YouTube

“Se vocês soubessem o que penso sobre a Bolsa, iriam me chamar de comunista. Não gosto de gerar riqueza sem produzir nada para o mundo. Então não invisto na Bolsa”.

Essa foi a resposta de Felipe Neto a um internauta que o chamou de investidor. Embora o youtuber tenha se arrependido, essa é a visão de muitos brasileiros acostumados com argumentos como “Bolsa é coisa de rico”, “pobre tem que gastar porque não sabe o dia de amanhã” e outras bobagens.

Ao contrário do que Felipe Neto disse, a Bolsa é fundamental para a sociedade. Comprar uma ação significa injetar capital numa empresa, que usará o dinheiro aplicado para crescer e gerar novos empregos. É muito positivo que as empresas busquem dinheiro para fazer seus investimentos no mercado de capitais. Ou você acha melhor que elas façam fila no BNDES para buscar dinheiro público a custo subsidiado? 

Além disso, muitas companhias distribuem o lucro para seus investidores, entregando a eles uma renda passiva que lhes proverá uma melhor qualidade de vida no longo prazo. É bom para elas, é bom para a economia e também pode ser bom para você investir em ações.

CONHEÇA GRATUITAMENTE O SELETO GRUPO DE AÇÕES QUE PODE MULTIPLICAR SEU PATRIMÔNI

Mesmo com esses benefícios, a renda variável ainda não caiu no gosto do brasileiro, apesar de estar em franco crescimento. Em 2002, a B3 registrava 85,2 mil investidores pessoa física. Em 2019, o número subiu para 1,68 milhão e, de lá para cá, cresceu em 57,6%, atingindo o patamar de 2,6 milhões de acionistas em junho de 2020 - maior aumento anual em 13 anos. 

Segundo o economista e estrategista-chefe da Empiricus, Felipe Miranda,  um dos motivos para isso foram os contínuos cortes da taxa básica de juros no Brasil, que começou a se alinhar aos padrões internacionais, diminuindo os ganhos da renda fixa e atraindo cada vez mais pessoas para a Bolsa - inclusive quem é da classe média baixa.

Nas economia maduras, como os Estados Unidos, que já convivem com o juro baixo há anos, mais da metade da população adulta investe em ações.

Mas não tenho a fortuna do Felipe Neto para investir...

É exatamente por isso que você devia entrar na Bolsa. Enquanto dinheiro não é mais problema na vida de Felipe Neto, ele pode se contentar com os ganhos módicos da renda fixa. Hoje, a taxa básica de juros brasileira é de 2,25% ao ano.

Você e outros milhões de brasileiros, que dependem apenas do salário para viver e querem engordar seu patrimônio além dos 2% ao ano, precisam considerar colocar uma parte das suas economias na renda variável para buscar ganhos mais expressivos. Quem tem pouco dinheiro, corre o risco de trabalhar até a velhice sem conquistar a tão sonhada liberdade financeira se ficar preso à renda fixa. 

Acha exagero? Não é. O mestre em Finanças pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), Max Bohm, tem em mãos uma carteira de baixo risco que já entregou a seus assinantes ações com até 160,14% de valorização. Só neste exato momento, o analista tem no portfólio ativos que estão dando a seus seguidores retornos de 8,19% a 146,03% (conheça aqui).

Diante dessa realidade, ele avalia que você pode ganhar muito dinheiro no longo prazo com ações escolhidas a dedo e no momento certo - assim como as dele. E diz isso com base no que pode estar por vir com a crise da covid-19.

ACESSE GRATUITAMENTE O SELETO GRUPO DE AÇÕES QUE PODE MULTIPLICAR SEU PATRIMÔNIO NO PÓS-CRISE

O economista explica que ainda tem ativos com preços descontados devido à pandemia, o que pode indicar boas oportunidades de lucro futuro. 

“No pós-crise de 2008, por exemplo, algumas ações da Bolsa brasileira subiram cerca de 400% em questão de meses na recuperação do mercado. Os desdobramentos da pandemia do coronavírus nos jogou de volta para o ponto que separa uma crise da oportunidade de fazer fortuna”, afirma ele, que acumulou ganhos seis vezes maiores que o Ibovespa com uma de suas carteiras.

CONHEÇA GRATUITAMENTE O SELETO GRUPO DE AÇÕES QUE PODE MULTIPLICAR SEU PATRIMÔNIO

Podemos estar diante de um ciclo de alta da Bolsa

Um outro motivo para você fugir da declaração de Felipe Neto é a oportunidade que a B3 traz com seus ciclos de alta. Max Bohm recorda que a Bolsa brasileira teve valorizações de até 35 vezes no pós-crise de 2008, com durações de seis a oito anos. Agora, com a covid-19, ele avalia que estamos diante de algo parecido. 

“O nosso ciclo atual se iniciou somente há quatro anos, em 2016, e as cotações do Ibovespa dobraram de valor. Acredito que o grande boom ainda não chegou”, analisa Bohm. 

Veja o gráfico:

“Existem companhias mais preparadas em termos operacionais e financeiros para se recuperar da crise atual e voltar a crescer rápido. São ações resilientes e que, por enquanto, estão com uma grande oportunidade de preço de entrada”, completa.

CONHEÇA GRATUITAMENTE O SELETO GRUPO DE AÇÕES COM PERFIL DE ALTA PARA O PÓS-CRISE

Antes de continuar, uma ponderação: ganhos passados não são garantia de ganhos futuros. Então, pode ser que as multiplicações sejam maiores ou menores nesse processo de retomada. 

Ainda assim, Max enxerga um cenário favorável para a Bolsa e aconselha que você se posicione o quanto antes para aproveitar o movimento de recuperação do novo ciclo. 

“Se você não fizer isso, correrá o risco de perder o melhor ponto de entrada nas ações. Grandes ganhos, que transformam vidas por inteiro, foram obtidos no pós-crise em todos os ciclos do nosso mercado”, afirma.

Vale ressaltar que mesmo fora desses ciclos é possível aproveitar os bons lucros que a Bolsa oferece. Nos últimos cinco anos, a rentabilidade do Ibovespa foi de 70,6%, contra 67,4% do CDI, 39,3% da poupança e 32,3% dos investimentos em imóvel.

CONHEÇA GRATUITAMENTE O SELETO GRUPO DE AÇÕES COM PERFIL DE ALTA PARA O PÓS-CRISE

A estratégia vencedora a um clique de você

Percebe agora que Felipe Neto estava errado? Aplicar parte do seu patrimônio na Bolsa não só ajuda a aquecer a economia como pode valorizar seu dinheiro de forma segura. 

Dessa maneira, Max Bohm está te presenteando com sete dias gratuitos de acesso à sua série Melhores Ações da Bolsa da Empiricus, sem qualquer compromisso financeiro (acesse o presente aqui). 

Você terá acessos a plantões de dúvidas, relatórios com recomendações de investimento, cursos, livros online e estratégias para montar o portfólio ideal para o tamanho do seu bolso.

Após os sete dias, você pode assinar o serviço por 12x de R$ 5. Se em 12 meses você não lucrar, Max Bohm vai fornecer acesso vitalício e de graça às recomendações dele de investimento.

O que está esperando? Você tem mais a ganhar do que perder. Não faça como o Felipe Neto que está fora da bolsa e se contentando com as migalhas da renda fixa. Destrave sua vaga de sete dias gratuitos aqui.

QUERO CONHECER O SELETO GRUPO DE AÇÕES COM PERFIL DE ALTA PARA O PÓS-CRISE

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

abaixo do esperado

Pedidos de auxílio-desemprego nos EUA caem 228 mil na semana

número ficou abaixo da expectativa de analistas consultados pelo The Wall Street Journal, que previam 1,1 milhão de solicitações

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta quinta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

exile on wall street

A eterna morte das Big Techs

Se o retorno com as ações de Apple, Google e Facebook tem sido excepcional na última década, intacto através de subprimes e pandemias, onde está o risco?

Mercados hoje

Ibovespa abre em alta e dólar cai com alívio fiscal e indicadores no Brasil e nos EUA

Fala de Bolsonaro sobre teto de gastos e indicadores no Brasil e nos EUA aliviam um pouco a pressão sobre a bolsa e o dólar

queda na receita

Volume de serviços sobe 5% em junho ante maio, mas cai 12,% ante junho de 2019

A taxa acumulada no ano foi de redução de 8,3%. Em 12 meses, os serviços acumulam queda de 3,3%.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu