🔴 MELHORES MOMENTOS DO MACRO SUMMIT BRASIL 2024 – ASSISTA AQUI

Estadão Conteúdo
Em atraso

Após romper contratos, SP vai fazer nova licitação de trecho norte do Rodoanel

Contratos rescindidos são os mesmos que foram alvo de denúncia da força-tarefa da Lava Jato em São Paulo em julho de 2017 por suspeita de superfaturamento de até R$ 625 milhões

Estadão Conteúdo
2 de janeiro de 2019
12:55 - atualizado às 10:19
Obra em trecho do rodoanel
Rodoanel - Imagem: Felipe Rau/Estadão Conteúdo

Em meio a denúncias de fraude e superfaturamento, a estatal paulista Desenvolvimento Rodoviário S/A (Dersa) rescindiu os contratos de metade dos lotes do Trecho Norte do Rodoanel. O rompimento deve inviabilizar a conclusão da obra em 2019, segundo engenheiros que participaram do projeto ouvidos pelo Estado. A empresa do governo paulista alegou "incapacidade" das empreiteiras OAS e Mendes Júnior de continuar com a construção dos três primeiros trechos da última alça do anel viário metropolitano. Em março, a obra completa três anos de atraso.

A rescisão dos contratos foi decidida pela diretoria da Dersa no dia 11 de dezembro, ainda na gestão do ex-governador Márcio França (PSB), que já herdou a obra com denúncia de irregularidades da gestão do antecessor, Geraldo Alckmin (PSDB). Nomeado ontem pelo governador João Doria (PSDB), o novo secretário de Logística e Transportes, João Octaviano, afirmou ao Estado que o governo deverá fazer nova licitação para contratar as empreiteiras para terminar os três primeiros lotes. Os outros três continuam em execução e tiveram seus contratos prorrogados até junho.

"A Dersa rescindiu os três contratos e declarou inidoneidade das duas empresas, OAS e Mendes Júnior, por abandono de obra. Agora vamos retomar as discussões e ver, na forma da lei, o que dá para fazer para licitar e retomar fortemente a obra do Rodoanel", disse Octaviano, que não deu novos prazos.

Segundo a Dersa, até agora foram executados 85% dos 47,6 km de extensão do Rodoanel Norte. A obra deveria ter sido entregue por Alckmin em março de 2016, conforme a primeira previsão contratual. O custo atualizado de todo o empreendimento é de R$ 9,9 bilhões, cerca de 30% a mais do previsto no início, em março de 2013. O Estado não conseguiu localizar ontem representantes das empresas OAS e Mendes Júnior.

Denúncia

Os contratos rescindidos são os mesmos que foram alvo de denúncia da força-tarefa da Lava Jato em São Paulo em julho de 2017 por suspeita de superfaturamento de até R$ 625 milhões. Na ocasião, o Ministério Público Federal denunciou 14 pessoas por organização criminosa. Entre os acusados estão um executivo da OAS, dois da Mendes Júnior e o ex-secretário de Logística e Transportes e ex-presidente da Dersa Laurence Casagrande, que chegou a ficar três meses preso por decisão da Justiça Federal.

Segundo a investigação, as irregularidades tiveram como origem aditivos contratuais assinados pela Dersa entre 2015 e 2016 que elevaram os custos de uma série de serviços da fase de terraplenagem, como remoção de rochas grandes e descarte de terra dos canteiros. Conforme fiscalização concluída em 2017 pelo Tribunal de Contas da União (TCU), o valor superfaturado chegaria a R$ 625 milhões.

Auditoria técnica recomendou que a OAS devolvesse R$ 33 milhões, mas isso não foi aprovado pelo TCU. A empreiteira, por sua vez, pedia novo reajuste contratual para concluir seus dois lotes da obra, mas o Estado descartou novos aditivos após as prisões do ex-secretário e de diretores da estatal.

Em nota, a Dersa reiterou que rescindiu os contratos "diante da incapacidade das empresas para a continuidade das obras dos lotes 1, 2 e 3 do Rodoanel Norte" e que "prepara novo processo licitatório para dar sequência a esses três lotes". As obras dos trechos Sul, Leste e Oeste já foram entregues.

Compartilhe

Corrupção passiva e lavagem de dinheiro

Lava Jato denuncia ex-diretor da Dersa, agora por propinas de R$ 27 milhões

2 de março de 2019 - 10:00

A acusação aponta que o suposto operador do PSDB exigiu, entre 2007 e 2010, propinas de 0,75% a 5% do valor medido em obras viárias do Estado

Paraíso fiscal

Banco suíço viu movimentação suspeita de ex-diretor da Dersa já em 2008

21 de fevereiro de 2019 - 8:45

Paulo Vieira de Souza acumulou R$10,9 milhões em uma das contas no exterior entre 2008 e 2010

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies