Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-02-21T18:39:06-03:00
Fernando Pivetti
Fernando Pivetti
Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP). Foi repórter setorista de Banco Central no Poder360, em Brasília, redator no site EXAME e colaborou com o blog de investimentos Arena do Pavini.
Tudo o que a gente quer ver

Ações das Lojas Americanas disparam mais de 7% com mercado digerindo seus resultados fortes em 2019

Visão dos investidores é de que a companhia entregou números consistentes e bastante satisfatórios

21 de fevereiro de 2020
15:12 - atualizado às 18:39
Fachada da Lojas Americanas (AMER3)
Imagem: Wikipedia

A sexta-feira de carnaval veio com um gostinho especial para os acionistas das Lojas Americanas, que viram os papéis (LAME4) da empresa dispararem na bolsa após a divulgação do balanço anual na noite desta quinta-feira (20).

No fechamento do pregão, as ações preferenciais das Americanas subiram 7,68%, negociadas a R$ 28,90. No meio do dia, chegaram a registrar alta de mais de 9%.

A companhia registrou um lucro líquido de R$ 704,1 milhões no ano de 2019, número que representa uma extraordinária alta de 130,4% na comparação com o ano anterior. Grande parte do resultado se deve ao desempenho das Lojas Americanas no 4º trimestre de 2019, quando a empresa teve lucro líquido de R$ 596,6 milhões, alta de 143% na comparação com o mesmo período de 2018.

Todos os principais números vieram positivos. Em termos de receita líquida, a empresa alcançou R$ 18,662 bilhões em 2019, alta de 5,5%. Já a geração de caixa medida pelo Ebitda (Lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) fechou o ano passado em R$ 3,456 bilhões, alta e 10,9%.

  • Lucro líquido (2019): R$ 704,1 milhões (↑130,4%)
  • Ebitda (2019): R$ 3,456 bilhões (↑10,9%)
  • Receita Líquida (2019): R$ 18,662 bilhões (↑5,5%)

‘Tudo o que queremos ver’

Foi exatamente com essa frase que o banco Credit Suisse abriu seu relatório para comentar o balanço da Lojas Americanas. Os analistas se mostraram bastante animados com os números apresentados, destacando o forte desempenho da empresa no segmento de comércio online.

Apesar de estar em linha com as estimativas do banco, os números mostram que a companhia entrou em 2020 com bastante força e uma geração de fluxo de caixa bastante positivo.

Na visão do Credit, esse panorama traz uma base sólida para que as ações das Americanas entreguem resultados positivos nos próximos meses, que podem ser incrementados caso os números financeiros da empresa sigam em alta.

Conjunto consistente

Na mesma linha de análise do Credit Suisse, o banco BTG Pactual também recebeu de maneira positiva o balanço das Lojas Americanas. De acordo com os analistas, ainda que bons resultados trimestrais fossem esperados, “eles reforçam uma melhora nos negócios da companhia no último semestre de 2019”.

O BTG também ressaltou sua perspectiva positiva para os próximos resultados das Americanas, sobretudo no que tange o setor de comércio eletrônico. Essa visão sustenta a recomendação de compra dos papéis, com preço-alvo de R$ 28 em doze meses.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

efeito pandemia

Sem peças importadas, indústria busca produção local, mas esbarra em custo

Escassez de produtos como máscaras e respiradores, que marcou o início da pandemia, depois se estendeu a semicondutores, insumos e autopeças e se agravou com o aumento dos preços

é possível, sim

O segredo para ser feliz no trabalho, segundo esta especialista

Beverly Jones, autora do “Find Your Happy at Work”, arriscou algumas respostas em entrevista recente e falou sobre desconforto, networking e tédio; veja abaixo

em família

Sobrinho-neto do bilionário Warren Buffett supera Berkshire Hathaway no ano

Ações da Boston Omaha, holding de capital aberto co-liderada pelo sobrinho-neto do bilionário, Alex Buffett Rozek, estão batendo os papéis da Berkshire Hathaway

novo serviço

Grupo pão de Açúcar vai fazer entrega para lojistas de seu marketplace

No próximo ano, a companhia passará a oferecer a possibilidade de que os lojistas virtuais armazenem produtos nos centros de distribuição do GPA

inovação

Varejo online agora quer conquistar a fronteira da venda de produto fresco

A partir do mês que vem, começa a funcionar no País uma startup mexicana de tecnologia do setor de supermercados que vai explorar exatamente esse filão

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies