Menu
2019-11-18T12:21:18-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Bancos

Ação do Banco do Brasil é a preferida do Santander no setor

Em relatório sobre perspectivas para 2020, Santander lista os bancos que devem se beneficiar dentro de um cenário de recuperação da atividade

18 de novembro de 2019
12:21
Banco do Brasil
Imagem: Divulgação

Os analistas do Santander realizaram um longo estudo sobre os pares e chegaram à conclusão de que os bancos brasileiros são uma ótima maneira de aproveitar o crescimento econômico estimado para 2020. E dentro do universo de avaliação, o Banco do Brasil aparece como o melhor nome para esse tema.

Para o Santander, o Brasil entrará gradualmente em um ponto ideal do ciclo econômico, passando por uma recuperação econômica acelerada com inflação baixa e retomada do crescimento.

Mas o banco pondera que existem alguns desafios para o setor. Há uma redução na estimativa geral de crescimento dos lucros para 2020, em função do aumento de tributação, com a CSLL subindo de 15% para 20%. O banco também estima menor crescimento das tarifas bancárias, reflexo da concorrência das fintechs.

Hora de ser seletivo

No entanto, pondera o banco, esse crescimento médio esperado dos lucros pode não ser representativo das realidades individuais, pois há grande variação nas previsões de crescimento, que vão desde o crescimento anual de 1% para o Itaú em 2020 até o significativo crescimento de 138% do Banco Inter.

A discrepância é tão significativa que o Santander dividiu os bancos brasileiros em dois grupos: alto crescimento de lucro e baixo crescimento.

No grupo de menor crescimento estão os grandes bancos de varejo:

  • O Banco do Brasil pode ser o único grande banco brasileiro a registrar despesas reduzidas de provisão em base anual em 2020, pois o Santander estima uma queda de 1%. O banco também pode registrar crescimento de lucro acima desse grupo em 2020 e, como tem o valuation mais barato (negociando à 1,2x P/VPA para 2020E), o Santander define o Banco do Brasil como principal recomendação no setor. Compra com preço-alvo em R$ 66,00.
  • O Bradesco pode ser o único grande banco brasileiro a registrar estabilidade nas despesas administrativas. Banco também poderia proporcionar um crescimento mais forte dos empréstimos para 2019 e 2020, em 11% e 12%, respectivamente. Portanto, e caso os investidores desejem atuar no setor de bancos brasileiros por meio de um banco privado, o Bradesco é a opção preferida, com recomendação de compra e preço-alvo de R$ 45,00 para 2020.
  • O Itaú poderia registrar o menor crescimento de lucro entre os grandes bancos, em 1% para 2020. Assim, é a única mudança de recomendação - um rebaixamento para Manutenção, com preço-alvo de R$ 43,00 para o fim de 2020.
  • O Banrisul deve ter fraco crescimento de lucro e empréstimos, de acordo o modelo do Santander; portanto, a classificação de compra é baseada no valuation. Preço-alvo de R$ 29,00 para o fim de 2020.

Bancos com histórias digitais para contar

  • O Banco Inter poderia ter o maior crescimento de lucro entre todos os bancos dentro do universo de cobertura na América Latina: impressionantes 138% para 2020E. Manutenção com preço alvo de R$ 49,00 para 2020.
  • O Banco Pan é a maneira listada mais barata de ganhar exposição ao empolgante cenário digital do Brasil com um P/VPA de 2,2x para 2020E. O Santander também vê o maior risco de valuation assimétrico: mais de 100% de potencial de alta no melhor cenário contra 5% de baixa no cenário pessimista. Compra com preço-alvo de R$ 14,00.
  • O BTG poderia ter o maior valor potencial a ser desbloqueado de acordo as projeções. O Santander calcula um valor potencial para a unidade de varejo BTG Digital de R$ 18,7 bilhões (~35% do valor de mercado do banco), mas observa que o IPO da XP poderia ser um direcionador para o valuation do BTG, pois seu valor corporativo poderia ser ainda maior. Compra com preço-alvo de R$ 88,00 para 2020.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

em busca de soluções

Magazine Luiza, GPA e outras empresas promovem movimento #NãoDemita

Grandes bancos, fabricantes de alimentos, empresas de tecnologia, saúde e investimentos estão endossando uma campanha para evitar a demissão

perspectivas

Economia volta à retomada no 2º semestre, diz economista-chefe do Bradesco

Para Fernando Honorato Barbosa, o setor de serviços será o último a se recuperar

olho no datafolha

Governo Bolsonaro tem 42% de avaliação ‘ruim’ ou ‘péssima’ em abril, diz pesquisa

É o maior nível de avaliações ruins ou péssimas desde o início do mandato, mas ainda estável no limite da margem de erro

Virada de mão

“Vai faltar real para comprar dólar no preço atual”, diz Márcio Appel, da Adam Capital

Depois de ganhar dinheiro com a desvalorização cambial, gestor deixou de apostar na alta do dólar contra o real e avalia comprar a moeda brasileira

medida anticrise

Senado aprova texto-base de projeto que suspende prazos contratuais até outubro

Medida coloca no papel flexibilizações durante a pandemia do novo coronavírus no País e dependerá agora de chancela da Câmara

Em busca de soluções

Governo Federal é o único que pode emitir dívida e moeda, diz Maia

Sobre o trabalho do Parlamento, Maia disse que as Medidas Provisórias começarão a ser votadas “uma a uma” na próxima semana

A mesa virou?

Sistema bancário dos EUA pode ter problema por excesso de liquidez

Com acesso ao dinheiro, empresas estão guardando os recursos em poupanças, o que, juntamente com a liquidação de ativos de risco, inunda os bancos com liquidez

Reflexos da crise

Empresas alegam ‘força maior’ e já pedem revisão de contratos na Justiça

Com a alegação de “força maior” ou “evento fortuito” – por conta do coronavírus -, o meio jurídico teme que os contratos sejam suspensos em um efeito dominó, com distorções em toda economia

covid-19 no radar

‘Esse é o momento de sobreviver à crise’, diz presidente do Itaú Unibanco

Segundo Candido Bracher, o mundo tem dificuldades para lidar com a crise por sua origem em um fator de saúde pública – e não no mercado financeiro, como ocorreu em 2008

diante do coronavírus

Opep+ vislumbra corte de produção de 10 milhões bpd, incluindo EUA e Brasil

Mais cedo, fontes afirmaram que a Opep+ planeja uma teleconferência na segunda-feira (06) para debater um eventual corte

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements