Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-03-07T12:23:12-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
Otimismo...

Mercado animado! Pesquisa do BTG aponta que 73% dos agentes esperam bolsa acima de 100 mil pontos até fim do ano

E para 71% dos entrevistados, a reforma da Previdência deve ser aprovada no segundo semestre de 2019

7 de março de 2019
12:23
Bull market na bolsa
Imagem: Shutterstock

Apesar dos últimos dias de bolsa um pouco instável e de queda, o otimismo do mercado financeiro para o Ibovespa até o fim do ano está apostando na alta, bem bullish. Pelo menos foi isso o que mostrou uma pesquisa divulgada, hoje (7), feita pelo BTG Pactual durante o 20º CEO Conference na semana passada.

Para os investidores entrevistados, 73% deles disseram que a bolsa deve ultrapassar os 100 mil pontos até o fim de 2019. Mas há quem esteja apostando além. Para 29% dos investidores, o Ibovespa tem chances de ultrapassar até mesmo os 110 mil pontos até dezembro deste ano.

Mas onde investir? Para 86% dos entrevistados, na lista de apostas dos ativos que vão garantir os maiores retornos em 2019 estão as ações. Em seguida, estão a renda fixa e as commodities com 5%. E depois em percentuais menores, estão o câmbio e outros tipos de investimentos.

Previdência já

Mas o otimismo não parou por aí. Ainda que a pesquisa tenha sido feita antes dos últimos acontecimentos, a expectativa é que a reforma da Previdência seja aprovada no Congresso até o segundo semestre de 2019 para 71% dos entrevistados.

E há quem diga que ela poderá ser aprovada até o meio do ano, assim como falaram 25% dos entrevistados. Apenas 4% dos investidores apostaram que toda a tramitação necessária para a aprovação nas duas casas deve ocorrer apenas em 2020.

Porém, há riscos. Na visão de 50% dos investidores, o maior risco deve ser a coordenação política. Em seguida, 27% dos entrevistados estão mais inseguros com o baixo impacto da reforma da previdência em termos fiscais. Depois, com a demora da retomada econômica e com divergências entre as equipes econômicas e políticas, com 12% e 11%, respectivamente.

Pós-previdência

Depois da reforma mais urgente, 61% dos entrevistados disseram que o governo deve priorizar a reforma tributária. Em seguida, 27% falaram que a prioridade devem ser as privatizações e depois alguns falaram sobre autonomia do Banco Central, reformas menores e outros temas.

Já as maiores fontes de preocupação externas são a recessão global para 35% dos entrevistados, seguido pela desaceleração da China com 25%. Na sequência, está a intensificação do trade war entre EUA e China, seguido pela inflação dos Estados Unidos e o risco geopolítico.

Economia

Com relação ao crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), a estimativa dos investidores presentes é que ele permaneça entre 2% e 3%, para 77% dos entrevistados. Já 16% dos ouvidos acreditam que ele pode ficar abaixo dos 2%.

O câmbio também seguir em linha com as expectativas atuais e ficar entre US$ 3,50 e US$ 3,75 para a maior parte dos investidores.

Já no quesito taxa básica de juros, os investidores entrevistados estão de acordo com as perspectivas do mercado. Para 44%, a Selic deve ficar em 6,5%. E para 45% dos entrevistados, ela deve sofrer novos cortes e ficar em 6% ou até mesmo abaixo desse valor.

 

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

próximos anos

Eletrobras aprova em conselho plano de negócios com desinvestimentos de R$ 41 milhões

Entre as medidas previstas está a avaliação de oportunidades para efetuar a gestão dos passivos provenientes de dívidas do Sistema Eletrobras

temporada de resultados

Lucro da Alpargatas, dona da marca Havaianas, cresce 228,7%, R$ 111 milhões

Receita líquida da companhia saltou 71,4% sobre igual intervalo de 2020, para R$ 1,095 bilhão, ao mesmo tempo em que os volumes registraram crescimento de 57%

seu dinheiro na sua noite

As corridas da bolsa e do dólar — e a frustração dos investidores na linha de chegada de julho

Nove em cada dez operadores do mercado financeiro juram, de pés juntos, que o último pregão do mês costuma ser positivo. Ora essas, é a data limite para o fechamento das lâminas de desempenho mensal dos fundos e das carteiras de investimento — e é claro que todo mundo quer estampar o melhor resultado possível. […]

decisão temporária

CVM suspende oferta de recebíveis que financiaria cooperativas do MST

Decisão da autarquia vale por 30 dias; CVM diz que a oferta não apresenta informações consideradas essenciais para os investidores

FECHAMENTO DA SEMANA

Ameaça ao teto de gastos e derretimento do minério de ferro afundam o Ibovespa em mais de 3%; dólar vai a R$ 5,20

Com a pressão das ameaças político-fiscais e a queda brusca do minério de erro, a bolsa brasileira amargou uma queda de mais de 3%. Já o dólar voltou a ser negociado na casa dos R$ 5,20

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies