Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-03-25T09:48:06-03:00
Estadão Conteúdo
Novidades à vista?

Em estratégia de “fatiamento” da Abril, Exame deve ficar com o BTG

Segundo uma fonte, o empresário deve buscar compradores não só para a “Exame”, mas também para outras unidades de negócio, como a Casa Cor e o Guia do Estudante

24 de março de 2019
17:48 - atualizado às 9:48
trading floor btg pactual

A Editora Abril, que está em recuperação judicial, deve repassar ao banco de investimentos BTG Pactual a revista de economia e negócios "Exame", apurou o jornal O Estado de S. Paulo com fontes a par do assunto. O processo de fatiamento da Abril faz parte da estratégia de Fábio Carvalho, novo controlador da companhia.

Segundo uma fonte, o empresário deve buscar compradores não só para a "Exame", mas também para outras unidades de negócio, como a Casa Cor e o Guia do Estudante. Nesses casos, dentro da recuperação judicial, a empresa pode fazer a venda de unidades produtivas isoladas em formato de leilão. No caso da "Exame", no entanto, o BTG já manifestou interesse claro, apurou a reportagem. Esse leilão de unidades pode ser realizado no curto prazo.

Outra "vantagem" para o BTG ficar com a "Exame" é o fato de o banco ter financiado o aporte que Carvalho está fazendo na Abril, de R$ 70 milhões. A companhia entrou em recuperação judicial, com dívida de R$ 1,6 bilhão, e foi arrematada por Carvalho pelo valor simbólico de R$ 100 mil. O executivo de 41 anos, que é sócio das varejistas Leader e Casa & Vídeo, assumiu a presidência da companhia.

A dívida da companhia é considerada impagável. Antes de Carvalho assumir o negócio, a consultoria americana Alvarez & Marsal montou uma reestruturação da dívida que prevê desconto de 92% nos débitos e 18 anos de prazo para pagamento. Do total dos débitos da Abril, cerca de R$ 1,2 bilhão estavam nas mãos dos grandes bancos brasileiros. A editora fechou um acordo com a companhia de recuperação de débitos de difícil recuperação Enforce - que também pertence ao BTG -, que adquiriu as dívidas e vai tentar cobrá-las.

Para atrair um investidor, a Abril teve de reduzir sua operação a uma fração da abrangência que a companhia já teve. Hoje, o grupo publica oito revistas impressas: Veja, Exame, Cláudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Saúde, Você S.A. e Você RH. Mantém ainda alguns títulos online, como Capricho e Minha Casa. Além de ter reduzido custos com aluguel ao sair de sua tradicional sede, em São Paulo, a companhia demitiu cerca de 800 profissionais em agosto do ano passado.

Além da operação de mídia, o grupo mantém negócios como a Casa Cor - de eventos de arquitetura e decoração -, o serviço de entregas de encomendas Total Express, uma gráfica e um braço de distribuição de revista.

Procurado, Carvalho não deu entrevista. "Parte da estratégia de reestruturação passará pela busca de oportunidades para venda de ativos. Como o Grupo Abril está em recuperação judicial, qualquer venda de ativo será contemplada no plano de recuperação, aprovada pelos credores e deve ser feita através de leilão judicial", disse a Abril, em nota.

O BTG não comentou.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

O futuro está no céu

A acirrada corrida pelo ‘carro voador’

Além de chamar a atenção no mercado de capitais, as startups de “carros voadores” estão atraindo talentos e parceiros de setores mais tradicionais da economia

XP anuncia investimento na edtech Resilia

A Resilia é uma edtech que combina tecnologias que potencializam o aprendizado individualizado e em comunidade com um método de ensino que capacita potenciais talentos de uma forma mais rápida para o mercado digital

Análise

Investir em ações de banco ainda é uma boa? Veja 3 motivos que deixam a XP Investimentos cautelosa

Se no ano passado a postura era otimista, agora os analistas do setor financeiro da XP estão mais cautelosos, já que o cenário é de preços elevados dos ativos e uma concorrência e intervenções regulatórias preocupantes.

REFORMA TRIBUTÁRIA

PIB pode crescer 1,6% com redução de IR para empresas, indica estudo

O cálculo de 20% teve como base comportamento das empresas depois de um dos maiores aumentos na alíquota do imposto sobre dividendos no mundo – na França, em 2013, de 15,5% para 46%

ESG

‘Equidade racial se tornou prioridade dentro da Vivo’, diz presidente

Dentro da extensa agenda ESG, que concentra ações ambientais, sociais e de governança, a Vivo aposta na equidade racial

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies