Menu
SD Branding
CONTEÚDO PATROCINADO POR Empiricus

A Oi tem condições de se recuperar? Rodrigo Abreu, novo CEO da companhia, diz que sim

Rodrigo Abreu assume como presidente da Oi, uma das empresas com potencial de valorização na bolsa, e esclare dúvidas sobre o plano estratégico da companhia

31 de janeiro de 2020
8:06 - atualizado às 12:28
Imagem do prédio da operadora Oi
Imagem do prédio da operadora Oi, no bairro de Botafogo, na zona sul do Rio de Janeiro. - Imagem: Estadão Conteúdo/Paulo Vitor

Em recuperação judicial desde 2016, a situação da Oi é complicada, mas a companhia vem trabalhando para reverter o quadro. Os papéis da empresa estão na lista de Ações Exponenciais da Empiricus, que indica empresas com grande potencial de valorização na bolsa.

Em setembro do ano passado uma mudança significativa. A Oi conseguiu autorização judicial para seguir com o seu plano de transição e mudar o comando da empresa. O nome escolhido foi Rodrigo Abreu, membro do conselho de administração da Oi e ex-presidente da TIM.

Primeiramente como diretor operacional e depois como substituto de Eurico Teles, Abreu possui o desafio de guiar a Oi em seu plano de recuperação.

Em entrevista exclusiva à Empiricus Research, o atual presidente da companhia falou sobre os desafios que tem pela frente, o futuro das operações e dos papéis da Oi, a tão comentada venda da Unitel e os maiores riscos para o plano estratégico da companhia.

Potencial de recuperação

Antes de qualquer outra coisa, Abreu deixa claro que o desafio para a recuperação da companhia é complexo, mas que a Oi possui as condições necessárias para superá-los, tranformando-os em grandes oportunidades. "A montanha para escalar é grande, mas a recompensa também é".

Segundo Abreu, desde que o plano de recuperação foi aprovado, o cenário, antes marcado por problemas regulatórios, de governança, de estrutura de capital, além da falta de investimentos, começou a mudar. "A governança se resolveu - a empresa não tem acionista controlador, não existe acordo de acionistas e temos um time preocupado com a recuperação da empresa. Não tem mais a dívida que carregava e tornava a empresa insustentável", comenta.

O destaque para a manutenção da empresa durante esse período turbulento vai para a operação da companhia, mesmo em meio ao investimento limitado. O CEO classifica como 'surpreendente' a forma como a Oi foi capaz de manter a operação em funcionamento durante a turbulência.

A estrela da festa

No centro das discussões sobre o futuro da companhia está o seu potencial em ser líder no setor de infraestrutura e prestação de serviços de telecomunicações, seja eles diretamente ao consumidor final ou como intermediária para outras operadoras.

O futuro está na fibra óptica e a Oi parece ter vantagem estratégica sobre os seus concorrentes.

Segundo Abreu, o ativo de fibra óptica é um fator competitivo fenomenal, já que a Oi tem quase 200 mil quilômetros de estrutura a mais do que o seu concorrente mais próximo. "Chegamos a um número de cidades com fibra que nenhum outro competidor chega perto".

A empresa tem investido pesado em pesquisa e análise do setor. Pelos cálculos da companhia, excluindo o estado de São Paulo, são entre 30 e 40 milhões de consumidores potenciais para o serviço de fibra óptica. Devido ao grande alcance dos componentes, o custo de implantação na grande maioria das cidades pode ser menor do que o dos concorrentes.

A confiança na capacidade de penetração dos serviços da companhia é tão grande que o CEO acredita que em 10 anos todo o investimento realizado em fibra óptica irá se pagar e retornar de forma significativa para a companhia. O potencial de valorização do negócio de infraestrutura pode chegar a R$ 20 bilhões.

"A gente vê a Oi como a maior empresa de infraestrutura do país, participando ativamente de qualquer tipo de provimento de serviços de telecomunicações, seja como B2B, atacado, fibra ou indiretamente".

Venda de ativos

Na última semana, a Oi finalmente concluiu a venda de sua participação na angolana Unitel, por US$ 1 bilhão com algumas semanas de atraso, já que o esperado era que a transação fosse concluída ainda em 2019.

Rebatendo informações de que o valor acordado foi menor do que o esperado, Abreu disse que a Oi nunca falou em um número maior que US$ 1 bilhão e que a venda foi realizada dentro das expectativas da companhia.

Ainda comentando a venda de ativos, a operação móvel da companhia tem sido muito comentada por analistas, especialistas e imprensa como uma possível alternativa para os problemas de caixa da Oi. Segundo o COO, essa é sim uma estimativa estudada e que as projeções se encontram em linha com o divulgado pelos analistas.

Rodrigo confirmou que a empresa tem o seu guidance para 2020 100% coberto e que eles contam com a realização do plano de venda de ativos e de eficiência operacional para garantir grande parte de 2021. Tudo vai depender da habilidade da companhia crescer e ser mais agressiva. Então, a discussão sobre a operação móvel pode ficar para depois.

“Existe a possibilidade? Sim, existe a possibilidade. A gente já disse isso no planejamento estratégico. É algo de que a empresa depende? Não, não é algo de que a empresa depende.”

Ação ainda patina

Mesmo em meio ao noticiário positivo que ronda a empresa nas últimas semanas, como a venda da participação na angolana Unitel, investimentos, captação de R$ 2,5 bilhões em debêntures, venda de imóveis e ativos e o recebimento de R$ 669 milhões da Sistel por fundo de pensão, as ações ainda patinam e estão estacionadas.

"É importante destacar que nenhum investimento em telecom é um investimento de curto prazo. Não existe uma transformação de empresa em seis meses.Você não faz o turnaround de uma empresa de R$ 20 bilhões em seis meses, um ano. Você detecta tendências, aponta para o lado correto e começa a dar mostra e métricas de que o plano está andando na direção que você planejou."

O CEO vê a atual cotação dos papéis com grande influência de componentes técnicos. Segundo ele a ação esteve depreciada por muito tempo, com um risco "exageradamente colocado", o que levou as ações a serem utilizadas para negociações de curto prazo para realização. A expectativa é que em 2020 a companhia passe por uma mudança na base de acionistas, mudando o perfil do investidor para algo mais sólido.

Respondendo o questionamento de assinantes, Abreu disse não acreditar em uma possível manipulação de preços dos papéis, hoje negociados abaixo de R$ 1,00 e justificou as flutuações com o grande número de holders pessoa física. Mas ele não deixa de lado a especulação, que pode gerar uma potencial variação indevida.

Para evitar esse tipo de situação, a empresa hoje investe no fortalecimento de sua comunicação com o mercado. Tanto a área de relacionamento com a imprensa quanto com investidores passa por reforços. " Nada melhor do que uma comunicação transparente para evitar que essas possíveis especulações se amplifiquem".

Fora do radar

A Oi ainda é uma empresa em reestruturação que dá os seus primeiros passos em seu plano estratégico para retornar aos tempos áureos.

A companhia é só uma das várias empresas da bolsa que estão em situação semelhante de fusão, aquisição ou mudanças estratégicas na sua organização. A maior parte delas ficam fora do radar do mercado, mas podem surpreender os investidores. Assim como a Oi.

A Oi é uma das empresas da seleta lista de Ações Exponenciais, com os papéis com grande potencial de valorização e que podem turbinar os seus investimentos.

ACESSAR A LISTA COMPLETA

Além da lista completa das Ações Exponenciais, você também pode conferir a entrevista completa com o Rodrigo Abreu, CEO da Oi, e outros conteúdos exclusivos.

ACESSAR CARTEIRA RESTRITA

CONTEÚDO PATROCINADO

Como comprar um carro top pelo preço de um popular

Você pode comprar o carro dos seus sonhos por um preço justo. Mas também pode ganhar dinheiro. Estou falando de retornos de 30%, 40% ou 50%.

Conteúdo Patrocinado

A pior geração para ficar rico na Bolsa?

Hoje, as empresas morrem mais rápido do que há 50 anos; será que a estratégia de comprar ações e segurá-las por décadas ainda é um bom caminho?

Conteúdo patrocinado

Milionário em menos de uma década? Tudo é possível com uma estratégia vencedora

Se você acompanha o noticiário econômico já deve saber que a taxa básica de juro brasileira está na mínima histórica. Aplicações que antes garantiam um bom rendimento agora têm um retorno baixa. É hora de buscar outras alternativas para ganhar

Conteúdo patrocinado

O trader mais respeitado da Faria Lima dá um recado: a volatilidade dos mercados pode ser sua aliada

O que você acha de trocar os seus rendimentos pouco satisfatórios por um Sistema que busca dentificar os melhores trades do mercado?

Conteúdo patrocinado

Na hora de diversificar seu investimento, dê uma chance para as ‘surpresas positivas’

Ao alocar o seu dinheiro em posições diversas, com diferentes graus de risco e rentabilidade, você está diminuindo as chances de perder dinheiro e maximilizando o seu potencial de rentabilidade

Conteúdo patrocinado

O que as ações com maior potencial de alta da bolsa têm em comum?

Algumas companhias possuem um grande potencial de reviravolta. Isso faz com que a percepção do mercado sobre elas mude. Saiba como identificar essas empresas antes do preço explodir.

Conteúdo patrocinado

O segredo para lucrar muito comprando imóveis

Lerry Granville é especialista em ganhar dinheiro com imóveis e já lucrou muito aproveitando as melhores ofertas do mercado.

CONTEÚDO PATROCINADO

Ele comprou 182 imóveis em leilão a ‘preço de banana’ e ficou milionário; conheça a técnica

Chegou o momento que você vai saber como pode lucrar nos próximos 3 meses, comprando imóveis pela metade do preço

Fechar
Menu