Menu
2020-10-28T21:50:45-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Bons presságios

O que esperar para cada segmento do mercado imobiliário, segundo o BTG – e uma ação para ficar de olho

Em relatórios setoriais, analistas do banco dizem o que esperam para os resultados do terceiro trimestre das companhias ligadas aos diferentes segmentos do mercado; visão, em geral, é otimista

29 de outubro de 2020
6:00 - atualizado às 21:50
Quarentena imóveis
Imagem: Shutterstock

A temporada de balanços do terceiro trimestre de 2020 está nos mostrando quais empresas se saíram melhor do período mais agudo da crise do coronavírus durante o segundo trimestre. E um dos mercados que mais têm animado investidores e gerado perspectivas positivas é o setor imobiliário.

Os analistas do BTG Pactual Gustavo Cambauva, Elvis Credendio e Antonio Martins emitiram dois relatórios recentemente com as suas perspectivas para o setor como um todo e seus diferentes segmentos: shoppings, corporativo, logístico, residencial e pequenos escritórios e salas comerciais.

Eles destacaram alguns dados, falaram sobre as suas expectativas para os resultados do terceiro trimestre para as companhias do setor e até se mostraram particularmente otimistas com o balanço de uma companhia em específico: a construtora e administradora de condomínios logísticos LOG.

A visão dos analistas é otimista para quase todos os segmentos, com exceção dos pequenos escritórios e salas comerciais, que ainda vivem um momento de sobreoferta nos principais mercados (São Paulo e Rio).

As administradoras de shoppings ainda se encontram em uma situação delicada, embora já vejam melhora. A visão é mais positiva para os demais segmentos, sobretudo o logístico.

Veja a seguir a visão do BTG para cada um desses segmentos, de acordo com os relatórios setoriais:

Shopping Centers

As vendas estão se recuperando gradualmente e agora temos 100% dos shoppings reabertos. O foco, agora, deve ser nos horários de funcionamento, uma vez que muitas cidades ainda têm algum tipo de restrição, e tal fator é muito correlacionado com as vendas, diz o BTG.

Os analistas acreditam que os resultados do terceiro trimestre ainda devem ser fracos, uma vez que alguns shoppings ainda estiveram fechados em julho. Mas uma recuperação está a caminho.

"Esperamos uma queda significativa nas 'vendas mesmas lojas' e 'aluguéis mesmas lojas' (cerca de 40% de declínio para a maioria das companhias), mas acreditamos que setembro deve ser muito melhor, com vendas cerca de 20% abaixo dos níveis pré-covid (com outubro melhorando ainda mais). Em termos de vacância, esperamos uma leve alta de cerca de 100 pontos-base (o que ainda é baixo)", dizem os analistas.

Os dados do Índice Cielo do Varejo Ampliado (ICVA) mais recentes mostram que as vendas no Norte e no Nordeste já superaram os níveis anteriores aos da pandemia, e que as vendas no país estão pouco abaixo dos níveis pré-crise.

Apesar disso, o banco aponta um dilema: embora considere que os preços das ações do setor estão atrativos, não descarta a possibilidade de novos descontos em razão de vacância ou inadimplência.

Imóveis corporativos e logísticos

Na opinião dos analistas do BTG, os segmentos de imóveis corporativos e logísticos devem ter um terceiro trimestre de resultados melhores, uma vez que a maioria dos descontos e adiamentos de aluguéis concedidos no segundo trimestre já haviam sido removidos.

Os níveis de vacância e inadimplência também não aumentaram. "Na verdade, para o setor logístico, esperamos aumento da demanda por centros de distribuição (principalmente puxada por companhias de e-commerce). No segmento de escritórios, a demanda por novos espaços tem estado fraca, uma vez que a maioria das empresas está adiando investimentos", diz o relatório.

Para o BTG, o principal destaque positivo da temporada de balanços do terceiro trimestre deve ser a LOG, companhia que atua na construção e gestão de condomínios logísticos, em razão da "resiliência dos aluguéis de imóveis logísticos, redução da taxa de vacância e forte pipeline de novos projetos".

Imóveis residenciais

Os analistas destacaram dois dados: o Índice Nacional de Custos da Construção (INCC), índice de inflação calculado pela FGV, e a inadimplência dos financiamentos imobiliários.

O INCC foi de 1,50% no mês de outubro, sendo que os preços do item "materiais, equipamentos e serviços" tiveram alta de 3,04%. Os analistas do BTG acreditam que, embora essa alta possa pressionar os custos de construção, as construtoras têm sido capazes de repassá-los para os seus preços, uma vez que a demanda por novas moradias continua forte.

Quanto à taxa de inadimplência, o índice de agosto foi de 1,2%, inferior à taxa de julho, de 1,3%. Durante os primeiros meses da pandemia, a taxa chegou a cerca de 2,5%. Os analistas do BTG destacam que as taxas estão caindo a níveis mais confortáveis, abaixo da média histórica, apesar do ambiente macroeconômico mais desafiador.

Na visão do banco, a chamada "affordability" (acesso ao crédito imobiliário) nunca esteve tão boa, traduzindo-se em dados positivos de crédito em todo o setor. O fato de os financiamentos em média não ultrapassarem 70% do valor do imóvel também é visto como um fator conservador, o que reduz o risco sistêmico.

Pequenos imóveis comerciais

Já para os imóveis comerciais que não são de alto padrão, como pequenos escritórios e salas comerciais, o cenário já não é tão animador. Os analistas do BTG destacaram dados do Índice FipeZap, que se baseiam em preços anunciados para aluguel e venda de imóveis.

Em setembro, os preços anunciados de imóveis comerciais com até 200m² tiveram alta de 0,11% ante o mês anterior, mas os aluguéis anunciados tiveram queda de 0,22% na mesma base de comparação.

Nos últimos 12 meses, os preços de venda e aluguel tiveram recuos reais (descontada a inflação) de 3,9% e 4,2%, respectivamente (considerando-se um IPCA de 3,1%).

"Nos principais mercados, São Paulo e Rio, nós alertamos que os preços de venda dos escritórios recuaram, em um ano, 2,8% e 6,5% (em termos reais), enquanto que o retorno de aluguéis (valores dos aluguéis divididos pelos preços de venda) são de 5,4% e 4,9% ao ano, respectivamente", diz o relatório.

Segundo os analistas, o mercado de pequenos espaços comerciais ainda sofre com o excesso de oferta no Rio e em São Paulo. "E com um cenário mais difícil em meio aos impactos econômicos da covid-19, deve levar mais tempo para ver recuperação em preços ou aluguéis", dizem.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

PREÇOS EM ALTA

IGP-M sobe 3,28% em novembro e fica acima das estimativas

Índice referência para reajuste de contratos de aluguel acelera ante leitura de outubro e acumula alta de 21,97% no ano, diz FGV

Esquenta dos mercados

Tensão com vacina e otimismo com dados chineses se chocam; investidores locais monitoram IGP-M

O cenário de cautela e otimismo se chocam no exterior. De um lado, a China parece se recuperar do coronavírus, de outro, a pandemia ainda parece longe de um fim. Com feriado nos Estados Unidos, liquidez deve seguir baixa

capítulo final

Acionistas da Klabin aprovam acordo para encerrar pagamentos para uso da marca

Dona da marca que dá nome à empresa, Sogemar será incorporada, em acordo que envolve repasse de ações

NÚMEROS DA PANDEMIA

Covid-19: Brasil tem 171 mil mortes e 6,2 milhões de casos acumulados

Nas últimas 24 horas foram apurados 37.614 diagnósticos positivos para a doença e 691 óbitos, diz Ministério da Saúde

setor em crescimento

Magalu, Via Varejo ou B2W: quem ganha na disputa pelas vendas na Black Friday?

As três gigantes do comércio eletrônico devem crescer forte na Black Friday da quarentena, depois de um ano marcado pelo avanço do online

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies