Menu
2020-02-21T18:39:06-03:00
Fernando Pivetti
Fernando Pivetti
Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP). Foi repórter setorista de Banco Central no Poder360, em Brasília, redator no site EXAME e colaborou com o blog de investimentos Arena do Pavini.
Tudo o que a gente quer ver

Ações das Lojas Americanas disparam mais de 7% com mercado digerindo seus resultados fortes em 2019

Visão dos investidores é de que a companhia entregou números consistentes e bastante satisfatórios

21 de fevereiro de 2020
15:12 - atualizado às 18:39
Lojas Americanas
Imagem: Wikipedia

A sexta-feira de carnaval veio com um gostinho especial para os acionistas das Lojas Americanas, que viram os papéis (LAME4) da empresa dispararem na bolsa após a divulgação do balanço anual na noite desta quinta-feira (20).

No fechamento do pregão, as ações preferenciais das Americanas subiram 7,68%, negociadas a R$ 28,90. No meio do dia, chegaram a registrar alta de mais de 9%.

A companhia registrou um lucro líquido de R$ 704,1 milhões no ano de 2019, número que representa uma extraordinária alta de 130,4% na comparação com o ano anterior. Grande parte do resultado se deve ao desempenho das Lojas Americanas no 4º trimestre de 2019, quando a empresa teve lucro líquido de R$ 596,6 milhões, alta de 143% na comparação com o mesmo período de 2018.

Todos os principais números vieram positivos. Em termos de receita líquida, a empresa alcançou R$ 18,662 bilhões em 2019, alta de 5,5%. Já a geração de caixa medida pelo Ebitda (Lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) fechou o ano passado em R$ 3,456 bilhões, alta e 10,9%.

  • Lucro líquido (2019): R$ 704,1 milhões (↑130,4%)
  • Ebitda (2019): R$ 3,456 bilhões (↑10,9%)
  • Receita Líquida (2019): R$ 18,662 bilhões (↑5,5%)

‘Tudo o que queremos ver’

Foi exatamente com essa frase que o banco Credit Suisse abriu seu relatório para comentar o balanço da Lojas Americanas. Os analistas se mostraram bastante animados com os números apresentados, destacando o forte desempenho da empresa no segmento de comércio online.

Apesar de estar em linha com as estimativas do banco, os números mostram que a companhia entrou em 2020 com bastante força e uma geração de fluxo de caixa bastante positivo.

Na visão do Credit, esse panorama traz uma base sólida para que as ações das Americanas entreguem resultados positivos nos próximos meses, que podem ser incrementados caso os números financeiros da empresa sigam em alta.

Conjunto consistente

Na mesma linha de análise do Credit Suisse, o banco BTG Pactual também recebeu de maneira positiva o balanço das Lojas Americanas. De acordo com os analistas, ainda que bons resultados trimestrais fossem esperados, “eles reforçam uma melhora nos negócios da companhia no último semestre de 2019”.

O BTG também ressaltou sua perspectiva positiva para os próximos resultados das Americanas, sobretudo no que tange o setor de comércio eletrônico. Essa visão sustenta a recomendação de compra dos papéis, com preço-alvo de R$ 28 em doze meses.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Pisando fundo

Mini-rali: Ibovespa desacelera na reta final, mas fecha em alta e acumula 10% de ganhos em dois dias

O Ibovespa ganhou terreno pelo segundo dia consecutivo, amparado pela menor percepção de risco político e pelos dados econômicos domésticos mais animadores — fatores que compensaram o viés mais cauteloso visto no exterior

Precisa ser mais rápido

Luiza Trajano diz que medidas foram adequadas, mas precisam chegar na ponta

Medidas adotadas pelo governo para combater o coronavírus foram adequadas, disse a presidente do Conselho do Magazine Luiza, a empresária Luiza Trajano

Ajuda de emergência

Caixa já tem 10 milhões de cadastros finalizados, diz presidente

Presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães atualizou na tarde desta terça-feira, 7, as informações sobre a procura por trabalhadores informais, autônomos e microempreendedores individuais (MEIs) ao cadastro para o recebimento do auxílio emergencial

Mais crédito

BCE anuncia medidas que flexibilizam garantias necessárias para empréstimos

Banco Central Europeu (BCE) anunciou nesta terça-feira, 7, um pacote de medidas que flexibiliza garantias necessárias para empréstimos, com o objetivo de ampliar a tomada de crédito em meio à crise trazida pelo novo coronavírus

Efeito covid-19

S&P muda perspectiva de positiva para estável de instituições financeiras do Brasil

S&P informou em comunicado que a revisão da perspectiva, de positiva para estável, dos ratings de 15 instituições do setor financeiro do Brasil

Efeitos negativos

Com coronavírus, setor de telecom e TI deve perder US$ 15 bilhões na América Latina

Setor de telecomunicações e tecnologia da informação vai interromper o ciclo de crescimento e encerrar o ano em queda devido à crise do coronavírus, de acordo com projeção da consultoria IDC

o baque da pandemia

Covid-19 faz comércio perder R$ 53,3 bi em faturamento, diz CNC

Estimativa sinaliza uma queda de 46,1% no faturamento do comércio varejista desde a introdução de medidas restritivas até esta terça-feira

ainda incipiente

EUA estudam aliança com BNDES para financiar investimentos, diz embaixador

Todd Chapman disse reconhecer a responsabilidade dos EUA no apoio ao sistema financeiro global, mas ponderou Trump exige “reciprocidade”

fala, secretário

É hora de tomar risco e fazer coisas para dinheiro chegar na ponta, diz Mansueto

De acordo com o secretário do Tesouro, o dinheiro não chegou ao BNDES ainda porque se perdeu tempo discutindo os termos do acordo

entrevista

‘As ações do governo têm de ser temporárias’, diz Eduardo Guardia

Ex-ministro da diz que é hora de deixar de lado diferenças políticas para acelerar medidas no combate aos efeitos da covid-19

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements