Menu
2020-04-08T10:20:16-03:00
Ricardo Mioto
Ricardo Mioto
CONTEÚDO PATROCINADO EMPIRICUS

Vá com calma na bolsa, dizem André Esteves e Felipe Miranda

Esta crise tem um grau inédito de incerteza. Não é hora de ir all in para a bolsa. Opere câmbio apenas para se proteger. Invista com cautela.

3 de abril de 2020
19:21 - atualizado às 10:20
placa-cuidado-exclamacao-1920X1080
Imagem: Shutterstock

Esta crise tem um grau inédito de incerteza. Não é hora de ir all in para a bolsa. Opere câmbio apenas para se proteger. Invista com cautela.

Essa é a opinião de André Esteves, banqueiro do BTG Pactual, e de Felipe Miranda, estrategista-chefe da Empiricus, que participaram nesta sexta-feira (3) de uma espetacular live.

A visão de André está muito alinhada com a que Felipe vem transmitindo aos assinantes da Empiricus diariamente nas últimas semanas: embora já existam oportunidades, pode ser que a recessão adiante ainda não esteja completamente precificada.

Eis algumas das recomendações e ideias que André Esteves compartilhou na conversa com Felipe:

1. Não invente moda na Bolsa

Este é um momento de muita incerteza, então não invente moda. Não está errado ter alocação em bolsa, mas tenha cautela.

É verdade que há coisas baratas, que a bolsa brasileira sentiu muito, fez um bom ajuste. E também é claro que as pessoas vão continuar tomando cerveja ou tendo conta em banco. A questão é que há uma enorme crise adiante, então pode perfeitamente cair um pouco mais. Provavelmente que sem aquela agressividade que vimos recentemente, mas é preciso observar um pouco mais antes de fazer alocações maiores.

O investidor tem que saber qual animal quer caçar na floresta, e esta não é a hora de ir atrás de bicho grande. Quando a incerteza é alta, é preciso assumir pouco risco.

2. A crises financeira é diferente da crise econômica

É possível dividir esta crise em duas, que têm momentos diferentes: a crise financeira e a econômica.

É razoável supor que estamos da metade para o fim da crise financeira, que se refere a esse período de brutal volatilidade, com chamadas de margem, um processo um tanto desordenado que deixa o sistema financeiro disfuncional por alguns dias.

Agora os mercados estão voltando à funcionalidade, até pela atuação dos bancos centrais. Isso não significa que vão ganhar preço, podemos inclusive estar longe do mínimo, mas cai a volatilidade.

Aí começa um período menos agudo, mas prolongado e talvez dolorido, que é a crise econômica. É possível que ela fique conosco por mais tempo do que a turma em geral está estimando.

Essa crise é muito diferente da de 2008, que foi uma crise bancária clássica, foi a 15ª vez que aconteceu na história documentada, tem um padrão mais conhecido. Temos de respeitar esta crise porque ela é completamente atípica, a gente não sabe o que vai acontecer. Se vai haver uma segunda onda na China, se a Europa vai seguir a tendência chinesa, se os EUA vão entrar em pânico, como o Brasil fica nisso tudo. Temos um grande desconhecimento.

3. A recuperação deve ser um V incompleto

Esta crise preocupa porque ela pode dizimar negócios pequenos e médios. Do restaurante à pousada, vários podem acabar feridos de morte. E essa consequência econômica ainda não está bem precificada.

Então talvez tenhamos uma recessão mais profunda. Alguns negócios podem não voltar ao normal, podemos ter um período mais duro. Deve fazer um vértice tão fundo que é difícil ter um V. Isso quer dizer que é claro que vai melhorar quando a gente sair dessa angústia médica, uma hora isso vai ficar para trás, mas que não volta aos patamares onde estávamos antes. Deve parar em algum lugar no meio do caminho e aí vai lentamente buscando o caminho acima. Deve surgir um novo normal, num patamar intermediário.

4. Cuidado com o câmbio

O mercado de câmbio é o mais incerto, o mais difícil. É muito frequente você estar certo mas o dinheiro acabar antes de a verdade aparecer. Para empresários, acho fundamental evitar o descasamento cambial, fazer hedge se tiver exposição. Ninguém tem modelo bom para câmbio.

Não há dúvida que o real está barato. Compare uma corrida de Uber no Brasil com nos EUA ou na Europa, aqui está muito mais barato. Ou jantar, ou cortar o cabelo, tudo muito descontado. E vamos continuar exportando, porque as grandes commodities agrícolas não tiveram grande oscilação de preço, enquanto importação vai cair e a conta de viagens, que estava muito negativa, vai a zero rapidamente. Isso deve valorizar o real.

Agora, veja só, como trader, no curto prazo, acho que o dólar sobe. Há um novo patamar de juros no Brasil que impacta o câmbio, e o mercado é quem vai dizer qual o novo patamar, não dá para modelar. Há também o fator de corrida no curto prazo para a segurança do dólar, que está se valorizando não só contra o real mas contra várias outras moedas.

Ou seja, pelo fundamento é bom comprar real a R$ 5,30, mas pode perfeitamente ir R$ 5,40 ou R$ 5,50, é difícil dizer. Vejo agora economista de banco fazendo projeção para o dólar no fim de 2021… Não dá nem para prever a próxima sexta-feira. É preciso agora ir navegando pelo curto prazo sem muita ambição de entender o longo prazo. O longo prazo vai ser uma soma de curtos prazos.

5. Há uma esperança nos trópicos

Tivemos a sorte de o Brasil ser uma das últimas regiões contaminadas, então a gente viu tudo que estava acontecendo e acho que, no nosso estilo, com alguns desencontros, estamos nos organizando.

Montamos hospitais de campanha, organizamos equipes médicas, educamos a população sobre o assunto. Claro que vai ser muito ruim, inclusive porque há poucos testes, mas aparentemente os números de internações não estão subindo tanto. Parece cedo para concluir, vamos saber melhor na próxima semana, mas parece que estamos achatando a curva.

Além disso, há uma esperança de que o clima impacte a proliferação da doença. Os países do Sudeste Asiático tiveram uma proliferação menor do que a China. Não tem tese comprovada, mas a gente sabe que o clima tem uma influência no ciclo das gripes.

O lockdown é necessário, infelizmente. Com o tempo vamos soltando gradativamente, vamos ter de usar o bom senso, não há fórmula matemática para isso.

O empresariado brasileiro é um dos mais treinados a viver com a adversidade. Aqui historicamente de tudo acontece: instabilidade, desvalorização, choque de atividade, choque de juros. Esse know-how pode ajudar agora.

Além disso, o Brasil tem algum espaço fiscal para responder, e o governo está usando isso. O que vai ser da Itália com 200% de relação entre dívida e PIB após a crise nós não sabemos, mas nós não estamos nesse patamar. O Banco Central vai dar liquidez. Acho que estamos na direção certa. Não vejo grandes ajustes a fazer na taxa de juros. Se eu estivesse sentado lá na cadeira, não faria. Se abaixar, o dólar vai explodir e vai ser contracionista.

COMO INVESTIR CONCRETAMENTE MEU DINHEIRO NESSE CENÁRIO?

Desde a sua criação, em 2014, a Carteira Empiricus quase triplicou o valor investido de seus assinantes passando pelas mais adversas condições de mercado e, sim, já considerando as quedas recentes.

Ela é comandada justamente pelo Felipe Miranda, que conversou com André Esteves nesta sexta-feira.

Veja o seu desempenho histórico, muito acima do CDI:

Se você quiser um portfólio cauteloso, conforme sugerido na live, que ofereça o melhor equilíbrio entre possibilidade de multiplicação do patrimônio e proteção, não há nada que poderia lhe servir melhor.

E hoje trago uma boa notícia: aceitar a ajuda e as instruções de Felipe Miranda, neste primeiro momento, não lhe compromete em nada. Você tem 20 dias para acessar a série sem assumir compromisso financeiro algum com a Empiricus.

O pacote inclui:

  • Special Report mensal de um portfólio completo e uma abordagem atualizada do cenário econômico;
  • Publicação semanal de acompanhamento;
  • Vídeos mensais explicativos sobre cada classe de ativos da Carteira;
  • Podcasts periódicos do Carteira Empiricus para você que não tem tempo de ler todas as publicações;
  • Plantões de dúvidas mensais pra você ter um contato mais de perto com nosso time e tirar eventuais dúvidas;
  • Canal no Telegram para você ter um contato mais rápido com os especialistas entre uma publicação e outra.

O preço regular da assinatura é de R$ 270 mensais.

Mas por meio do botão que vai aparecer abaixo, você pode entrar por apenas 12 vezes de R$ 83,25 na assinatura anual. Um desconto de 70% no valor. Porque as circunstâncias exigem.

QUERO EXPERIMENTAR POR 20 DIAS

E lembrando que você ainda tem 20 dias para ver todo o conteúdo sem compromisso. Se não gostar, pode cancelar sem problemas dentro deste período.

“Se você decidir não aceitar minha ajuda, tudo bem. Ainda assim tenho algumas recomendações: Aja com responsabilidade. E aproveite com responsabilidade. Depois de muito tempo, há sangue nas ruas. Você pode se machucar, ou pode aproveitar isso a seu favor. Cuidado com cada decisão”, diz Felipe.

QUERO EXPERIMENTAR POR 20 DIAS

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Entrevista

‘Desemprego alto e déficit público nos deixam cautelosos’, diz presidente da Whirlpool

CEO da fabricante das marcas Consul e Brastemp diz estar cauteloso para investir em produção e em relação à sustentabilidade da demanda, por conta de desemprego e da situação fiscal

Mercadores da noite

Bolsa, dólar e juros subindo: qual dos três está mentindo?

Quando a Bolsa, o dólar e as taxas de juros estão subindo ao mesmo tempo, um dos três está mentindo – qual deles será e o que fazer?

Infraestrutura

Novo marco legal para ferrovias vai a votação no Senado na próxima semana

Legislação promete organizar regras do setor e permitir novos formatos para a atração de investimentos privados

Telecomunicações

Operadoras cobram transparência do governo na definição da tecnologia 5G

Teles se dizem preocupadas com as “incertezas” relativas ao processo, depois de governo sinalizar banimento da chinesa Huawei

Recorde

Estrangeiros põem R$ 30 bilhões na bolsa brasileira em novembro

Trata-se de recorde de entrada de recursos estrangeiros em um mês, impulsionado pela migração de recursos para bolsas emergentes; movimento por aqui, porém, pode ser passageiro

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies