Menu
2019-03-08T18:05:29-03:00
Estadão Conteúdo
Jornal gringo de olho na Previdência

Financial Times cita “xixigate” e pergunta se agenda de costumes prejudicará reformas

Em reportagem espercial, publicação britânica lança temores de que Bolsonaro esteja excessivamente concentrado em disputas digitais desnecessárias

8 de março de 2019
18:05
Jair Bolsonaro
Certas frases, conforme o FT, podem definir presidências - Imagem: Shutterstock

O jornal britânico de economia Financial Times publicou nesta sexta-feira, 8, uma reportagem sobre o Brasil em sua versão online que traz uma pergunta sobre a recente atuação do presidente: as "Guerras de cultura" de Jair Bolsonaro vão prejudicar as reformas econômicas do Brasil?". O texto do FT salienta que o "xixigate" aumenta os temores de que o presidente esteja excessivamente concentrado em disputas digitais desnecessárias.

Certas frases, conforme o diário, podem definir presidências. O presidente dos EUA, John F. Kennedy, disse: "Não pergunte o que seu país pode fazer por você, pergunte o que você pode fazer pelo seu país."

Nesta semana, Jair Bolsonaro, o novo presidente do Brasil, cunhou algumas frases reveladoras, segundo a publicação. "Não me sinto confortável em mostrar, mas temos que expor a verdade", escreveu em um tuíte ligado a um vídeo obsceno. "É isto que tem virado muitos blocos de rua no carnaval brasileiro", acrescentou o presidente.

O site salientou que críticos pediram ao Twitter que banisse o presidente da rede social ou que o Congresso abrisse processo de impeachment por causa do "xixigate". Também que defensores elogiaram sua "razoabilidade". Um conselheiro leal defendeu o tuíte como uma demonstração corajosa de degeneração pública - validando assim o apelo de Bolsonaro às armas por valores familiares e pela moralidade cristã tradicional.

Se o objetivo de Bolsonaro era desviar a atenção do público de outros problemas, ou revidar as sátiras carnavalescas feitas em relação a sua presidência e pessoa, de acordo com o texto, ele conseguiu em parte. Dois trending topics brasileiros desta semana foram #BolsonaroEstaCerto e #PresidenteGoldenShower. Havia ainda #ImpeachmentBolsonaro e #VergonhaDoPresidente.

O FT lembrou que mais de 58 milhões de brasileiros votaram em Bolsonaro nas eleições do ano passado, apesar de seu histórico de comentários incendiários e provocativos. De fato, para muitos, a abordagem das guerras culturais de Bolsonaro foi central em seu apelo.

Uma preocupação agora, no entanto, é que seu estilo de governo esteja excessivamente focado em guerras culturais e disputas digitais desnecessárias, e que isso poderia prejudicar as principais reformas econômicas e o papel do Brasil como a maior democracia da América Latina.

"Podemos voltar a discutir Venezuela e a reforma da Previdência agora?", perguntou o analista político Oliver Stuenkel.

Bolsonaro, cujo índice de aprovação pública caiu de 65% para 39%, deve se reunir com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, em Washington, dentro de dez dias.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Efeito reverso

Elon Musk fez piada sobre o Dogecoin na TV aberta — e as cotações desabaram

Elon Musk fez a aguardada participação no SNL no último sábado, fazendo piada sobre si mesmo e falando do Dogecoin — mas a cotação caiu forte

Pesquisa da FGV

Presente mais caro: inflação do Dia das Mães é a maior dos últimos quatro anos

Levantamento da FGV mostra que a inflação no Dia das Mães é a maior desde 2017; eletrodomésticos e passagens aéreas tiveram maiores saltos

Expansão

SPX Capital assume operações do Carlyle no país

As operações do Carlyle no Brasil serão absrovidas pela SPX Capital. Com isso, a gestora de Rogério Xavier se expande em private equity

ESTRADA DO FUTURO

Um pé no abismo e outro na casca de banana: como identificar ações de empresas decadentes

Excesso de otimismo, planos mirabolantes e desprezo pela inovação estão entre as receitas para uma empresa falhar, segundo o gestor que se dedicou a descobrir empresas terríveis

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies