Menu
CONTEÚDO PATROCINADO POR Startse

Milionária sem sair da cama

O caso da inglesa que ficou milionária trabalhando de pijama no quarto – e o número de brasileiros que querem enriquecer da mesma forma.

22 de fevereiro de 2019
10:56 - atualizado às 11:27
Milionária sem sair da cama

Erica Stanford é uma britânica de 30 anos aparentemente comum. Tinha problemas com dinheiro e dívidas como qualquer pessoa, até que em 2017 ela ouviu em um programa de rádio um papo sobre blockchain (a tecnologia por trás do bitcoin e outras criptomoedas) e ficou interessada.

“Quando li que você poderia usar isso para investigar se diamantes foram obtidos de forma ética, por exemplo, rastrear antiguidades roubadas e descobrir o histórico de carros de segunda mão, fiquei muito interessada. Achei fascinantes todas essas aplicações práticas”, afirmou à BBC.

Depois de ouvir isso e entender como o bitcoin funciona, comprou 200 libras (mais de 1 mil reais) de bitcoin e outras moedas. Com o retorno começou a investir em moedas mais baratas. Quando viu, 200 libras viraram 30 mil.

“Lembro de ter pensado: 'Uau, dá pra ganhar dinheiro de verdade - poderia pedir demissão e só fazer isso'.”

Hoje você pode achar loucura alguém “largar tudo” para viver de investimento em criptomoedas. Mas se você souber olhar para esse mercado com mais de 2 mil ativos subindo e descendo nos gráficos, a chance de ficar rico pode tornar o risco mais interessante do que “perder tudo”.

Moedas como a Etheera teve valorização de +8.86K% nos últimos 7 dias. Enquanto a BitF despencou -99,36%. A Freecoin foi para a Lua com valorização de +2,09K% em 24h enquanto a bitqy despencou incríveis -610,46% no mesmo período.

De altas e baixas o brasileiro conhece…

Se analisarmos a política nos últimos anos, as altas e baixas da Selic e da Bovespa, isso sem falar na disputa eleitoral mais comentada dos últimos anos… De altas e baixas o brasileiro já conhece.

Talvez por isso, mesmo com o tombo do bitcoin no ano passado, o número de CPFs brasileiros investidores em criptomoedas tenha aumentado para 1,4 milhão de pessoas.

Número maior que os CPFs da Bolsa (620 mil) e encostando no número de investidores no Tesouro Direto (1,8 milhão). Isso aponta para 3 tendências: (i) os brasileiros veem criptomoedas como algo seguro; (ii) acham que ficarão mais ricos com criptomoedas do que na Bolsa de Valores; ou (iii) acham o mercado de criptomoedas mais fácil de entender e operar do que mexer com ações.

Eu particularmente acredito na terceira e ainda posso acrescentar algumas coisas: investir em criptomoedas é mais interessante porque tem outras aplicações práticas por detrás do trading.

Você pode sacar e transferir o dinheiro muito mais fácil; você pode usar para transacionar qualquer coisa, independente do país; e a “Bolsa de Criptomoedas” é única, você não precisa investir na Bolsa “brasileira”, “americana” ou “canadense” de criptomoedas. As chances (e valorização) são iguais a todos.

Receba um relatório gratuito com as melhores oportunidades em Criptomoedas para 2019.

Milionária em 1 ano

Em setembro de 2017 Erica largou o emprego de marketing para negociar moedas em tempo integral. Todo mundo achou que ela estava maluca por associar bitcoin com transações ilegais. Mas para ela era como dinheiro vivo: você deixará de usá-lo só porque pessoas fizeram coisas ilegais com ele também?

Ela aprendeu da pior forma que da mesma maneira que as criptomoedas se valorizam rápido demais, elas também caem. Ela chegou a ganhar 5 mil libras e “perdeu tudo” porque a carteira digital na qual ela estava entrou em “modo de manutenção”.

Depois disso passou a estudar mais e para identificar padrões e comportamentos para não se arriscar além do necessário. Em poucos meses tinha 1 milhão de libras. “Fiquei em pânico. Não sabia se pegava meu dinheiro, saía correndo ou reinvestia”. Ficou com a maior parte e reinvestiu o restante.

Em setembro de 2018, 1 ano depois de pedir demissão, ela mais seu parceiro haviam conquistado 20 milhões de libras em criptomoedas. E várias pessoas que na época a chamaram de louca hoje pedem para ela cuidar das carteiras deles.

Mas não quero ter esse tipo de estresse ou pressão. Mas fico feliz em dar conselhos, e já me pediram para dar palestras sobre criptomoedas ao redor do mundo. Adoro ser conhecida por isso."

Forbes se rende às criptomoedas

O fenômeno das criptomoedas também atingiu a lista de riqueza mais famosa do mundo. A Forbes pela primeira vez anunciou a lista das pessoas mais ricas em criptomoedas do mundo.

A lista na época ficou assim:

  1. Chris Larsen, cofundador da Ripple / US$ 7,5 bilhões a US$ 8 bilhões
  2. Joseph Lubin, cofundador do Ethereum e fundador da Consensys / US$ 1 bilhão - US$ 5 bilhões
  3. Changpeng "CZ' Zhao, CEO da Binance /  US$ 1,1 bilhão - US$ 2 bilhões
  4. Tyler e Cameron Winklevoss, cofundadores da Winklevoss Capital / US$ 900 milhões - US$ 1,1 bilhão cada um
  5. Matthew Mellon, investidor individual / US$ 900 milhões - US$ 1 bilhão
  6. Brian Armstrong, CEO da Coinbase / US$ 900 milhões - US$ 1 bilhão
  7. Matthew Roszak, confundador da BloQ e fundador da Tally Capital / US$ 900 milhões - US$ 1 bilhão
  8. Anthony Di Iorio, cofundador do Ethereum e fundador da Jaxx e Decentral / US$ 750 milhões - US$ 1 bilhão
  9. Brock Pierce, presidente do conselho da Bitcoin Foundation e conselheiro da Block.One / US$ 700 milhões - US$ 1 bilhão
  10. Michael Novogratz, CEO da Galaxy Digital / US$ 700 milhões - US$ 1 bilhão

A lista é tão dinâmica, que o número 1 do ranking teve sua fortuna aumentada 800% naquele mesmo mês. Com a valorização da Ripple sua fortuna subiu para 60 bilhões de dólares (na época maior que a fortuna de Mark Zuckerberg, o criador do Facebook).

Receba um relatório gratuito com as melhores oportunidades em Criptomoedas para 2019.

E agora, invisto ou não?

É algo complexo de responder, por isso a melhor resposta é: sim, mas depende.

Enquanto o número de moedas sobe (já passamos de 2 mil delas) fica cada vez mais difícil identificar quais vão subir ou não.

E quem está identificando isso e mantendo a calma com as altas e baixas do mercado, estão ganhando dinheiro com isso.

Inclusive empresas que estão utilizando a tecnologia blockchain para ganhar dinheiro sem correr o risco de investir um centavo em moedas digitais.

Mas como identificar quais as melhores moedas para investimento com mais de 2 mil delas no mercado?

Como entender o que é blockchain e usá-la à meu favor sem precisar me arriscar no mercado de criptomoedas?

A regulação delas no Brasil e no exterior pode fazer as moedas terem um novo “boom” de crescimento ou o valor delas virará pó?

Para saber tudo isso, clique aqui e veja dia 28 de março, em São Paulo, os maiores players e empresas que estão analisando os movimentos no mercado das criptomoedas e vão te ensinar qual o próximo passo que você precisa dar neste mercado.

Receba um relatório gratuito com as melhores oportunidades em Criptomoedas para 2019.
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies