Menu
2020-02-25T22:58:09-03:00
Fernando Pivetti
Fernando Pivetti
Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP). Foi repórter setorista de Banco Central no Poder360, em Brasília, redator no site EXAME e colaborou com o blog de investimentos Arena do Pavini.
Caiu mal

Hambúrguer indigesto? Ações do Burger King despencam 7% após empresa entregar resultados medianos

Resultados operacionais da rede de fast food preocupam os investidores; analistas do BTG, no entanto, enxergam resultado dentro do esperado

20 de fevereiro de 2020
15:34 - atualizado às 22:58
Burger King
Imagem: Shutterstock

A quinta-feira (20) veio com um sabor amargo para o Burger King. A gigante de fast food decepcionou o mercado ao entregar resultados financeiros fracos e levou suas ações ladeira abaixo na bolsa.

Por volta das 15h, os papéis ordinários da empresa (BKBR3) caíam mais de 7% no pregão da bolsa.

No quarto trimestre de 2019, o BK apresentou um lucro líquido de R$ 41,3 milhões, uma queda de 50,6% na comparação com o mesmo período do ano anterior. No ano, a empresa entregou lucro de R$ 48,5 milhões, uma forte queda de 62,1% quando comparamos com os R$ 128 milhões de lucro registrados em 2018.

  • Lucro líquido (4tri19): R$ 41,3 milhões (↓50,6%)
  • Lucro líquido (2019): R$ 48,5 milhões (↓62,1%)

Apesar da geração de caixa via Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) e da receita líquida terem subido tanto no quarto trimestre como no ano de 2019, alguns números operacionais do BK acabaram puxando o foco de preocupação dos investidores.

  • Ebitda ajustado (4tri19): R$ 171,2 milhões (↑36,6%)
  • Ebitda ajustado (2019): R$ 465,4 milhões (↑61,6%)
  • Receita líquida (4tri19): R$ 803,4 milhões (↑11,9%)
  • Receita líquida (2019): R$ 2,868 bilhões (↑22,1%)

De acordo com relatório divulgado pelos analistas do banco BTG Pactual, o cenário desafiador do mercado brasileiro seguiu complicando os números do Burger King no quarto trimestre do ano passado. O banco cita os desempenhos medianos nas vendas líquidas (R$ 803 milhões) e na margem Ebitda (16,4%) como prova dessa turbulência.

Mesmo fracos, esses resultados eram amplamente esperados pelos analistas do BTG, que disseram ter recebido o balanço sem grandes surpresas. Na visão deles, embora os próximos meses sejam persistentemente desafiadores para o BK, o sólido plano de crescimento e as perspectivas convincentes sustentam o otimismo com a empresa para os próximos anos.

O BTG recomenda compra das ações do BK, com preço-alvo de R$ 26 em doze meses. Hoje, a ação era negociada em torno dos R$ 16.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

10 notícias para começar o dia bem informado

O Banco Central derrubou ontem o juro brasileiro para uma nova mínima histórica, de 2% ao ano. Pelo recado do BC, o corte deve ser o último, mas a taxa deve permanecer baixa por um bom tempo. Não tem mais jeito: para ganhar dinheiro de verdade, o investidor precisará encarar a bolsa ou outros ativos […]

efeito coronavírus

Desemprego sobe para 13,3%, com nova queda recorde de ocupados

Segundo o IBGE, no trimestre encerrado em junho o comércio foi o setor mais afetado, com perda de 2,1 milhões de vagas; o número de desalentados bateu recorde

Resultados que mexem o mercado

Braskem, AES Tietê, SulAmérica, Totvs e BB: os balanços que movimentam o mercado nesta quinta

Resultados financeiros do segundo trimestre afetam mercado em meio à pandemia

Recorde à vista

Avaliada em US$ 1,88 trilhão, Apple supera o PIB do Brasil

O último balanço, que reflete o desempenho durante a pior fase da pandemia do novo coronavírus, surpreendeu investidores e fez as ações se valorizarem 14% desde então – o papel fechou ontem a US$ 440

Acordo pelo fim do desmatamento

Greenpeace acusa JBS de não cumprir acordo

De acordo com a ONG, a JBS e outros frigoríficos se comprometeram em 2009 a zerar o desmatamento de sua cadeia de suprimentos em até dois anos, o que incluía não ter nenhum fornecedor que trabalhasse em áreas desmatadas da Amazônia

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements