Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-03-19T11:42:03-03:00
Felipe Saturnino
Felipe Saturnino
Graduado em Jornalismo pela USP, passou pelas redações de Bloomberg e Estadão.
Compre estas

BTG Pactual recomenda compra de Vale, JBS e Minerva para navegar a crise

Companhias aéreas, varejistas e empresas com dívida em dólar sem proteção à variação cambial devem sofrer mais os impactos da crise, diz o BTG

19 de março de 2020
11:42
A mineradora Vale
Imagem: Shutterstock

Vale, JBS e Minerva são as escolhas preferenciais do BTG Pactual no mercado acionário do Brasil em meio à forte valorização do dólar, alimentada pela crise do novo coronavírus, escreveram Carlos Sequeira e Osni Carfi em relatório.

Neste cenário, manter papéis de exportadoras específicas — que se beneficiam da situação porque tem seus custos em real, mas suas vendas em dólar — na carteira como forma de exposição à variação da moeda é recomendado, disseram os analistas.

Segundo o BTG, "faz sentido" da mesma maneira estar exposto a ações de empresas ligadas à China, já que o país, epicentro inicial do coronavírus, também será o primeiro a se recuperar do choque negativo do coronavírus.

A demanda pelos produtos dessas três empresas, no caso, "é relativamente inelástica e o mundo não tem oferta de carne suficiente", diz o BTG. "Elas também diminuíram a alavancagem e melhoraram a liquidez do balanço patrimonial nos anos recentes."

Enquanto isso, companhias aéreas como Gol e Azul são as mais prejudicadas por um dólar alto, uma vez que o grosso de seus custos é em dólar, mas as suas vendas ocorrem em real — além de sofrerem com uma massiva redução na demand apor seus serviços.

A M. Dias Branco também deve sofrer o impacto da alta da moeda, posto que a maioria de seus custos em dinheiro são dolarizados, enquanto seus produtos são vendidos localmente, diz o banco. Entre as varejistas, Renner (com custo de produtos vendidos de 25%) e C&A (de 28%) também devem ter suas margens pressionadas, considerando que possuem parte de seus custos em dólar.

Outros perdedores da crise são companhias com dívida denominada em dólar sem proteção à variação cambial. Este é o caso de empresas como Oi (com 53% da dívida em dólar), Sabesp (49%) e Cemig (43%), diz o BTG.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

O melhor do seu dinheiro

O que mexe com seu dinheiro: investimentos com a nova Selic, adversário do Bitcoin e outras notícias

É muito comum que nós, jornalistas que cobrimos economia em geral, façamos em algum momento uma espécie de “plantão tira dúvidas” sobre o assunto para amigos e familiares. No caso das taxas de juros, o maior interesse está nas questões mais práticas, ou seja, como essa tal de Selic vai mexer diretamente nos nossos bolsos. […]

Oportunidade

Raízen (RAIZ4) está barata e pode subir 75% após o IPO; entenda os motivos

Gigante do ramo de biocombustíveis estreia na bolsa no dia 5 de agosto e pode se multiplicar exponencialmente diante de três frentes de negócio que a empresa está expandindo

Coluna do jojo

Mercados hoje: resultado da Petrobras e pós-Copom — qual será o digestivo necessário?

Dando sequência à temporada de resultados, teremos mais nomes no Brasil e lá fora. O destaque, porém, fica para a Petrobras, que brilhou ontem (4) na divulgação de seus resultados, surpreendendo com lucro 68% maior que a mediana das estimativas

Escalada dos juros

Credit Suisse já fala em Selic a 8,25% no fim de 2021

Os economistas Solange Srour e Lucas Vilela esperam que o BC promova mais três altas consecutivas de 1 ponto percentual nos juros nas próximas reuniões

Aprovação do vice

Reforma Tributária: vice-presidente defende cobrança de impostos sobre dividendos

Para Hamilton Mourão a tributação sobre lucros e dividendos tornaria o sistema tributário brasileiro mais justo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies