Menu
2020-06-14T14:40:47-03:00
Ricardo Mioto
Ricardo Mioto
Conteúdo patrocinado por Empiricus

Sergio Rial dá uma aula sobre o mercado

Presidente do Santander Brasil está otimista sobre a saída da crise do coronavírus e com o mercado brasileiro, que vê como muito barato, desde que o investidor tenha cautela e conheça os riscos

14 de junho de 2020
16:01 - atualizado às 14:40
Sergio Rial, presidente do banco Santander, na sede do Banco em São Paulo
Sergio Rial, presidente do banco Santander, na sede do Banco em São Paulo - Imagem: Murillo Constantino/Seu Dinheiro

Nesta semana que acabou, o presidente do Santander no Brasil, Sergio Rial, deu uma entrevista muito interessante a Felipe Miranda, estrategista-chefe da Empiricus.

Ele está otimista sobre a saída da crise do coronavírus e com o mercado brasileiro, que vê como muito barato, desde que o investidor tenha cautela e conheça os riscos.

Veja abaixo os principais pontos:

1) Está melhor do que o imaginado.

O coronavírus não se transformou em uma crise financeira. Eu tenho uma premissa: nunca ter a arrogância de ter certeza. Tento preparar o banco para qualquer cenário. Mas há alguns sinais de que, no hemisfério norte, a saída está sendo mais acelerada do que imaginávamos. Acho que vamos ter uma retomada mais forte no curto prazo.

2) É preciso olhar as fintechs além das mais famosas.

Fintechs criam uma nova cultura sobre como fazer negócios financeiros. Os chamados bancos tradicionais aprendem muito. Acho que existem oportunidades não necessariamente nos bancos digitais -- creio que eles vão perceber que pagar para adquirir cliente não é sustentável. Mas há outras outras plataformas inovadoras e muito interessantes. Um exemplo: uma empresa que liga produtor com comprador no agronegócio, desintermediando as tradings tradicionais.

3) O home office tem que ser bom para empregado e empregador.

O home office veio para ficar. Vai ser necessário definir KPIs que funcionem remotamente -- estar ocupado é diferente de ser produtivo; a pessoa pode começar às 7h e ir até as 20h, estar esgotado, mas não realizar nada relevante para o cliente.

No Santander, dentro de alguns setores, vamos implementar o home office voluntário. Uma condição é que a pessoa precisa estar ao menos uma vez por semana no escritório, senão perdemos a cultura, queremos que a pessoa permaneça conectada fisicamente.

Além disso, é preciso dialogar sobre um ponto: se o home office ajuda a pessoa a poupar tempo, deixar de gastar combustível, ficar com a vida mais fácil -- inclusive economicamente --, por que não dividir alguma coisa dessa melhora com a empresa? Desde que seja voluntário, por que não com algum ajuste de benefício ou salário? Vamos construir esse diálogo.

4) Um dia, tanto déficit vai ter um preço.

Sobre o coronavírus, há um aspecto importante: acho que tem um custo das políticas fiscais que ainda não foi completamente absorvido. Eu não acredito em déficit fiscal permanente sustentando equilíbrio social. O que sustenta equilíbrio social é crescimento. Eu sempre digo aqui no banco: qualquer empresa que não tem crescimento não pode ter política de RH, porque crescimento é o que gera oportunidade, senão é só dança das cadeiras. Um país sem agenda de crescimento não consegue permitir aos cidadãos progredir, crescer.

No caso do Brasil, a trajetória fiscal preocupa. Temos um vizinho, a Argentina, que é um país extraordinário, mas que vive permanentemente em busca de um equilíbrio social por meio de um déficit fiscal permanente que é financiado pela inflação. E a inflação é o grande motor de crescimento de pobreza.

Não podemos nos iludir. Temos um déficit fiscal importante.

5) Isso implica manter a agenda de reformas no Brasil.

A grande discussão não pode ser aumento de carga tributária. Já temos 35% do PIB [em tributos]. Temos de repensar isenções fiscais. Há um universo enorme de produtos financeiros com isenção fiscal, por exemplo. Não sei se deveríamos ter tantos.

Há também a necessidade de uma reforma administrativa. O Estado precisa custar menos. O coronavírus mostrou a importância do SUS, de um sistema integrado de saúde. Mas o Estado pode ser eficiente e menor. Além disso, não dá para ter o nível de disputa judicial tributária que temos. Isso é inexplicável. Não tem sentido.

Espero que o Congresso tenha a consciência. Estamos endividados. Ser pobre e endividado não é uma boa receita.

6) O Brasil está barato.

Está tudo muito barato no Brasil, não só pela posição do câmbio, mas pela fome de crescimento que o país tem.

Pode ter repique? Pode ter empresas saindo machucadas? Pode. Mas o Brasil tem um mercado de capitais a desenvolver. Precisamos ir de um milhão para de 10 a 20 milhões de investidores em Bolsa. Não vamos criar um capitalismo em cima de bancos: o Brasil é uma sociedade eminentemente de crédito, ainda. Uma hora ficará claro que boas ações de empresas sérias trazem melhor retorno do que deixar o dinheiro na poupança, que é um movimento que já estamos vendo: apesar da crise, o apetite por produtos de mercado de capitais não arrefeceu.

Agora: o investidor tem que ir com cuidado, entender o risco. Precisa entender que as coisas quebram. Se não olhar com atenção, está correndo risco de verdade.

Qual a melhor alocação? Quanto ter de cada ativo?

Se você quiser orientação para proteger seu patrimônio neste cenário incerto e fazê-lo crescer com consistência ao longo dos anos, a melhor coisa que pode fazer é assinar a Carteira Empiricus, que é o melhor produto da empresa.

A carteira liderada pelo Felipe Miranda, que comandou a entrevista com Rial, traz uma estratégia completa de investimentos, com recomendações balanceadas de ativos, a partir da análise de 35 especialistas da Empiricus.

A carteira existe desde 2014 e entrega desde então mais de 200% do CDI de rentabilidade. Há quase seis anos, portanto, a estratégia se prova resiliente, batendo qualquer outro fundo multimercado de grandes gestoras.

O molho secreto da Carteira Empiricus consiste na diversificação de ativos. Ela tem um portfólio diversificado com renda fixa, ações, fundos imobiliários e proteção com ouro, dólar e opções. Não se trata apenas de colocar os ovos em diversas cestas, mas de escolher os ovos certos.

Se você não gostar do produto, pode desistir em até 20 dias, e não gastará nenhum real.

Mais do que isso: você pode acessar a série por 20 dias sem compromisso e ver todos os ativos indicados, a alocação completa de todos os books, os podcasts e publicações e só depois decidir se quer continuar assinando.

QUERO CONHECER A CARTEIRA EMPIRICUS

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

prévias

Eztec tem queda de 48% nas vendas no quarto trimestre

Lançamentos da empresa atingiram R$ 380,8 milhões, chegando a R$ 1,150 bilhão no ano – 85% a mais do que no terceiro trimestre

seu dinheiro na sua noite

2 milhões de mortos, 2 trilhões em estímulos e uma queda de mais de 2%

Se a primeira semana de 2021 nos mercados refletiu o otimismo geral com o novo ano que se iniciava, com perspectivas de vacinação contra o coronavírus e recuperação econômica, na segunda semana do ano, os investidores optaram pela cautela. Por ora, 2020, o ano do qual todos queríamos nos livrar, ainda não ficou para trás. […]

FECHAMENTO

Atritos políticos e covid-19 voltam para assombrar o mercado e Ibovespa recua mais de 2%; dólar sobe forte

Existe uma certa desconfiança de que o plano de US$ 1,9 trilhão apresentado por Biden encontre dificuldades de ser aprovado pelo Congresso, ainda que o democrata tenha conquistado a maioria das duas casas. No Brasil, situação do coronavírus reacende a pressão sobre o cenário fiscal

match com o mercado?

Concorrente do Tinder, Bumble pode levantar US$ 100 milhões em IPO

Ações da empresa estreiam em fevereiro na Nasdaq; companhia, que é dona do Badoo, não deu lucro no ano passado

pandemia

Itamaraty confirma que Índia atrasará entrega de vacinas

Chanceler indiano atribuiu o atraso na liberação a “problemas logísticos” decorrentes das dificuldades de conciliar o início da campanha de vacinação no país de mais de 1,3 bilhão de habitantes

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies