Menu
2020-03-23T19:26:31-03:00
Felipe Saturnino
Felipe Saturnino
Graduado em Jornalismo pela USP, passou pelas redações de Bloomberg e Estadão.
Compre Vale

Vale é ‘abrigo’ contra a crise do coronavírus, diz BTG Pactual; confira as razões

Procurando por um alívio na carteira? A Vale possui baixa alavancagem e geração de fluxo de caixa livre robusta, além da expectativa de que volte a pagar dividendos ainda em 2020, diz o BTG

23 de março de 2020
12:52 - atualizado às 19:26
Navio da Vale
Imagem: Agência Vale

O ADR — recibo que representa ações e é negociado na Bolsa de Valores de Nova York (Nyse) — da mineradora Vale oferece características defensivas que podem amortecer um desempenho de baixa ou garantir performance relativamente superior à média de seus pares.

Esta é a visão do BTG Pactual apresentada em relatório nesta segunda-feira, 23, assinado pelos analistas Leonardo Correa e Caio Greiner. A mineradora é a escolha principal do banco em razão do seu perfil de "abrigo" para uma situação turbulenta como a atualmente vista nos mercados.

Embora refira-se ao ADR, a recomendação também é válida para as ações aqui na B3, já que a tendência é que as cotações andem juntas.

Segundo o BTG, ainda que seja tipicamente uma má ideia comprar ações ligadas a commodities no meio de uma recessão, a recuperação da China e a normalização dos negócios por lá são razões para o otimismo com a Vale.

"É incrível que até agora os riscos aos lucros parecem ser bem nulos para a companhia", diz o BTG, citando um descolamento entre o desempenho da ação e os fundamentos do mercado do minério de ferro.

Como explicar a boa perspectiva com a Vale? O BTG enumerou cinco motivos:

  1. Baixa alavancagem, com a relação entre dívida líquida-Ebitda em 0,5, o que minimiza riscos de insolvência;
  2. Indicação de geração de fluxo de caixa livre robusta, com provável Ebitda acima dos US$ 15 bilhões, colocando a empresa em um nível de rendimento perto de 20%.
  3. Fundamentos do minério de ferro mantêm-se com a mesma performance, mesmo em meio à normalização na China e os desafios agudos de oferta da commodity
  4. As baixas expectativas atuais: o BTG prevê queda para US$ 75 no preço da commodity (que até agora se manteve estável entre US$ 90 e US$ 95), sendo que a ação da Vale hoje implica o minério cotado a um preço menor, na casa dos US$ 50, nível hoje muito improvável;
  5. Os dividendos da mineradora, que, segundo o BTG, a Vale pode voltar a pagar no segundo semestre do ano.

O BTG espera que a Vale tenha um desempenho acima da média de seus pares no curto prazo. Nesta perspectiva, o ADR da companhia deve estreitar a diferença de desempenho em relação aos preços do minério, que têm se sustentado no mercado internacional — sem, portanto, apresentar ameaça aos lucros da empresa.

Deste modo, o banco avista ainda um potencial de alta para o ADR da empresa e recomenda compra. Ainda assim, o preço-alvo do ADR foi reduzido de US$ 15,50 para US$ 13 pelo banco, que antecipa que a diminuição do risco relacionado às ações ocorrerá gradualmente.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Fechamento

Dólar sobe, Eletrobras fecha em queda no exterior e ações de tecnologia sustentam alta de índices nos EUA

Renúncia de Ferreira Junior ao cargo de presidente da estatal brasileira afeta confiança dos investidores na privatização; S&P 500 e Nasdaq fecham em alta

SD PREMIUM

Segredos da bolsa: Ata do Copom é destaque em meio à preocupação com covid-19 e cenário fiscal

A queda do EWZ, o principal fundo de índice com ações brasileiras em Nova York, indica uma reabertura no vermelho para o Ibovespa na volta do feriado

Futuro da estatal

‘Temos dentro da Eletrobras profissionais capazes de me suceder’, diz Wilson Ferreira

Após deixar presidência, Wilson Ferreira responde se há conflito de interesse ao se manter no conselho da Eletrobras e, ao mesmo tempo, presidir a BR Distribuidora

Expectativas

Novo presidente da Eletrobras (ELET3) deve dar prioridade à privatização, diz Caio Megale

Após saída de Wilson Ferreira, analista afirma que ‘a privatização da Eletrobras tem sua importância pela sua situação atual e pelo seu grau de maturidade (para ser privatizada)’

Reformas

‘Vamos limpar a pauta, destravando o horizonte de investimentos’, diz Paulo Guedes

Ministro prometeu que o governo não irá aumentar impostos e reforçou que a atividade está se recuperando em ‘V’

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies