Menu
2019-04-20T16:43:55-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
Empresas podem ser muito afetadas...

Olha a bomba! Fim da dedução do JCP pode diminuir lucro de 17 empresas em mais de 10% em 2019, segundo BTG

No quesito preço-alvo de ações, os setores mais afetados seriam o financeiro e de varejo. Preço-alvo das ações do Banco do Brasil poderiam cair até 19%

24 de janeiro de 2019
11:48 - atualizado às 16:43
B3 – BRF – BR V3
Imagem: Montagem/Andrei Morais

Em relatório divulgado hoje (24) pelo BTG Pactual, o banco ressalta que o fim da dedução tributária do juro sobre o capital próprio (JCP) pode promover a queda de mais de 10% no lucro de 17 companhias em 2019. Segundo o documento, as empresas mais impactadas seriam a BRF, que teria queda de 63%; seguido pela Telefônica Brasil e Hypera, com baixa de 17%, e Duratex, com diminuição de 16,5%.

Na sequência, viriam a BR Distribuidora e B3, com queda de 16%. As empresas brasileiras de capital aberto pagaram R$ 66 bilhões em JCP aos seus acionistas em 2018.

Segundo os analistas Carlos Sequeira e Bernardo Teixeira, responsáveis pelo relatório, é possível que, em alguns casos, o impacto estimado no lucro das ações não seja proporcional ao impacto nos preços-alvos dos papéis dessas empresas.

Para entender os setores que seriam mais afetados no quesito preço-alvo das ações, os analistas Carlos Sequeira e Bernardo Teixeira fizeram um estudo com 40 companhias e perceberam que os setores financeiro e de varejo seriam os mais impactados.

No primeiro caso, a média de queda no preço-alvo das ações seria de 10%, enquanto que no varejo a desvalorização seria de 6%.

Os bancos mais afetados seriam o Banco do Brasil, com baixa de 19% no preço-alvo das ações. Em seguida, viriam Bradesco e Santander. Ambos teriam queda de 15% no preço-alvo. O Itaú Unibanco com desvalorização de 12%.

Já no varejo, as maiores baixas seriam lideradas por Hypera, com queda de 13%, e Raia Drogasil com baixa de 12% no preço-alvo das ações. Durante a análise, os especialistas não levaram em consideração qualquer redução nos impostos cobrados sobre as empresas, que hoje é em torno de 34%.

Vai e volta

O assunto voltou à tona agora com o discurso de ontem (23) do ministro da Economia, Paulo Guedes, no Fórum Econômico Mundial. Guedes afirmou que pretende reduzir a carga tributária das empresas dos atuais 34% para 15%, em média. Para não afetar a arrecadação federal, outros impostos teriam que aumentar - e daí vem a ideia de tributar dividendos e juros sobre capital próprio.

Para os analistas, mesmo se o governo diminuir os impostos sobre as empresas, as companhias que pagam altos dividendos e juros ao acionista podem ser impactadas de forma "desproporcional".

O JCP foi criado em 1995 com a finalidade de impulsionar o mercado de ações. Ele permite que a empresa remunere os acionistas até o valor da TJLP. Quanto mais alta a taxa, maior o benefício fiscal.

A vantagem é que a empresa pode deduzir o valor pago na forma de JCP do lucro tributado pelo Imposto de Renda e da Contribuição Social do Lucro Líquido (CSLL). Isso é benéfico para a companhia porque o pagamento é contabilizado como despesa da empresa, ou seja, entra antes do lucro.

Na opinião dos especialistas, ao acabar com a dedução do JCP, a nova administração estaria aumentando os impostos sobre o ganho de capital e diminuindo as taxas em cima da produção, o que já é feito em países desenvolvidos.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Crédito à vista

Bancos privados também preparam crédito prefixado

Diferentemente da modalidade com lastro no IPCA, no prefixado bancos privados mostram apetite: veem mais segurança para emprestar sem o risco da inflação

Deu mais

CCR vence leilão da BR-101 no Sul com deságio de 62%

Valor ficou bem abaixo das duas outras propostas; fontes afirmaram ter sido lance arriscado e que a empresa terá de injetar cerca de R$ 1 bilhão de capital social por causa deságio elevado

um risco no radar

Por coronavírus, Arábia Saudita avalia romper aliança com a Rússia no setor de petróleo

Os dois lados têm colaborado desde dezembro de 2016 para tentar equilibrar a oferta global, em meio a um salto na oferta do xisto vinda dos EUA

presidente vai aos EUA

Bolsonaro diz ter intenção de trazer a Tesla, de Elon Musk, para o Brasil

Filho do presidente já havia declarado a intenção; Ele disse ter participado de teleconferência com o ministro da Ciência e Tecnologia para tratar sobre o assunto

Exile on Wall Street

O tamanho certo da sua proteção para este Carnaval

*Por Bruno Mérola

de olho nas cifras

Rombo nas contas externas soma US$ 11,8 bilhões em janeiro

Resultado é o pior resultado para o mês desde 2015, quando houve déficit de US$ 12,011 bilhões

mercados agora

Dólar bate R$ 4,40 pela primeira vez na história; Ibovespa cai mais de 1%

O mercado local novamente é afetado pela cautela no exterior, fazendo a moeda norte-americana testar um novo recorde; no ano, a alta do dólar à vista já é de mais de 9%

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta sexta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

De olho no futuro

Montadoras investem em postos de recarga para fomentar híbridos

Volkswagen se une assim a empresas como BMW, Volvo e à própria parceria em que participa com Volkswagen e Porsche na instalação de pelo menos outros 680 pontos de abastecimento, vários deles com tecnologias de recarga rápida

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

13 notícias para você começar o dia bem informado

2019 poderia ter sido um dos melhores anos da história da Vale, especialmente pela alta de mais de 30% no preço do minério de ferro. A tragédia de Brumadinho mudou severamente esse quadro e levou a empresa a um prejuízo de US$ 1,7 bilhão no ano todo, conforme números divulgados ontem à noite. A sexta-feira […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements