Menu
Ricardo Mioto
Ricardo Mioto
CONTEÚDO PATROCINADO POR Empiricus

Caos no Brasil: hora de fugir para o exterior?

Se você nunca pensou em investir parte da sua carteira fora do Brasil, até como proteção, talvez devesse ouvir um pouco o que eles têm a dizer

26 de abril de 2020
14:42 - atualizado às 10:40
estados unidos eua pib dólar
Imagem: Shutterstock

Na sexta-feira, fiz uma live muito boa com três caras que entendem tudo de investimento no exterior: o Roberto Lee, CEO da Avenue, corretora nos Estados Unidos voltada para o público brasileiro, o William Castro Alves, estrategista-chefe da Avenue, e o João Piccioni, sócio da Empiricus e editor da série MoneyRider.

Você pode ver o vídeo aqui.

Se você nunca pensou em investir parte da sua carteira fora do Brasil, até como proteção, talvez devesse ouvir um pouco o que eles têm a dizer. Tem algumas conclusões da conversa que eu queria muito compartilhar com você. Estas são elas:

1) Não deixe que o câmbio faça você ficar esperando para investir fora do Brasil.

O câmbio nunca vai ser perfeito. “A gente às vezes fica muito preocupado em acertar o câmbio e perde oportunidades”, diz Will.

E nunca vai ser perfeito por uma questão macroeconômica. Quais são as situações em que as moedas de países emergentes como o Brasil ou a Turquia e a África do Sul ficam valorizadas perante o dólar?

Normalmente, é quando a volatilidade global está baixa, sem nenhuma crise no horizonte, e os investidores pelo mundo estão mais propensos a tomar risco, aplicando seu dinheiro nesses países. (Eles trazem dólares do exterior e os trocam pela moeda local, valorizando-a.)

O problema é que, quando esse dia chega, as ações já dispararam nos Estados Unidos, ou seja, o mercado não estará barato…

“Sei que é doloroso pensar que, poxa, vou pagar o dólar a R$ 5,35. Mas não adianta o investidor ficar esperando o dólar cair 5% enquanto a ação lá fora subiu 10%”, diz Will.

2) Ter ativos no exterior é uma forma de proteção.

Lee e Will apontam que muito da nossa vida no Brasil é dolarizada: da viagem de férias ao iPhone que compramos. Em situações de caos no nosso país, como a atual, não ter investimentos no exterior representa, portanto, um empobrecimento. Você simplesmente perde poder de compra para muito do que consome.

“Diversificar é se proteger. Comprar ações americanas não significa investir apenas na economia americana: estamos falando das maiores empresas do mundo, e elas próprias são diversificadas geograficamente. Pegue as vendas da Microsoft. Vai ter vendas no mundo inteiro. Para o investidor, ter Microsoft, portanto, é uma forma de mitigar o risco individual dos países”, diz João.

No final, lembra Lee, as empresas listadas nos Estados Unidos muitas vezes fazem mais parte da nossa vida do que as listadas no Brasil: só para citar algumas, pense em Apple, Nike, Google, Johnson & Johnson, Coca-Cola, Netflix ou Mastercard e Visa…

3) As perspectivas para os Estados Unidos são muito boas.

O governo americano vai injetar trilhões de dólares na economia. Isso deve impulsionar uma recuperação rápida naquele país. Mas, no longo prazo, não há aí grande risco de inflação nos Estados Unidos e de perda de valor do dólar?

“Se isso acontecer, qual vai ser a situação de quem está alocado nas principais empresas do mundo [na Bolsa americana]? Elas vão ter receitas espalhadas ao redor do mundo. Em um cenário inflacionário, a melhor proteção são as ações”, diz João. O dinheiro pode perder valor, mas os ativos reais (como as empresas, ouro, imóveis) atravessam a tempestade.

Lee concorda: “Na crise de 2008, o dinheiro em busca de proteção correu para cá [Estados Unidos], mesmo o epicentro da crise tendo sido aqui. A economia americana é muito resiliente.”

4) Há oportunidades em diversos setores e ações.

Empresas de tecnologia como Amazon, Facebook, Google, Apple e Microsoft são as que têm maior valor de mercado na Bolsa americana, em oposição ao mercado brasileiro, que tem poucas ações de tecnologia.

“Talvez o melhor hedge que você tenha de ter na sua carteira são as empresas de tecnologia. A capacidade de reinvenção desses caras é brutal, e cada novo passo é um salto no fluxo de caixa”, diz João.

Há ainda vários outros setores promissores, diz Will. “Você vai para o mercado americano para comprar coisas que não consegue acessar no Brasil. Biotecnologia, por exemplo: tem empresas procurando coisas a cura do Alzheimer, de vários tipos de câncer. Se algum deles acertar, eu quero surfar nesse crescimento.”

Além disso, há muitas oportunidades em ações específicas. Na live, eu perguntei, por exemplo, sobre ações como Tesla (Will prefere investir em outras ações atreladas ao mercado de carros elétricos), Disney (João está muito otimista com o Disney Plus, um streaming ao estilo Netflix) e Berkshire (“muito caixa e ótima gestão”, diz João, que recomenda a empresa de Warren Buffett).

Ok, você se convenceu sobre a importância de investir no exterior. Mas aí surgem as perguntas mais importantes: em quais ativos investir? Como fazer isso?

MoneyRider é a única série da Empiricus que ensina os brasileiros a investir no exterior. E fazer isso é muito fácil, tão fácil quanto comprar uma ação no Brasil.

João Piccioni vai guiá-lo em cada passo, desde a abertura de conta em corretora à compra de ativos no exterior.

Assinando o MoneyRider agora, você ganha vários bônus.

  • Bônus #1: Relatório especial sobre as 2 ações de tecnologia estrangeiras mais promissoras de 2020.
  • Bônus #2: Acesso completo ao portfólio completo do Money Rider, com todo o histórico de indicações de investimento.
  • Bônus #3: Canal do Telegram: O Telegram é um aplicativo de mensagens como o Whatsapp. Nele João mandará atualizações em tempo real para você.
  • Bônus #4: Publicações às segundas e quartas do Money Rider com o acompanhamento dos resultados de cada uma das indicações.
  • Bônus #5: Plantão de dúvidas mensal ao vivo, para tirar dúvidas e detalhar as sugestões.
  • Bônus #6: Guia especial Como Investir no Exterior Morando no Brasil.
  • Bônus #7: Guia especial Como Tributar seus Investimentos no Exterior.

E tem mais.

Você não vai precisar assumir nenhum compromisso financeiro para ao menos conhecer as 2 ações de tecnologia.

Bônus #8: 7 dias grátis para conhecer a série

Você terá 7 dias para ter acesso a todo esse material sem compromisso.

Você terá acesso completo à série MoneyRider. Se, por algum motivo, entender que aquilo não é para você, basta solicitar a interrupção do seu acesso dentro dos primeiros 7 dias e terá 100% do que gastou reembolsado o mais rápido possível.

Bônus #9: A Empiricus vai dar um bônus de 400 DÓLARES para você colocar essas duas oportunidades na sua carteira.

A Empiricus vai dar um desconto de R$ 2.200 (400 dólares) no custo da assinatura da série MoneyRider para que você pegue esse dinheiro e compre um pouco de cada uma das ações recomendadas.

Quanto vai custar o acesso após os 7 dias sem compromisso?

Como você pode verificar no site da Empiricus, um ano de assinatura do Money Rider é vendido em 12 parcelas de R$ 270. Nesta promoção exclusiva, a série, com todos os bônus listados acima, sairá por apenas 12 parcelas de R$ 83,25.

QUERO ACESSAR A CARTEIRA COMPLETA COM INVESTIMENTOS NO EXTERIOR

Nessa condição você economia R$ 2.239 sobre o preço da loja. O suficiente para começar a investir nos EUA. Sem contar todos os outros presentes que está levando de bônus. Se optar por pagar à vista no cartão de crédito, você ainda tem mais 10% de desconto.

Essa oferta deve se encerrar em breve.

QUERO ACESSAR OS 7 DIAS SEM COMPROMISSO

Conteúdo patrocinado

A conta do vírus: desemprego e insegurança econômica aumentam procura por renda extra

Com essa lista de empresas, títulos e fundos imobiliários especialmente selecionados, você pode garantir uma renda extra e ficar mais próxima da independência salarial

Conteúdo patrocinado

Como se expor ao risco de maneira controlada e com chances de ganhos exponenciais

Buscar ganhos homéricos na bolsa não precisa ser um jogo de tudo ou nada. Na realidade, essa está longe de ser a recomendação ideal. É muito raro que alguém fique rico na bolsa ou veja o seu patrimônio se multiplicar de forma expressiva sem expor alguma parcela dos seus investimentos em ativos de risco, capazes […]

Conteúdo patrocinado

Recuperação real ou ‘bull trap’? Como identificar as oportunidades na bolsa daqui para frente

A queda das bolsas começou no fim de fevereiro, indo a 63 mil pontos com o avanço do coronavírus e agora mostra uma recuperação. O pior já passou ou ainda é preciso cautela?

CONTEÚDO PATROCINADO

Na bolsa, vale trocar um diploma por um bife; veja as melhores ações

ir para a home Este conteúdo faz parte da assinatura As Melhores Ações da Bolsa, da Empiricus. Para continuar a ler este texto e ter acesso às melhores oportunidades de investimentos, basta clicar no link abaixo. Continuar a ler Já é assinante? Faça seu login aqui e acesse o conteúdo. Este projeto é uma parceria […]

Conteúdo patrocinado

A possibilidade real e IMEDIATA de gerar renda sem sair de casa

Se você já pensou um dia em ter um Plano B para construir uma vida financeira tranquila, a hora chegou.

Conteúdo patrocinado

Especialista em Microcaps conta quais ações podem disparar nessa crise – e mudar a sua vida financeira

Devido à crise, muitas ações estão com os valores descontados e você pode estar diante da maior oportunidade de ganhar dinheiro dos últimos anos

Fechar
Menu