Menu
2019-10-13T07:16:04-03:00
Naiana Oscar
Naiana Oscar
Naiana Oscar é jornalista freelancer. Formada pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e com MBA em Informação Econômico-Financeira e Mercado de Capitais no Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Foi subeditora de Economia do Estadão. Trabalhou como repórter no Jornal da Tarde, no Estadão e na revista Exame
BACK TO THE GAME

O bilionário André Esteves e sua incrível capacidade de voltar ao jogo

Conheça a história do banqueiro que começou como garoto-prodígio, fez fortuna no mercado financeiro, já foi preso e está de volta

13 de outubro de 2019
7:07 - atualizado às 7:16
André Esteves, bilionário fundador do banco BTG Pactual
André Esteves, bilionário fundador do banco BTG Pactual - Imagem: CLAYTON DE SOUZA/ESTADÃO CONTEÚDO/AE/

Se é verídica a história de que a sigla BTG, nome do banco de investimentos criado por André Esteves, surgiu das iniciais de Back to The Game (de volta ao jogo), ninguém sabe ao certo.

O próprio banqueiro nunca admitiu essa versão. Virou lenda, mas bem que podia ser verdade. O suposto acrônimo casa bem com as idas e vindas triunfantes de um dos homens mais ricos do Brasil - que figura desde 2011, ininterruptamente, na lista de bilionários brasileiros da revista Forbes. Hoje ele tem uma fortuna de US$ 3 bilhões - e é o oitavo mais rico.

O “retorno” mais recente de André Esteves se deu no fim do ano passado. Em 2015, sob suspeita de tentar obstruir as investigações da Lava Jato, ele ficou preso por 23 dias em Bangu, no Rio, e foi afastado do bloco de controle do banco.

Por três anos e meio, o BTG enfrentou uma crise de confiança que o obrigou a vender ativos e mudar o comando. Com a corrida de clientes para transferir aplicações após a prisão de Esteves, o banco passou adiante o suíço BSI, comprado cinco meses antes, se desfez de participações em empresas como Rede D’Ór, Recovery Consultoria, Equatorial Energia, e vendeu parte de sua carteira de crédito.

Em dezembro de 2018, depois de ser absolvido, a pedido do próprio Ministério Público Federal, por falta de provas, o bilionário voltou à condição de controlador do BTG. Hoje, ele detém 39,7% das ações ordinárias e 29% do capital total da BTG Pactual Holding, que controla o banco.

Mas na verdade, ele já vinha dando as cartas por ali desde 2016, quando se tornou consultor sênior da instituição financeira. A retomada do controle só coroou o “Back to The Game”. No início deste ano, Esteves voltou a ter uma agenda pública, marcando presença na posse do ministro da Economia Paulo Guedes, que foi um dos primeiros chefes do banqueiro, no antigo Pactual. Dias depois, viajou para o Fórum Econômico Mundial em Davos.

Uma reportagem do Valor Econômico de fevereiro deste ano mostra que o conservadorismo que prevaleceu no BTG durante os anos de crise já deu lugar à ousadia nata de André Esteves. O banco havia se comprometido com investidores a vender sua participação de 50% na  PetroÁfrica, adquirida da Petrobras em 2013 e alvo de polêmicas na Lava Jato, mas Esteves decidiu não sair do negócio.

No fim do ano passado, também foi ideia dele participar da compra da Editora Abril, em recuperação judicial. O advogado Fábio Carvalho comprou o controle da editora com dinheiro do BTG.

Sob o comando de André Esteves, de janeiro até agosto deste ano, o banco viu seus papéis se valorizarem 170% na bolsa. Nos últimos dois meses, no entanto, as ações do BTG acumulam queda de 24% - primeiro por conta de mais uma fase da Operação Lava Jato, que apura supostos crimes de corrupção envolvendo o banco e a Petrobras na exploração do pré-sal.

  • O Seu Dinheiro publica aos domingos a segunda temporada da série Rota do Bilhão, que conta a história dos homens maiores bilionários do Brasil. Você pode receber cada episódio em seu e-mail se cadastrando aqui.

Mais recentemente, no início de outubro, uma nova operação foi deflagrada pela Polícia Federal para investigar informações obtidas na delação do ex-ministro Antonio Palocci de que Esteves teria recebido de forma antecipada informações confidenciais sobre a taxa básica de juros do país, a Selic, o que teria lhe rendido milhões.  O banqueiro nega e diz que a delação de Palocci é “desacreditada”.

Durante os governos do PT, Esteves se aproximou do ex-ministro, agora delator, e de Guido Mantega. Sua habilidade para se relacionar com políticos e ao mesmo tempo atrair empresários para a órbita do BTG fizeram o banqueiro construir uma trajetória sem precedentes no mercado financeiro brasileiro. Ele sempre foi ambicioso e agressivo nos negócios.

A Disneylândia de Esteves

Filho único, André Esteves veio de uma família de classe média no bairro da Tijuca, na zona norte do Rio. Formado em Matemática, com especialização em informática,  começou no mercado financeiro quando ainda era estudante. Em 1989, Este­ves viu um anúncio do banco Pactual, que queria contratar jovens em início de carreira. “Para mim, aquilo era a Disneylândia”, disse em entrevista à revista Exame, em 2012 sobre o quanto se encantou com o modelo de gestão do banco.

O Pactual foi fundado em 1983 por  Luiz Cezar Fernandes, Paulo Guedes e André Jakurski, seguindo a mesma linha do banco Garantia do bilionário Jorge Paulo Le­mann. Iniciantes, como Esteves, começavam bem debaixo e tinham que seguir a cartilha da meritocracia para se dar bem ali dentro.

Em suas palestras, ao lembrar desse começo, o banqueiro diz que seu primeiro dia no mercado financeiro terminou com 100% de perda. Ele tinha acabado de comprar um Gol em 24 prestações, mas não tinha dinheiro para pagar o seguro. O veículo foi roubado em seu primeiro dia no Pactual. “Fiquei sem carro e ainda tive que pagar todas as prestações que faltavam”, conta. “Minha única opção era trabalhar para pagar a dívida.”

O estudante começou consertando computadores, mas logo chamou a atenção dos sócios e foi promovido para a operação da mesa de renda fixa do banco. Fernandes já relatou em entrevistas que gostou do novato porque, assim como ele próprio, Esteves não vinha de famílias tradicionais, nem tinha estudado para atuar no mercado financeiro.

Na primeira segunda-feira depois da promoção, Esteves já achou que seria demitido. Ao chegar para trabalhar, não havia dinheiro para investir, já que o Plano Collor havia sequestrado a dívida pública do País.

Ele começou a estudar o novo plano econômico e sugeriu aos diretores a criação de um fundo que investiria em Fundos de Aplicação Financeira (FAFs) de grandes instituições. Não demorou muito para que o analista de sistemas começasse a comandar a equipe de renda fixa do Pactual.

Aos poucos, com o dinheiro que ganhava (e ele sempre soube ganhar dinheiro), Esteves foi comprando participação no banco de Fernandes. Na década de 90, os três sócios começaram a divergir sobre o futuro da instituição financeira.

Guedes e Jakurski saíram do negócio por discordar dos planos de Luiz Cezar Fernandes, que queria transformar o Pactual em um banco de varejo, ao mesmo tempo em que começou a investir em outras empresas, principalmente do setor industrial. Foi um desastre e, em 1998, o banqueiro estava praticamente quebrado.

André Esteves e outros sócios mais jovens do Pactual - Eduardo Plass, Gilberto Sayão e Marcelo Serfaty - bolaram um plano para socorrer Fernandes e tomar o controle do banco. Em 1998, ele emprestaram dinheiro para o antigo chefe em troca de sua saída.  “Sempre tive consciência de que ele venderia a mãe para ter o poder”, disse Fernandes à revista “Piauí” em 2006.

Com os novos sócios no comando, o Pactual virou uma potência como banco de investimentos, atraindo o interesse do UBS.  Em 2006, André Esteves vendeu o Pactual para os suíços por US$ 2,6 bilhões e se tornou o mais jovem bilionário do Brasil a fazer sua própria fortuna.

Foi um dos maiores negócios feitos no País naquela época, dando origem ao UBS Pactual. No ano seguinte, o brasileiro se mudou para Londres para comandar a área de venda e trading global de renda fixa do banco suíço. Era pouco para André Esteves. Primeiro, ele tentou converter o pagamento que receberia pela venda do Pactual em ações do banco suíço, mas foi impedido pelo amigo Gilberto Sayão. Depois, tentou recomprar o Pactual por US$ 5 bilhões, mas a proposta foi recusada. Sorte dele.

Em 2008, Esteves deixou a operação suíça para criar o BTG - que significa oficialmente Banking and Trading Group, mas que também poderia ser a sigla para “Better than Goldman”, uma brincadeira que ele faz em referência ao Goldman Sachs.  No mesmo ano, a crise financeira global derrubou o preço dos ativos e abriu caminho para que o brasileiro comprasse o Pactual de volta por US$ 2,5 bilhões. André Esteves estava de volta ao jogo, e em grande estilo.

À frente do BTG Pactual, o bilionário liderou uma série de aquisições, entre hospitais, postos de gasolina, farmácias, redes de estacionamento, academias de ginástica. Em 2012, a abertura de capital da instituição foi uma das maiores da bolsa brasileira até então. Hoje, seu banco vale R$ 51 bilhões - mesmo após a Lava Jato.

Entre os nomes que estiveram com ele desde o início dessa empreitada, está o economista Persio Arida, ex-presidente do Banco Central. Foi ele que assumiu o comando do banco em 2015 depois da prisão de André Esteves e evitou uma fuga de recursos que poderia ter quebrado a instituição. Arida vendeu suas ações em 2017 para se dedicar à vida acadêmica.

Um jeito peculiar de fazer negócio

André Esteves também se envolveu em polêmicas. Reportagem da revista Exame, de 2012, dá um exemplo interessante de como o banqueiro costuma fazer negócio.  Depois de se aproximar da família Amaro, ele conseguiu o mandato para conduzir a fusão da aérea brasileira TAM com a chilena LAN e acertou que sua remuneração seria atrelada à valorização das ações da TAM.

Na mesma época, Esteves entrou para o conselho de administração da companhia. Os conselheiros viram conflito de interesses na jogada do banqueiro: era a raposa dentro do galinheiro. Um ano depois, com o anúncio da fusão, as ações da TAM dispararam, rendendo uma comissão milionária a Esteves, quase 20 vezes maior que a de outros assessores financeiros que participaram da mesma transação.

É natural que quem aposte tão alto no mercado também perca alguns milhões no meio do caminho. A Sete Brasil, fabricante de sondas para exploração de petróleo, foi criada em 2010, com aporte de R$ 8,3 bilhões dos sócios BTG, Petros, Previ, Funcef e Petrobras. Com a queda do preço do petróleo e a operação Lava Jato, a empresa entrou em recuperação judicial.

Esteves também teve prejuízo com o império X, do ex-bilionário Eike Batista. Quando a Eneva, empresa de energia do grupo, pediu recuperação em 2014, o BTG Pactual tinha R$ 860 milhões de créditos a receber.

Em suas palestras, André Esteves costuma dizer que problemas e dificuldades são apenas oportunidades para empreender.“Toda segunda-feira quando chego ao escritório sei que farei muitas besteiras naquela semana.” Ele gosta de citar um estudo da Universidade de Harvard que analisou 5 mil planos de negócios de países e de modelos diferentes. Apenas três, segundo o banqueiro, teriam seguido o plano à risca e obtido sucesso. “É preciso ter flexibilidade para se adaptar às realidades e às mudanças do mercado.”

Seu mais recente movimento nesse sentido chama-se BTG Pactual Digital, um banco de varejo digital voltado para as massas. O objetivo é chegar a uma participação de 10% no total de investimentos financeiros de clientes de varejo e private banking, que totalizaram R$ 2,8 trilhões em 2018. Alguma dúvida de que André Esteves vai  tocar o terror no mercado para chegar lá?

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Estudo

Fundos imobiliários ou ações de properties: qual a melhor forma de investir no mercado imobiliário?

Estudo da gestora RBR mostra que fundos são mais eficientes para investimento imobiliário do que empresas que administram imóveis, mas o melhor veículo pode variar caso a caso.

SEXTOU COM RUY

Onde colocar seu dinheiro se a poupança está uma merda?

Portanto, se o rendimento da poupança está uma merda, não se preocupe, porque isso significa que esse é justamente o melhor momento para investir em ações

Oportunidade para o investidor

Conselho da Iguatemi aprova emissão de R$ 264 milhões em debêntures

Trata-se da oitava emissão dos títulos pela empresa, que serão negociados em série única e vinculados a uma emissão de CRI

Seu Dinheiro na sua noite

O que mudou e o que não mudou na bolsa

Quando surgiram as primeiras notícias sobre o surto do coronavírus na China, havia poucos elementos para afirmar se estávamos ou não diante de uma crise de saúde de proporções globais. Hoje já não temos mais dúvidas disso. A dolorosa queda de 7% da bolsa na quarta-feira de cinzas marcou a passagem da incerteza que tínhamos […]

É dólar na veia

Na luta para conter o dólar, Banco Central anuncia oferta de US$ 1 bilhão em contratos de swap nesta sexta-feira

Negociação será realizada na bolsa entre 9h30 e 9h40 e deve contemplar até 20 mil contratos

Dados do Banco Central

Reservas internacionais subiram US$ 976 milhões no dia 26 de fevereiro, para US$ 360,578 bilhões

Resultado reflete sobretudo a oscilação do valor de mercado dos ativos que compõem as reservas

Menor nível em quatro meses

Pressionado pelo coronavírus, Ibovespa cai mais 2,59% e fecha na mínima do dia; dólar sobe a R$ 4,47

O mercado até ensaiou um movimento de recuperação no meio da tarde, mas a cautela com o surto de coronavírus prevaleceu, derrubando o Ibovespa — apenas quatro ações do índice fecharam em alta. O dólar cravou mais uma máxima

No radar

Abimaq diz não ter dado que indique desabastecimento por causa do novo coronavírus

Setor de máquinas está promovendo ações preventivas para evitar qualquer risco de desabastecimento

Negócio em aberto

Bayer concorda com nova revisão sobre aquisição da Monsanto

Empresa vai permitir que um especialista independente revise suas regras e examine os seus principais negócios

Enchentes

Chuvas de fevereiro dão prejuízo de R$ 203 milhões ao comércio do sudeste, diz CNC

Mais da metade do rombo foi concentrado no Estado de São Paulo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements